segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

05 de Janeiro
 
FAZER EXPERIÊNCIA PESSOAL COM JESUS AMPLIA A VISÃO DO HOMEM SOBRE TUDO

 

Texto de Leitura: Jo 1,43-51


Naquele tempo, 43Jesus decidiu partir para a Galileia. Encontrou Filipe e disse: “Segue-me”. 44Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro. 45Filipe encontrou-se com Natanael e lhe disse: “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei, e também os profetas: Jesus de Nazaré, o filho de José”. 46Natanael disse: “De Nazaré pode sair coisa boa?” Filipe respondeu: “Vem ver!” 47Jesus viu Natanael que vinha para ele e comentou: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade”. 48Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. 49Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”. 50Jesus disse: “Tu crês porque te disse: Eu te vi debaixo da figueira? Coisas maiores que esta verás!” 51E Jesus continuou: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”. (Jo 1,43-51)

**************

A passagem do evangelho lido neste dia descreve a vocação de Felipe e Natanael, modelo de discipulado e de seguimento (veja também a analogia dessa vocação nos evangelhos sinóticos: Mc 2,14; Mt 8,22; 9,9; 19,21; Lc 9,59).

 
No desenvolvimento da narração acontece um intercâmbio de olhares e de encontros. Jesus chama Filipe para segui-Lo. “Segue-me”, disse Jesus a Filipe. Logo depois, Filipe convida Natanael a encontrar-se com Jesus. “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei, e também os profetas: Jesus de Nazaré, o filho de José”. Ao ouvir a palavra “Nazaré” da boca de Filipe, Natanael pergunta: “De Nazaré pode sair coisa boa?”. Filipe não quer nem pretende resolver a dúvida inicial de Natanael, mas prefere convidá-lo para uma experiência pessoal com o próprio Jesus: “Vem e vê!”. Filipe viveu a experiência pessoal com Jesus anteriormente e mudou totalmente sua vida. Para esta mesma experiência é que Filipe convida Natanael a fazer.

 
Filipe convida Natanael a não ficar parado nem paralisado onde se encontra: “Vem e vê!”.  É preciso sair do próprio ângulo de sempre para ver a vida de outros ângulos e para perceber como é rica a vida que temos e como é vasta sua dimensão! “Vir” é uma ação, é uma caminhada, é um sair do próprio esconderijo e do próprio comodismo. É preciso desamarrar os pés de tantos apegos para começar a fazer um êxodo rumo à “terra prometida” por Deus. Quem caminha, vê muita coisa e vê muito mais longe. “Vem e vê” é o convite para caminhar e contemplar tudo no caminho. Diante da vitória eu preciso continuar minha luta, pois para mim é dirigido o convite: “Vem e vê!”. Diante da queda, eu preciso me levantar, pois diante de mim há um convite: “Vem e vê!”. Diante do fracasso, eu preciso reaprender, pois na minha frente está escrito: “Vem e vê!”. Diante do presente, eu preciso vibrar, pois trata-se de uma dádiva e continua soando o convite para mim: “Vem e vê!”. “Vem e vê!” é um convite para a novidade capaz de renovar toda nossa vida como aconteceu com Filipe. Quem fica no quarto, somente vê as quatro paredes. “Vem e vê!” é o convite dirigido a cada um de nós se quiser crescer na vida e ampliar sua visão sobre a vida e seus acontecimentos. O isolamento é a autodestruição. “Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias tristes em casa me esconder” (Martin Luther King). O céu (Deus) é uma comunhão plena. Ao superar o isolamento vou tendo, aos poucos, o rosto mais parecido com Deus, pois Deus é comunhão plena. “Vem e vê” é o convite de fé, pois trata-se de uma chamada para o encontro pessoal com Jesus. Somente a fé ajuda a superar os motivos de escândalo (“De Nazaré pode sair coisa boa?”) e de auto-suficiência humana.

 
“Vem e vê” é o convite de Filipe a Natanael. Trata-se realmente de um chamamento à conversão. Jo 1 é dominado pela idéia de “ver” (cf. Jo 1,39). A palavra “ver” não designa, para o evangelista João, tão somente um olhar simplesmente material sobre a humanidade de Jesus Cristo e sim uma contemplação de Sua glória e de Sua divindade. É como João Batista que viu o Espírito Santo descer sobre Jesus Cristo (Jo 1,33-34).

