sexta-feira, 19 de agosto de 2011

AMOR TRANSFORMA TUDO EM OBRA PRIMA

Sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Texto de Leitura: Mt 22, 34-40

*************
Quando um de vós ama, não diga: ‘Deus está no meu coração’, mas que diga antes: ‘Eu estou no coração de Deus’” (Khalil Gibran. O Profeta).

*************

Mestre, qual é o maior mandamento?”. É uma pergunta tipicamente farisaica. A fidelidade à Lei era o grande problema debatido em seus grupos. Tinham muitas obrigações, numerosas práticas a observar e quantidades de interditos (365 leis negativas e 248 positivas). Mas sabiam que era preciso fazer distinções e não colocar tudo no mesmo plano: há mandamentos mais graves e outros menos graves. Por isso, a pergunta é dirigida a Jesus sobre o maior mandamento.

Até aqui cada um de nós precisa se perguntar: “Será que eu também procuro o que é essencial na minha vida que é capaz de dar sentido para todos os meus atos diariamente? O que dá sentido para minha vida? O que é que é essencial para minha vida e minha salvação? Vivo de acordo com aquilo que é essencial na minha vida?”.

“Amarás....”, respondeu Jesus. Tudo se resume nesta palavra: amor! É tão breve a palavra que temos o risco de passá-la por alto. Devo orar a partir desta palavra. Devo olhar para a minha vida e para a minha convivência a partir desta palavra. Devo liderar, orientar e governar a partir desta palavra. Devo corrigir os outros a partir desta palavra. Devo olhar para tudo que faço a partir desta palavra, “pois não importa se você faz muito ou pouco, mas que você coloque o amor naquilo que você faz. Não importa se você dá muito ou pouco, mas que você coloque o amor naquilo que você dá” (Madre Teresa de Calcutá). O amor transforma tudo em obra prima, pois “nada é pequeno quando o amor é grande” (Santa Teresinha do Menino Jesus). “O amor nada dá de si próprio e nada recebe senão de si próprio. O amor não possui, nem se deixa possuir, pois o amor basta-se a si mesmo” (Khalil Gibran). Devo pensar na minha salvação a partir desta palavra, pois “Deus é Amor” (1Jo 4,8.16). Deus está no ato de amar. “Quanto mais amas, mais alto tu sobes” (Santo Agostinho. In ps. 83,10).

Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento!”. Através destas palavras Jesus cita a oração cotidiana dos judeus (Dt 6,4-7). Em outras palavras, Deus deve ser amado de maneira total de nosso ser, segundo Jesus e não somente com uma parte de nossa vida ou de nosso tempo.

Até aqui cada um de nós precisa se perguntar: “Será que eu amo a Deus de todo o meu ser?”

E amarás o teu próximo como a ti mesmo”. São Paulo expressa esse mandamento de outra maneira: “Não devais nada a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o outro cumpriu a Lei” (Rm 13,8). Quem é o próximo? Para Jesus “próximo” é qualquer pessoa que é objeto do amor de Deus. Isto quer dizer todos. “Amando o próximo tu limpas os olhos para ver Deus” (Santo Agostinho. In Joan. 17,8).

O amor é que dá sentido para o resto de nossa vida. Com efeito, sem ele nada tem sentido. O homem morre não quando deixa de viver, mas quando deixa de amar. E Jesus nos alerta que no fim de nossa vida seremos examinados precisamente a partir do amor vivido ou praticado (cf. Mt 25,31-46). “No entardecer de nossa vida seremos julgados sobre o amor”, dizia São João da Cruz.

Nós vivemos hoje em sociedades que tem muitas leis e normas, inclusive nossas Igrejas têm extensas legislações. No entanto, todas elas não resolvem positivamente a vida do ser humano. A lei (as leis), ainda que oriente alguns comportamentos ou alguns ritos litúrgicos, não pode ser o guia na vida das pessoas. O único guia é o Espírito de amor que nos permite vivermos em paz com Deus e em justiça com nossos irmãos. A maior injustiça que podemos cometer é a falta de amor, pois as outras injustiças são conseqüência da falta de amor.

O que é que eu amo no amor?

P. Vitus Gustama

“Amar é silenciar para escutar.
Escutar para compreender.
Compreender para caminhar.
Caminhar para viver.

Amar é aprender das quedas.
Recomeçar nas chegadas.
Confiar apesar de tudo”

(Canísio Mayer)

Nenhum comentário: