sexta-feira, 8 de julho de 2011

SEJA SIMPLES, PRUDENTE E PERSEVERANTE

Texto de Leitura: Mt 10, 16-23
08 de julho de 2011

“Observa a árvore. A fim de crescer para cima, primeiro cresce para baixo. Primeiro finca sua raiz na humildade da terra para depois lançar suas grimpas ao alto céu” (Santo Agostinho. Serm. 117,17).

Estamos ainda no discurso de Jesus sobre a missão (Mt 9,36-11,1).  No texto do evangelho de hoje Jesus nos recorda que a luta do discípulo na missão contra o mal está em desvantagem: “Eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos”. “Ovelha” é a presa fácil para o lobo. Ovelha é mansa, indefesa para qualquer ataque. Lobo é feroz, forte e persistente. Os discípulos estão bem advertidos: parecem ser entregues, mansos e sem defesa (como ovelhas) para a brutalidade e a força de seus adversários (como lobos). Jesus não esconde a verdade aos cristãos: o evangelho provoca, muitas vezes, a oposição e perseguição. Isto não espanta Jesus. Ele pede aos cristãos para se manterem valentes como Ele até o fim. Jesus salvou a humanidade comportando-se como ovelha ou na linguagem do evangelista João (Jo 1,29.36) como cordeiro: simples e manso (cf. Mt 11,28-30), e não como lobo. Jesus quer que cada cristão seja simples, mas prudente (veja a reflexão sobre PRUDÊNCIA NA AÇÃO E AMOR NO TRATAMENTO neste Blog).

O simples não se louva nem se despreza. Ele é o que é, simplesmente, sem desvios, sem afetação. É a vida sem frases e sem exageros. O simples não simula nada, pois simular a humildade e a simplicidade significa arrogância de quem puxa tudo para seu lado. Santo Agostinho dizia: “Simular humildade é a maior das soberbas” (De sanc. vir. 43,44). O simples é capaz de reduzir o mais complexo ao mais simples. O presente é sua eternidade, e o satisfaz.

A simplicidade aprende a se desprender, acolher o que vem sem nada guardar como coisa sua. Simplicidade é nudez, despojamento, pobreza. Simplicidade é liberdade, leveza, transparência. A simplicidade é a transparência do olhar, pureza do coração, sinceridade do discurso, retidão da alma e do comportamento. A simplicidade é a espontaneidade, a improvisação alegre, desprendimento, desprezo do prevalecer. A simplicidade é o esquecimento de si, é nisso que ela é uma virtude. A simplicidade é a virtude dos sábios e a sabedoria dos santos. Não é por acaso que Jesus faz o seguinte convite: “Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas” (Mt 11,29). Através da simplicidade alcançaremos o repouso para nosso coração ou para nossa vida.

O Reino de Deus se revela na debilidade de Jesus e de seus mensageiros. São Paulo dirá também queé na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte.” (2Cor 12,9-10). Toda a historia da Igreja confirma esta verdade. São os pequenos e humildes que fizeram as maiores obras. Por essa razão, vem a pergunta para cada um de nós: “Será que creio verdadeiramente que a força de Deus é capaz de fazer grandes coisas na minha debilidade e através da minha fraqueza?

O discípulo é pobre e está sem arma e deve ser desarmado; ele é somente rico na e na validez do anuncio, pois trata-se da Palavra de Deus que tem por objetivo salvar os homens e será a ultima palavra para a humanidade. A missão exige um ambiente de debilidade para forçar o discípulo a ter permanentemente em Deus e para tirar qualquer tipo de ilusão como discípulo. É Deus quem opera e não os homens. Os homens são instrumentos nas mãos de Deus.

Mas a debilidade não é presunção nem superficialidade nem ingenuidade. “Sejam simples e prudentes”, são as palavras de Jesus. A simplicidade é lealdade, transparência, confiança na verdade e, portanto, é uma recusa de qualquer meio de violência. A prudência é a capacidade e a humildade de valorizar e de levar em consideração as situações concretas. Mas trata-se sempre, por suposto, da prudência de Cristo, não da prudência do mundo baseada em cálculos cínicos, em diplomacia interesseira e de compromisso sempre em busca de uma salvação própria, que é uma manifestação do egoísmo. O egoísmo não convive com o amor, pois o amor leva o homem ao encontro do outro para oferecer-lhe ajuda. O egoísmo devora tudo o que o outro tem.

A oposição e a perseguição vêem, muitas vezes, da própria família: “O irmão entregará seu irmão à morte. O pai, seu filho. Os filhos levantar-se-ão contra seus pais e os matarão”. O ódio pode nascer em qualquer pessoa e em qualquer lugar. Jesus nos sugere uma solução: “Permanecei fieis!”. É conservar a firmeza e o valor, contra toda decepção, contra toda oposição e contra todo fracasso. O que conta é a salvação eterna. Precisamos saber que Jesus está conosco. Na obscuridade do fracasso estamos seguros de que Jesus, com toda certeza, virá e salvará os seus. Mas Jesus nos alerta e nos afirma: “Aquele que perseverar até o fim, será salvo”. Será que sou perseverante em tudo como cristão? Perseverança é a capacidade de resistir até o fim por causa da meta (nobre) a ser alcançada.

Vitus Gustama, SVD

·        “É melhor um pecador humilde do que um beato orgulhoso (Santo Agostinho. Serm. 170,7,7).

·        Ondecaridade, há paz. E ondehumildadecaridade. Assim, pois, se quiser ter a paz, seja humilde (Santo Agostinho. In epist. Joan., proem).

·        O princípio de nossa purificação é a humilde confissão de nossos pecados(Santo Agostinho. In epist. Joan. 1,6).

Nenhum comentário: