segunda-feira, 11 de junho de 2012

XXI DOMINGO DO TEMPO COMUM DO ANO B

Senhor,Tu tens palavras de vida eterna

Domingo, 26 de Agosto de 2012

Texto de Leitura: Jo 6,60-69

Nossa caminhada aqui na terra não passa de uma busca sem fim. É uma busca de respostas concretas para nossos porquês: Por que a vida e para que a morte. Por que a cruz e por que a dor? Por que o egoísmo e por que a fome? Por que a violência e por que a guerra? Por que tanta injustiça? Por que tanta impunidade? Por que tanta corrupção? Por que tanta criminalidade? Por que tanta insensibilidade? Por que tanta maldade? Assim por diante...

Além disto, também estamos em permanente busca de nós mesmos. Queremos saber quem realmente somos, de onde viemos e para onde vamos? Por que estamos aqui na terra? pelo simples fato de termos nascido? Estamos aqui, nesta terra, por acaso ou por uma causa? Será que cada um tem sua própria missão? Mas qual? O que estamos buscando naquilo que fazemos ou dizemos? O que estamos buscando na igreja? Para que temos vindo à igreja? Por que estamos vivos? Qual finalidade de nossa vida? Onde podemos encontrar mais vida, ou talvez a Vida pela qual tanto ansiamos? Mas o que é vida ou a vida? É como se não bastasse a vida que usufruímos, queremos mais vida, certos de que a vida não é tanto posse e experiência, mas fome e busca, sede e procura. Por isso, não basta vivermos. É preciso encontrarmos o sentido que faz da nossa vida a Vida, saciando a nossa fome e sede. Mas quem pode nos saciar de tudo isto? Quem pode nos fazer felizes?

Buscas e mais buscas, perguntas e mais perguntas. Nas nossas buscas e perguntas podemos encontrar tantos deuses, tantos movimentos, tantas seitas, tantas Igrejas e religiões que nos prometem a felicidade e a prosperidade. Mas qual deles pode nos tornar felizes e salvos apesar de tudo? Estamos sempre diante de muitas escolhas ou opções ou alternativas e devemos saber escolher aquilo que nos garanta a salvação.

No Evangelho de hoje é Jesus quem pergunta aos discípulos, num momento de crise, se eles também querem ir embora: “Vós também vos quereis ir embora ?” (v.67) É hora da verdade, onde cada um tem que se posicionar porque a resposta é uma escolha que terá conseqüências sérias. Ninguém pode ficar indiferente diante da pergunta de Jesus. Em quem acreditamos? Em quem podemos apostar nossa vida? E por que apostamos a vida neste ou naquele?

O texto do evangelho deste domingo é a última parte do discurso de Jesus sobre o Pão da Vida que é ele mesmo. Os interlocutores de Jesus, ao longo de todo o relato: a multidão (Jo 6,22), os judeus (Jo 6,41) e os discípulos, que depois o abandonarão, são as mesmas pessoas com distintos nomes. Os distintos nomes designam àqueles que se entusiasmaram com Jesus num primeiro momento, considerando-lhe como um profeta de Nazaré, filho de José (Jo 1,45;6,42), mas que não se decidiram a dar o passo requerido pela cristã: a aceitação de Jesus como o Filho de Deus, Aquele que vem do alto, o Pão descido do céu cujos sangue e carne são a verdadeira comida para quem come deles com muita . A cena, então, registra um momento de crise causado pelas palavras de Jesus na pequena comunidade.

Podemos dividir o texto em duas partes de acordo com os grupos que reagem diante do discurso de Jesus: nos vv. 60-66 relata-se a reação dos discípulos e nos vv.67-71 a dos doze.

1. A reação dos discípulos (vv.60-66;cf vv.43-47)

O discurso de Jesus é muito duro para os discípulos, não porque é difícil de compreender, mas porque o consideram ofensivo. Mesmo sabendo que Jesus deve falar em termos figurativos ao dizercomer sua carne e beber seu sangue”(Jo 6,56), para os discípulos esta linguagem é insuportável. Por causa disso, muitos discípulos deixam de seguir a Jesus. Para eles, a proposta de Jesus foi ficando cada vez mais exigente: “Muitos dos discípulos que O tinham escutado diziam: ‘Esta linguagem é difícil; como podemos aceitá-la?’...A partir daquele momento, muitos discípulos o abandonaram e não mais andavam com ele” (v.60.66). Este abandono mostra que esses discípulos não eram verdadeiros. Por isso, não se perseveraram no seguimento de Jesus. Eles seguiram a Jesus por motivos superficiais e não para se comprometeram com a causa de Jesus. Eles não estavam buscando uma vida de sabedoria mais alta. Talvez Epicteto tenha razão quando diz: “Aqueles que buscam uma vida de sabedoria mais elevada, que procuram viver de acordo com princípios espirituais, devem estar preparados para serem ridiculizados e condenados. Se você se mostrar inabalável, as pessoas que o ridiculizaram passarão a admirá-lo”. Jesus foi ridiculizado, mas mais tarde Jesus será admirado por muitos. Os discípulos que abandonaram Jesus esqueceram que se o seguimento de Jesus é exigente, quem o propõe tem garantia de Deus a oferecer. E Deus pode propor o que traz mais felicidade e um jeito mais humano de viver.

Ao dizer que os discípulos  não mais andavam com ele”, o evangelista quer dizer que eles não somente abandonaram Jesus em seu ministério itinerante, mas também não estavam com ele em espírito. Eles não abriram mão de suas idéias para aderir-se às de Jesus. Se eles soubessem quem era Jesus, eles tinham abandonado qualquer idéia. Quantas vezes não abrimos mão de nossas idéias para ficar no nosso mundo tão pequeno. Como é importante saber abandonar-se nas mãos de quem é maior do que nós: Jesus Cristo.

Ao saber da reação desses discípulos, Jesus faz uma pergunta retórica seguida por uma afirmação: “Isto vos escandaliza?...O Espírito é que dá a vida, a carne não serve para nada” (vv.61.63). Para entender o significado da afirmação de Jesus precisamos ter na mente o que Jesus afirmou na conversa com Nicodemos: “O que é gerado da carne é carne, o que é gerado do espírito é espírito” (Jo 3,6). A carne é o princípio natural incapaz de compreender as profundezas do mistério de Deus. Ela designa a condição terrestre na sua precariedade: somente o sopro de Deus assegura seu ser (cf. Jo 4,24; 6,57; Rm 8,11 etc). o espírito, isto é, o princípio divino, é capaz de levar o homem a compreender e aceitar a vida que lhe oferecida em Jesus. O Espírito é a fonte do novo nascimento (cf. Jo 3,3-8). E as palavras de Jesus são espírito porque procedem de Deus. Elas são a revelação da vida divina. Elas são como pão da vida, um alimento que comunica ao homem a vida divina.

2. A reação dos Doze (vv.67-70)

A reação negativa de alguns dos discípulos (v.66) faz Jesus dirigir sua palavra para os Doze para saber qual é sua opção: “Vós também vos quereis ir embora ?” (v.67). Com esta pergunta, Jesus coloco os Doze diante de uma decisão. Sua opção é radical: crer ou não crer; permanecer ou afastar-se de Jesus. Sem dúvida, esta pergunta causa uma tensão profunda nos Doze. Apesar disso, os muitos que seguiram Jesus com generosidade descobriram que valeu a pena. Descobriram um sentido para a sua vida, uma tarefa que lhes trouxe crescimento em humanidade, em ternura com todos os outros filhos de Deus.

Em meio a essa tensão, Simão Pedro dá sua resposta generosa: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que Tu és o Santo de Deus”(v.68). A resposta de Pedro é a versão joanina daquilo que conhecemos comoconfissão de Cesaréia de Filipe” (Mc 8,27-30 e par.). Simão Pedro não confessa Jesus como o Messias, nem como o Filho do Homem ou o Filho de Deus, mas como o Santo de Deus. “Santo de Deus” é uma designação singular e antiquíssima que expressa a suprema dignidade da pessoas a quem é atribuído este título.  Esta expressão o evangelista Mc põe na boca dos possessos (Mc 1,24). Neste sentido Jesus é a encarnação e personificação da santidade divina. “Nós reconhecemos” (egnókamen), diz Simão Pedro. “Conheceroureconhecer”, aqui, não é um mero conhecimento teórico, mas um conhecer numa linha de experiência pessoal. Nestas palavras, o que nos oferece não é vida eterna, o que é mais do que poderíamos sonhar! Elas nostambém a possibilidade de vida mais plena , aqui e agora. Jesus é o Pão da Vida, porque todo seu ser, está repleto de Deus.

Na nossa vida diária ou no mercado de trabalho, propostas nunca faltam, com promessas de paz, prosperidade e sucesso. Em busca de uma solução para sua angústia de viver, muitos se deixam levar às vezes até sem perceber a quem estão seguindo, sem notar que podem estar sendo usados para favorecer algum esperto que manipula as necessidades do povo.

A pergunta séria que Jesus faz aos seus discípulos também é para nós, para cada um, para cada família. Nãopara fugir dela. Um dia todos vamos ter que dar conta da resposta que demos ou que fingimos dar.

Há na vida de cada um de nós, seguidor de Jesus, momentos em que se apresenta uma situação e pergunta semelhante à do Evangelho de hoje. Que Deus seguimos, ou que ídolo adoramos ? Continuamos com Jesus ou o abandonamos ? Quando nos cansamos de seguir o bem, a verdade, o amor e a justiça; quando estamos fartos de ir à missa ou nos enfastia este ou aquele sacerdote; quando nos pesa a fidelidade conjugal e a família; quando o mal nos rodeia e assedia; quando a dúvida e a incredulidade nos oprimem, quando numa palavra, a doutrina de Jesus torna-se para nós muito dura, Jesus vem nos perguntar: “Também você(s) quer(em) ir e me deixar?”

Todos nós vamos buscando na vida algo que nos plenifique, nos satisfaça e nos realize como pessoas. Mas sempre caímos na realidade de que somente há uma pessoa que realmente nos salva. Seu nome é Jesus Cristo. Ele, e Ele é a resposta porque somente Ele que tem palavras de vida eterna. Se quisermos optar pela vida em plenitude, sem limites ou ocaso  teremos de repetir com São Pedro, sem medo nem complexo num mundo que prefere os ídolos, a indiferença ou o ateísmo: “Senhor a quem iremos? Somente Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos em Ti, o Filho de Deus”.

pessoas que estranhamente dizem: “Eu creio em Deus, mas não pratica a religião”. É certo que não basta assistir ao culto, se falta a comunhão plena com Jesus e com os irmãos. Mas um cristão que se diz livre, sem missa nem prática religiosa, nem comunhão, não pode ter uma viva que salva. Porque a vida está em Cristo, que é o Caminho, a Verdade e a Vida(Jo 14,6). Ele diz nesse discurso sobre o Pão da vida: “Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. O pão que eu darei é a minha carne para a vida do mundo”(Jo 6,53-54.51).

Na comunhão eucarística, diferente do processo alimentar normal, o pão que comemos não o assimilamos, mas ele nos assimila, porque Cristo é mais forte do que nossa debilidade. De sorte que pode ser verificado o que dizia São Paulo: “ não sou eu quem vive: é Cristo que vive em mim(Gl 2,20). E se Deus está do nosso lado, quem estará contra nós?(cf. Rm 8,31). Quando comungamos o Pão eucarístico, sabemos muito bem que devemos concordar com aquilo que Jesus ensinou e viver a vida que Ele vivia. Esta opção exige a conversão e a perseverança.

Dizemos que somos seguidores de Cristo. Será que percebemos bem o que isso quer dizer? Fizemos de fato a escolha do caminho de Jesus? Será que realmente acreditamos do fundo de nosso coração que Ele tem palavras de vida eterna? Adesão a Jesus pela metade não leva nada. A vida é coisa muito séria para a gente deixar passar sem se posicionar.

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: