sábado, 2 de julho de 2011

SER ACOLHEDOR É SER DOM PARA O OUTRO

É fácil ser amável para com os amigos. Mas fazer-se amigo daquele que se considera seu inimigo é a essência da verdadeira religião” (Mahatma Gandhi. Princípios de vida).


Acolher é dar às pessoas espaço, escutá-las com atenção e ver nelas um dom. E não poderemos acolher alguém como o dom de Deus se não tivermos consciência de que nós também somos amados por Deus como somos. Somos dons para a comunidade.  Acolher significa olhar para as pessoas com amor. Se uma comunidade ou uma convivência for repleta de amor, torna-se atraente. Porque atrai, a comunidade é necessariamente acolhedora. Por ser acolhedora, a comunidade está dando sinais de que está viva. A vida chama a vida. O amor chama o amor. A bondade produz a bondade. Ou como escreveu o “profeta Gentileza”, José Datrino: “Gentileza gera gentileza”.  Amor é um não querer mais que bem querer”, dizia Luiz de Camões. “O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem” (Antoine de Saint-Exupéry). E “Nãoninguém, mesmo sem cultura, que não se torne poeta quando o amor toma conta dele”, dizia Platão.

O acolhimento faz parte inseparável da hospitalidade. O termo hospitalidade refere-se ao ato de acolher, de receber um hóspede em casa (comunidade). Uma pessoa gentil, hospitaleira, prepara a chegada do outro e o recebe. Para os homens de antiguidade como os gregos, romanos e judeus a hospitalidade (acolhimento) era sagrada. Era sagrada porque acreditavam que no visitante era o próprio Deus que batia à porta para entrar. E acreditavam que ao receber o visitante o anfitrião receberia dádivas divinas. Lemos, por exemplo, na Carta aos Hebreus: “Não esqueçais a hospitalidade, pela qual alguns sem o saber, hospedaram anjos” (Hb 13,2). O próprio Jesus Cristo até se identifica com qualquer um dos pequeninos: “Em verdade Eu vos digo: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes” (Mt 25,40.45). No mundo desumanizado e muito urbanizado em que nós vivemos, o testemunho da hospitalidade ou do acolhimento aos demais pode adquirir uma dimensão profética.

Acolher alguém para viver e permanecer na comunidade é escutá-lo muito para depois descobrir com ele a verdade das coisas e da vida de irmãos. Acolher alguém na comunidade é abrir-lhe a porta do coração e criar-lhe espaço para que ele possa existir e crescer, um espaço em que ele possa sentir-se aceito do jeito que é, com suas feridas e dons. Para isso, é preciso que exista em nosso coração a paz. Se o coração não estiver em paz, não pode acolher ninguém. Se o coração humano não progredir no amor, regride. Se o coração não se abrir sempre mais, fecha-se e entra em um processo de morte espiritual. Uma comunidade que começa a dizernão” ao acolhimento, por medo ou por outros motivos, entra igualmente no processo de morte espiritual.

Certas pessoas são aparentemente muito acolhedoras, mas, de fato, estão procurando tranqüilizar sua própria angústia. O verdadeiro acolhimento é uma energia de paz e de serenidade que o outro percebe e vivencia.

O acolhimento é um dom de Deus, pois Ele nos acolhe como somos e nos possibilita alcançarmos a vida em sua plenitude (cf. Jo 10,10b). Por esta razão, é preciso que tenhamos a abertura de espírito. Se estivermos com espírito aberto nos deixaremos inundar permanentemente pela fonte primordial da verdade e do amor de Deus. Se estivermos dotados de abertura de espírito, presentearemos aos outros possibilidades constantemente novas para o bem da convivência fraterna na comunidade. Se estivermos com espírito de abertura, teremos uma força fecundante, a pureza de coração, a delicadeza de ânimo, a disponibilidade em ajudar e acolher, a docilidade no escutar e no falar. Este era o segredo dos primeiros cristãos: “Todos os fieis viviam unidos e tinham tudo em comum. E o Senhor cada dia lhe ajuntava outros, que estavam a caminho da salvação” (At 2,44.47b).


Pe. Vitus Gustama, SVD


RECEITA DE BELEZA

Eis aqui uma boa receita para melhorar sua aparência sem uso de cosméticos.

Para seus lábios use a VERDADE.
Para sua voz use ORAÇÃO.
Para seus olhos use SIMPATIA.
Para suas mãos use CARIDADE.
Para sua atitude use PERDÃO.
Para seu coração use AMOR.

Procure manter um sorriso durante todo tempo, aprenda a obter da vida a alegria, dividindo-a com outros.

Fonte (desta receita): Fundação Nha Chica- Baependi-MG

2 comentários:

Anônimo disse...

Q maravilha!!!!!!

Fredson Fred disse...

Maravilha mesmo 👍