 
Logo no início da experiência pessoal com Jesus, Natanael ouviu as seguintes palavras da boca de Jesus: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade. (...) Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”.  Jesus chama, precisamente, Natanael para realizar essa “conversão” da vista (“ver”). Jesus convida Natanael a passar de um olhar sobre a humanidade de Jesus para a contemplação de Sua glória. A “conversão” de Natanael se realiza gradualmente. Na primeira etapa viu Jesus como filho de José (Jo 1,45). Na segundo etapa, este “ver” leva Natanael para a messianidade de Jesus: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel” (Jo 1,49). E na terceira etapa, Natanael reconhecerá, de uma vez, a divindade de Jesus: “Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem” e sua humilhação (Filho do Homem: Jo 1,51. cf. Jo 3,14; 8,28; 12,22-34; 13,31). Em outras palavras, a conversão de Natanael é progressiva: da humanidade de Cristo para sua messianidade; da messianidade para o mistério pascal da humilhação e da exaltação.

 
Jesus suscita em Natanael a vontade de acolher o mistério do Filho do Homem: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”.  Jesus revela ao futuro discípulo seu conhecimento pessoal porque em Natanael não há falsidade (fraude): Natanael é o verdadeiro israelita piedoso e reto, apaixonado pela Escritura e que sabe confessar sua própria pobreza diante de Deus. Natanael questiona, mas tem humildade de aceitar a novidade.

 
O homem, tocado no íntimo de seu ser pelo louvor do Mestre e pelo profundo conhecimento que o Senhor tem do homem (representado por Natanael), se rende à evidencia e reconhece em Jesus o Messias e confessa: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”.  Natanael, como os outros discípulos que o precederam no encontro pessoal com Jesus Cristo, se encontra no nível da fé autentica e aberto para as revelações posteriores que Jesus fará imediatamente: “Tu crês porque te disse: Eu te vi debaixo da figueira? Coisas maiores que esta verás! Em verdade, em verdade, eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”. A fé sempre nos leva a “vermos” coisas maiores do que as que vemos sem fé. “A fé é um grau de conhecimento. O conhecimento é o auge da fé” (Santo Agostinho: Epist. 136,4).

 
Jesus convida o homem a buscá-Lo porque somente Ele se deixa encontrar pelos que o buscam com aconteceu com Natanael. Uma serie de experiências dos discípulos (cf. Jo 1,35-51) permite o homem penetrar no mistério de Jesus. Quem fizer o encontro profundo com Jesus pessoalmente, sairá mais alegre, entusiasmado e será testemunha de Jesus para os demais. E no testemunho de fé dos discípulos o céu também participa: “Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

P. Vitus Gustama,svd
O4 de Janeiro

BUSCA DO ESSENCIAL

 
Texto de Leitura: Jo 1,35-42

 Naquele tempo, 35João estava de novo com dois de seus discípulos 36e, vendo Jesus passar, disse: “Eis o Cordeiro de Deus!” 37Ouvindo essas palavras, os dois discípulos seguiram Jesus. 38Voltando-se para eles e vendo que o estavam seguindo, Jesus perguntou: “Que estais procurando?” Eles disseram: “Rabi (que quer dizer: Mestre), onde moras?” 39Jesus respondeu: “Vinde ver”. Foram pois ver onde ele morava e, nesse dia, permaneceram com ele. Era por volta das quatro da tarde. 40André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que ouviram as palavras de João e seguiram Jesus. 41Ele foi logo encontrar seu irmão Simão e lhe disse: “Encontramos o Messias (que quer dizer: Cristo)”. 42Então André conduziu Simão a Jesus. Jesus olhou bem para ele e disse: “Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas” (que quer dizer: Pedra).
 
****************
 
O texto do Evangelho deste dia é a continuação do texto do evangelho do dia anterior (refletiremos novamente sobre o texto de hoje no II Domingo do Ano B. Neste ano será no dia 15 de janeiro de 2012).
 
No evangelho deste dia João Batista é apresentado como uma figura estática. Está no mesmo lugar do dia anterior: “... estava lá de novo”. Isto significa que ele permanece no seu posto enquanto dura sua missão, o que indica a fidelidade, compromisso e responsabilidade. Só se retira quando começa a missão de Jesus. Jesus é, pelo contrário, apresentado em movimento. Não se sabe de onde vem nem é dito para onde vai. Mas João Batista, que sabe da origem de Jesus, volta a olhá-lo e repete seu testemunho: “Eis o Cordeiro de Deus”.

                     
João Batista “fixa o olhar em Jesus” e diz: “Eis o Cordeiro de Deus”. Saber olhar faz parte da fé. O olhar do coração ou o olhar da fé ultrapassa a realidade sensível em que penetra. O olhar superficial, ao contrário, jamais enxerga alguém, pois ele somente quer se olhar e quer ser olhado. Quem se olha somente para si, jamais percebe a presença do outro nem a de Deus. O olhar superficial reflete, na verdade, a nossa pobreza espiritual. João Batista que vê Jesus que vem não guarda para si como propriedade privada o que viu. Ele quer que os outros vejam o que ele vê. Ele indica aos outros o Messias e aceita desaparecer, pois João Batista é apenas uma “voz” que prepara o caminho do Messias (Jo 1,23). “Essa é a minha alegria e ela é completa. É necessário que Ele cresça e eu diminua” (Jo 3,29-30), afirma João Batista com toda a humildade e com a plena consciência.

                    
Toda vez que participamos da Eucaristia ouvimos ou contemplamos a frase de João Batista: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Quem comunga o Cordeiro de Deus deve estar consciente da missão de se identificar com o Cordeiro que se doa por amor para salvar os irmãos. Quando a missa era celebrada em latim ouvia-se esta frase, certamente, no fim da mesma: “Ite, missa est!”, “Ide, sois enviados!”. Enfatiza-se, assim, o compromisso de cada participante como enviado de Deus ao sair da igreja ou templo depois que comungou o Cordeiro de Deus. Em cada Eucaristia da qual participamos ouvindo a Palavra do Senhor, nós sempre recebemos alguma missão a ser cumprida. A pergunta é a seguinte: “O que é que a Palavra de Deus, proclamada em cada Eucaristia da qual eu participo, quer que eu cumpra?”. Cada Palavra de Deus proclamada sempre tem uma palavra para mim para que eu leve adiante.

         
O testemunho de João Batista provoca uma inversão no rumo da vida dos seus dois discípulos. Eles começam a seguir Jesus. “Seguir” Jesus é uma maneira bíblica de dizer “tornar-se discípulo”; e Jesus será chamado de Rabbi, Mestre.

 
Ao perceber que os dois estão O seguindo, Jesus os interroga: “O que estais buscando?”. São as primeiras palavras de Jesus no quarto Evangelho. É uma pergunta ao mesmo tempo existencial e essencial. Esta pergunta é dirigida a pessoas que estão em busca, que andam inquietas, que se interrogam sobre o essencial nesta vida tanto para os religiosos como para os leigos, tanto para os jovens como para os adultos. Afinal, o que você está procurando nesta vida? Que sentido tem sua vida? Para onde a vida vai levá-lo? O homem, enquanto estiver vivo, permanecerá um perguntador. Ninguém pode dar sentido à própria vida a não ser interrogando-se sobre o seu estar no mundo e ser interrogado pelos outros sobre o modo de viver, pois o homem não somente vive, mas convive. Nossa vida está cercada por outras vidas. Viver significa completar-se, desenvolver-se e crescer por meio de “algo outro”. Mas paradoxalmente na hora de buscar respostas para suas perguntas, o homem acaba encontrando novas perguntas. Nascer é vir ao mundo, ver o mundo; é manifestar-se e abrir-se. Cada porta aberta somos acompanhados por uma serie de perguntas e o desejo de ter respostas, embora, no fim, acabemos encontrando novas perguntas. Diante da pergunta de Jesus “O que estais procurando”, em vez de responder, os dois discípulos lançaram uma pergunta: “Mestre, onde moras?”. É uma pergunta que é respondida por uma pergunta.

 
No fundo, todos nós estamos sempre em busca de algo mais e por isso sempre insatisfeitos. Consciente ou conscientemente somos todos garimpeiros à procura do diamante da felicidade, andarilhos à procura da pérola preciosa, pela qual estamos dispostos a “vender”, com alegria, tudo o que possuímos (cf. Mt 13,44.46). Jesus conhece nossos desejos mais profundos e sabe muito melhor das nossas necessidades fundamentais mais do que nós mesmos sabemos. Quando nos interpela com a pergunta essencial, “o que estais procurando?”, é para obrigar-nos a expressá-lo. Jesus quer que seus seguidores explicitem, diante dele, os motivos da sua busca e do seu seguimento. Esta explicitação é necessária porque as motivações nossas podem ser equivocadas, precipitadas, imaturas ou ilusórias.

 
A busca pela vida mais significativa e satisfatória é um dos temas mais antigos do homem e de qualquer religião. Ela continua válida para qualquer tempo e tempo e para qualquer pessoa que vive profundamente seu ser. No fundo percebemos que nossa vida não está sedenta de fama, de conforto, de propriedades ou de poder. Estes supostos valores criarão muitos problemas assim que os alcançarmos. Nossa vida tem fome do significado da vida: o que é vida ou a vida? Por que e para que estamos vivos”Que sentido tem minha vida? O que é essencialmente estou procurando nesta vida? Para onde a vida vai me levar, enfim? O que nos frustra e rouba a alegria de viver é a ausência do significado de nossa vida ou de nossa presença neste mundo. Percebemos, pela experiência, que não passamos a ser felizes perseguindo ou caçando a felicidade. Nós nos tornamos felizes vivendo e partilhando uma vida que signifique alguma coisa. As pessoas mais felizes geralmente são pessoas que se esforçam para ser generosas, prestativas, prontas para ajudar os outros na sua necessidade. A melhor maneira de ser feliz e de conservar a felicidade é partilhá-la. Quem ama, partilha. Creio que os homens que vivem para os outros, chegarão um dia a reconstruir o que os egoístas destruíram (Martin Luther King).

         
Se neste momento Jesus lhe perguntar: “O que estais procurando nesta vida e por quê?”, qual será sua resposta?

 
P. Vitus Gustama,svd

03 de Janeiro

SER TESTEMUNHA DE JESUS, CORDEIRO QUE TIRA O PECADO DO MUNDO
 

Texto de Leitura: Jo 1,29-34

29No dia seguinte, João viu Jesus aproximar-se dele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. 30Dele é que eu disse: Depois de mim vem um homem que passou à minha frente, porque existia antes de mim. 31Também eu não o conhecia, mas se eu vim batizar com água, foi para que ele fosse manifestado a Israel”. 32E João deu testemunho, dizendo: “Eu vi o Espírito descer, como uma pomba do céu, e permanecer sobre ele. 33Também eu não o conhecia, mas aquele que me enviou a batizar com água me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito descer e permanecer, este é quem batiza com o Espírito Santo’. 34Eu vi e dou testemunho: Este é o Filho de Deus!” (Jo 1,29-34)

***********

O texto deste dia fala do testemunho de João Batista sobre a pessoa de Jesus, O Verbo feito carne (Jo 1,19-36). Um dos temas preferidos do evangelista João é, certamente, testemunho. O evangelista usa o verbo “testemunhar” (martyrein) em 33 ocasiões e o substantivo “testemunho” (martyria) 15 vezes. O testemunho de João Batista ilustra concretamente o que foi dito em Jo 1,6-8.15 de sua missão que era dar testemunho de Jesus para que todos pudessem crer nele. Dar testemunho é muito importante neste evangelho. O testemunho, neste evangelho, tem sempre por objeto a pessoa de Jesus, seu significado profundo para a vida dos homens. Em outras palavras, o testemunho aqui é sempre cristológico. É isto que João Batista faz a respeito de Jesus.

          
Testemunha é a pessoa que teve a experiência direta de algum fato e que narra o que viu ou ouviu, ou alguém que observou um acontecimento e pode informar a respeito dele para provar, para acusar, ou para inocentar (Lv 5,1; Nm 5,13;Dt 17,6s etc..). O testemunho, neste evangelho, supõe o ver, mas não o simples ver físico, mas o ver que sabe perceber a presença de Deus em Jesus.  Para que uma pessoa possa perceber a presença de Deus em Jesus, na vida ou nos acontecimentos, ela deve limpar o coração do ódio, pois Deus é Amor (1Jo 4,8.16). “Quanto mais amas, mais alto tu sobes” (Santo Agostinho).

                      
Antes de proferir o seu testemunho, João vê Jesus vir na sua direção. João Batista, no Quarto Evangelho, perceba a presença de Deus em Jesus Cristo como Aquele que tira o pecado do mundo. Quando Jesus aparece pela primeira vez no Quarto Evangelho, ele é mostrado no ato de “vir”. Com isso, se realiza o anúncio de Isaías: “O Senhor vem” (Is 40,10).

         
Jesus continua vindo em nossa direção, como aconteceu com João Batista. Somos convidados a olhar para ele com fé. É o olhar da fé que descobre a realidade sob as aparências, e confere seu verdadeiro sentido a todo o mundo visível no qual Jesus aparece. João Batista passou pela escola do deserto, onde se exercitou na humilde docilidade interior. A sua figura é, no início do Evangelho, o símbolo de todos os crentes que se põem em seguimento do Verbo encarnado. Ele realiza as condições da busca e da descoberta. Não se deixa enganar por nenhum poder, nem sequer o dos fariseus; procura a Deus só e, livre de todo o preconceito, reconhece-o tal como vem aos homens, na humildade da encarnação.

          
Diante de Jesus que está vindo em sua direção, João reage em profundidade: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.  Palavras que se repetem seis vezes na celebração eucarística (2 na Glória, 3 depois da saudação da paz e a sexta vez, imediatamente antes da comunhão). Somente João está disposto a reconhecer Aquele que Deus envia, não obstante afirmar que não o conhecia (v.31.33). Não conhece de vista ou por contato, mas já conhece interiormente, pela ação do Espírito Santo que o envia e que ele não pára de interrogar.

 
João Batista vê Jesus que vem. Mas não guarda para si como seu segredo, como propriedade privada, o que viu. Ele quer que todos vejam o que ele vê: “Eis...”, João diz, o que implica um convite a olhar. João Batista não chama a atenção para um messias ausente e vindouro, mas para um messias que está no meio de nós e que não o conhecemos. A primeira condição de toda busca da fé é, certamente, o senso de observação das pessoas, das coisas e da vida em geral.


Eis o Cordeiro que tira o pecado do mundo”! Infelizmente, o pecado é uma realidade onipresente entre nós e dentro de cada um, ontem, hoje e sempre. Em qualquer lugar encontramos a exploração que gera a fome, a pobreza, a violência, marginalização. As pessoas são dominadas pela soberba, avareza, luxúria, inveja, ódio, rivalidade, vingança, rancor, falta de perdão e assim por diante. Apesar de tudo isso, ser cristão hoje é ser testemunha entre os homens que Jesus venceu o pecado em nossa vida, porque ele nos fez filhos de Deus e nós adotamos seus sentimentos e atitudes evangélicas na vida cotidiana, e queremos viver os valores evangélicos do amor, da fraternidade humana, da justiça e da solidariedade com os mais necessitados. Basta alguém aceitar Jesus o poder do mal não tem vez nenhuma, pois Jesus vem para tirar o pecado do mundo.     

       
Apesar de sabermos que o pecado é a “mercadoria” global cuja produção nunca entra em crise e cuja demanda desconhece limites e que não temos balança em condição de calcular seu peso, nós acreditamos que pecado nenhum consegue esgotar a paciência de Deus em Jesus Cristo, nenhum pecado consegue cansar a misericórdia de Deus e bloquear seu perdão e pôr limites a seu amor infinito. Por isso, Jesus é nossa vitória, nossa libertação e nossa paz. Por ele e com ele somos capazes, e é nosso dever de vencer o pecado cada dia, dentro de nós mesmos, dentro de casa, em nossa vida e no ambiente que nos cerca através da construção do Reino de Deus e Sua justiça na nossa vida.


P. Vitus Gustama,svd
02 de Janeiro

SER VOZ E REFLEXO DE JESUS NA VIDA DIÁRIA

 
Textos de Leitura: 1Jo 2, 22-28; Jo 1, 19-28

 

Primeira Leitura

Caríssimos: 22Quem é mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? O Anticristo é aquele que nega o Pai e o Filho. 23Todo aquele que nega o Filho também não possui o Pai. Quem confessa o Filho possui também o Pai. 24Permaneça dentro de vós aquilo que ouvistes desde o princípio. Se o que ouvistes desde o princípio permanecer em vós, permanecereis com o Filho e com o Pai. 25E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. 26Escrevo isto a respeito dos que procuram desencaminhar-vos. 27Quanto a vós mesmos, a unção que recebestes da parte de Jesus permanece convosco, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine. A sua unção vos ensina tudo, e ela é verdadeira e não mentirosa. Por isso, conforme a unção de Jesus vos ensinou, permanecei nele. 28Então, agora, filhinhos, permanecei nele. Assim poderemos ter plena confiança, quando ele se manifestar, e não seremos vergonhosamente afastados dele, quando da sua vinda (1Jo 2,22-28)


Evangelho

19Este foi o testemunho de João, quando os judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar: “Quem és tu?” 20João confessou e não negou. Confessou: “Eu não sou o Messias”. 21Eles perguntaram: “Quem és, então? És Elias?” João respondeu: “Não sou”. Eles perguntaram: “És o Profeta?” Ele respondeu: “Não”. 22Perguntaram então: “Quem és, afinal? Temos de levar uma resposta àqueles que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo?” 23João declarou: “Eu sou a voz que grita no deserto: ‘Aplainai o caminho do Senhor’” — conforme disse o profeta Isaías. 24Ora, os que tinham sido enviados pertenciam aos fariseus 25e perguntaram: “Por que então andas batizando, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?” 26João respondeu: “Eu batizo com água; mas no meio de vós está aquele que vós não conheceis, 27e que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias”. 28Isso aconteceu em Betânia além do Jordão, onde João estava batizando (Jo 1,19-28).
*************
      
A palavra de Deus na primeira leitura fala da heresia. Heresia é confundir Cristo com o nosso pensar e o nosso querer, e fabricar um Cristo a nossa imagem e semelhança. Este Cristo manipulado e tantas vezes mudado é claro que não pode ser o Cristo Salvador.

 
O fragmento da primeira leitura revela as linhas essenciais da falsa doutrina divulgada peloanticristoem uma época atormentada do final do século primeiro. Para essa falsa doutrina, Jesus não era considerado como o Messias nem como o Filho de Deus. Essa heresia cristológica considerava impossível que o Verbo Divino se fizesse carne à maneira humana. Mas para o apostolo João, testemunha ocular do Verbo Divino, o Verbo da vida (cf. 1Jo 1,1-4), negar a divindade de Jesus significa não ter comunhão com o Pai e não ter a verdadeira vida (1Jo 2,22-23; cf. Jo 20,30-31); negar a união do divino e do humano em Jesus significa seranticristoporque o humano em Jesus é o reflexo perfeito do divino, é o reflexo do Pai: “Aquele que me viu, viu o Pai” (cf. Jo 14,9). E em outra ocasião Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30).

      
São João nessa primeira Carta quer orientar nossa sensibilidade. Não se trata de fazer de Jesus um ídolo e sim de abrir nossos ouvidos à sua Palavra, pois Sua Palavra é vida e luz para nós todos: “No Verbo havia vida, e a vida era a luz dos homens” (Jo 1,4) e por isso nos orienta (cf. Jo 8,12). Um Jesus que não nos servir como caminho ao Pai (cf. Jo 14,6) é um Jesus que não nos interessa do ponto de vista da . Jesus é o misterioso laço de união entre a humanidade caída e o Pai pronta para nos salvar: “Todo aquele que nega o Filho também não possui o Pai. Confessa o Filho possui também o Pai” (1Jo 2,23).

      
Como cristãos somos essencialmente ouvintes da Palavra da Salvação, aceitadores do Filho, e escutando-O nos realizamos como filhos do Pai celeste e irmãos dos demais homens. O que nos é pedido não é essencialmente nosso conhecimento ou nosso saber, e sim nossa fidelidade. Fidelidade é guardar ou observar o que é ouvido da Palavra de Deus (cf. Mt 7,24; Jo 14,23). Por isso, o verbo que mais vezes se repete na primeira leitura, é “permanecer”. É um verbo que fala de fidelidade, de perseverança, de manter na verdadeira sem deixar-se enganar. Permanecer em Jesus significa ter nele.  Há várias maneiras de ser fiel: com o pensamento e o coração, com as palavras de testemunho que damos diante dos demais e com as ações, com os compromissos, com as obras e com as decisões da vida diariamente, de acordo com o mandamento do Senhor resumido no amor fraterno.               

      
E lemos no Evangelho o testemunho de João Batista acerca de Cristo. Para a perguntaQuem és tu?”, João Batista confessa, evitando qualquer mal-entendido acerca de sua pessoa e de sua própria missão, que não é o Cristo, o Salvador esperado. Este testemunho em forma de afirmação negativa que sai da boca de João Batista é uma autentica confissão de no messianismo de Jesus. João Batista se define apenas com as palavras do profeta Isaias: “Voz que clama no desertoque prepara o caminho de Cristo. Ele não é a luz. Ele é apenas uma lâmpada que tem tempo limitado de duração. Ele é apenas aquele quetestemunha da verdadeira Luz que é o próprio Jesus Cristo (cf. Jo 8,12). Ele não é a Palavra Encarnada, mas somente a voz que prepara o caminho com a purificação dos pecados através de seu batismo: Eu batizo com água; mas no meio de vós está aquele que vós não conheceis”.

 
O testemunho de João Batista pretende suscitar a em todo mundo para o grande desconhecido, o Portador da salvação, que vive entre os homens (Jo 1,14). Por isso, a de João Batista está orientada ao anúncio de Jesus e não é apenas para o consumo próprio. João Batista é aquele que chama atenção, não para si mesmo e sim para Aquele é o verdadeiro Salvador. João Batista nos ensina que a deve ser transformada em anúncio, o fiel deve se tornar em anunciador da Boa Nova. Todo cristão é um propagador da Palavra de Deus na aridez espiritual de nosso mundo,um propagador que chama os outros ao encontro de Jesus Cristo que é “o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6).

      
João Batista testemunha Jesus Cristo com fidelidade e valentia. Não quer falar de si mesmo, nem contar seus méritos nem suas façanhas. João Batista somente quer que os outros o considerem como “a voz que clama no deserto”, a voz que prepara os caminhos de Deus, a voz que chama todos a preparar o lugar de Deus no mundo, especialmente no coração de cada um. A voz desaparece, mas a mensagem fica.

 
O cristão é chamado a ser anunciador da Boa Nova, a ser a voz que grita, com a própria vida, a verdade de Cristo apesar da pobreza que experimenta e da fragilidade de suas palavras humanas. O cristão é o homem que se define em função de Cristo, d’Aquele que vem sempre aos seus para comunicar salvação e vida.

 
Como cristãos e como pessoas do bem devemos ser a voz de Deus sobre o amor neste mundo. Podemos desaparecer, mas a marca de amor que testemunhamos e transmitimos deve ficar para sempre entre as pessoas. Além disso, nós, como João Batista, deveríamos falar menos de nós mesmos, acreditar menos em nós mesmos e nos converter em “a vozquetestemunho de Deus, de seu amor presente em Jesus Cristo.

      
Santo Agostinho comenta: João era voz, mas o Senhor é a Palavra que no principio existia. João era uma voz provisional; Cristo, do principio, é a Palavra eterna. Ao tirar a palavra, o que será a voz? Se não houver conceito, tudo será nada mais do que ruído vazio. A voz sem palavra chega ao ouvido, mas não edifica o coração. João é a voz que grita no deserto, a voz que rompe o silêncio...”.

      
Lembremo-nos das seguintes palavras já postas anteriormente neste Blog. Ser voz é uma vocação muito humilde, mas é maior de todas. Ser voz é ser uma mensagem, é ser uma chamada aos demais para o bem, para a Luz que ilumina. A voz é feita para proclamar, para anunciar e para denunciar. A voz deixará de ser voz, se não gritar, se não proclamar, anunciar e denunciar. A voz se condenará, se deixar de anunciar a mensagem sobre o bem. Uma voz do bem é capaz de renovar o mundo. Se faltarem as vozes do bem para anunciar e denunciar, o mundo perderá sua consciência. Por esta razão, como vale e quanto vale sua voz! Como vale e quanto vale sua palavra! Como vale e quanto vale sua mensagem! Como vale e quanto vale seu grito que rompe o comodismo, que rompe o modo de viver sem vida. É preciso contemplar Jesus Cristo, Luz do mundo para que sejamos reflexos de sua luz para os outros, iluminado suas vidas embora o reflexo dure apenas em pouco tempo.

 
P. Vitus Gustama,svd

sábado, 29 de dezembro de 2012

ANO NOVO

SOLENIDADE DE MARIA SANTÍSSIMA, MÃE DE DEUS E DIA MUNDIAL DA PAZ


(01 de Janeiro)

 

Textos: Nm 6,21-27; Gl 4,4-7; Lc 2,16-21



Celebramos no dia primeiro de janeiro o Dia mundial da Paz e a festa da Santa Maria, Mãe de Deus. E o evangelho lido neste dia é tirado do relato do nascimento de Jesus. Quem gerou o Príncipe da Paz é, certamente, Maria, Mãe de Deus. A Paz se fez carne pelo sim de Maria e pela benevolência de Deus simultaneamente. O nascimento do Príncipe da Paz faz os anjos e a multidão do exército celeste louvarem e cantarem o hino conhecido liturgicamente como o Hino da Glória: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens que Ele ama”(Lc 2,14).

          
Com o nascimento do Verbo Divino, Jesus Cristo, a distância entre o Criador e a criatura, simbolizada pela menção do “céu” e da “terra”, é superada pela nova e definitiva Aliança de Deus com os homens em Jesus Cristo. Jesus, o Verbo encarnado, une o céu e a terra. O Deus “nas alturas” inclina-se sobre a “terra” dos “homenspor pura benevolência de Deus. O nascimento de Jesus é a expressão mais profunda do amor de Deus pelos homens, objeto do seu bem-querer. Jesus é a Palavra de graça e de salvação de Deus. Jesus é a última Palavra de Deus para os homens. Depois que o céu desceu à terra pela encarnação do Verbo eterno, o céu e a terra estão indissoluvelmente unidos. A salvação está na união do céu e da terra. Para que estejamos mais unidos entre nós na terra, e para que aconteça a salvação, temos que estar unidos com o céu.

          
Além disso, o texto quer nos mostrar que a origem e o fundamento da “paz na terra” estão na benevolência de Deus ou no seu bem-querer. A verdadeira paz pode acontecer, se na sua vida o homem der espaço para a glória de Deus. A raiz última do desígnio salvífico de Deus está na sua benevolência. O evangelista Lucas certamente quer nos transmitir um Deus que não é um juiz frio e distante, que não se comove com o sofrimento humano, mas o Deus que “desce” ao encontro dos homens que ele ama, que respeita nossa liberdade, mas que espera nossa resposta ao amor que ele nos oferece. Deus nos quer bem, não porque nós somos bons e justos, mas porque Ele é bom, justo e misericordioso. Ao aceitar o Deus da bondade e da justiça seremos bons e justos também para com os outros. Por este tipo de Deus que o evangelista Lucas nos transmite é que o seu evangelho é conhecido como o Evangelho da graça, da misericórdia e da ternura. Por mais duro que seja um coração, ele não encontrará nenhuma resistência diante da ternura e da misericórdia de Deus. A nossa felicidade nesta terra, e a nossa segurança na caminhada diária estão na , na esperança e na certeza do amor absolutamente gratuito de Deus para conosco e na nossa acolhida deste amor gratuito. A paz anunciada pelos anjos aos pastores e que eles a acolhem fazem os mesmos irem “às pressas” a Belém para encontrar-se com o Príncipe da paz e saírem correndo para anunciá-la para os outros, pois a graça de Deus não permite a demora e não permite uma vida parada.

          
Portanto para que a paz anunciada pelos anjos reine verdadeiramente na terra é necessário que se realize uma única condição: que o coração humano se abra ao amor de Deus e o acolha. Nada tem uma força tão transformadora como o Evangelho da justiça, da misericórdia e da paz de Deus, quando ele é acolhido e testemunhado com um coração aberto a Deus e aos homens que Deus ama. Ao contrário, todo poder constituído sobre o egoísmo e a arrogância, sobre a prepotência e a opressão tem apenas os pés de barro. Cedo ou tarde ele desmorona.

          
No início do Ano Novo, certamente, nós desejamos a paz mutuamente. Não é por acaso que neste dia lemos como a primeira leitura um trecho do Livro de Números (Nm 6,22-27) que contém a bênção usada pelos sacerdotes no encerramento das celebrações litúrgicas no Templo: “Deus te abençoe e te guarde! Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te seja benigno! Deus mostre para ti a sua face e te conceda a paz!” A cada uma das três invocações são acrescentados dois pedidos de bênção. É um dos textos mais ricos teologicamente e de maior elegância literária de todo o Pentateuco. As três versículos (v. 24;v.25;v.26) são paralelos entre si, tanto na forma como no conteúdo. E nos três versículos repete-se de forma explícita o nome de Deus para mostrar que a fonte e o princípio de toda a bênção é Deus; o sacerdote é apenas o mediador.

          
No v. 24 emprega-se os verbosabençoar” e “guardar”. “Abençoar” e “bênçãosão os termos clássicos empregados pelo AT para exprimir toda espécie de bens e de dons, tanto de ordem natural quanto de ordem sobrenatural. “Guardar” exprime a proteção de Deus que acompanha seu povo para defendê-lo de suas adversidades e salvá-lo de suas desventuras.  Se Deus quer nos proteger sempre, por nossa vez, devemos saber proteger os outros e desejar a bênção para os mesmos. Pois a bênção dada é a bênção recebida.

          
No v.25 usa-se uma fórmula de caráter antropomórfico (isto é, a descrição da essência e dos atributos divinos através do uso da figura humana; ou dar o rosto humano ao rosto divino. Tudo isto é o sinal da pobreza da linguagem humana para descrever a grandeza de Deus): Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e conceda-te sua graça(ou seja, seus favores e seus benefícios)! Esta expressão pode-se encontrar nos Salmos(cf. Sl 79,4.8.20; Sl 66,2). Um rosto resplandecente é a expressão da bondade e da benevolência de Deus. Para que possamos irradiar os outros com a resplandecência de Deus, temos que contemplar “a face” de Deus, como os olhos  que funcionam quando existe a luz, pois na escuridão, embora tenham-se os olhos sadios, não podem enxergar nada.

          
No v. 26 pede-se a paz: “Deus mostre para ti a sua face e te conceda a paz!” Esta invocação finalte conceda a pazjunto a primeirate abençoe” é mais densa teologicamente porque os dois termosbênção” e ”paz” (shalom) são uma expressão mais plena dos bens da salvação no sentido mais pleno da palavra: os bens do céu e os bens da terra, a saúde espiritual e fisicamente, a prosperidade e a felicidade sem limites, a vida, a alegria, a plenitude e satisfação dos anseios e desejos mais profundos do homem, tanto nas relações inter-humanas como em sua projeção para Deus. Não é por acaso que o povo semita deseja entre si com a saudaçãoShalom”,  pois o “Shalom” condensa todo o bem que se pode desejar a uma pessoa.

          
O povo grego traduz o termo hebraico “Shalom” poreirene  que significa prosperidade, mas também repouso, tranqüilidade de alma. Para os gregos, a paz é um estado de tranqüilidade. Nãoconflito. Neste estado de tranqüilidade e paz, o ser humano pode criar uma existência segura e conseqüentemente ele pode alcançar a prosperidade. O termo “eirene” também  tem a ver com a harmonia: tudo combina com tudo, formando um todo coeso. Se tudo está em ordem para o homem, ele pode conviver harmoniosamente com seus irmãos e irmãs. A paz é por isso, é uma tranqüilidade da ordem onde cada um ocupa seu lugar e exerce seu próprio papel com responsabilidade e com justiça.

          
Os latinos, especialmente os romanos, traduzem o “Shalom” por “Pax” de onde vem a palavra paz em português. O termoPax” vem de “pacisci”, que significa conduzir negociações, firmar um pacto, concluir um contrato. Para os romanos a paz nascia na medida em que eles falavam entre si e chegavam a um acordo a partir de regras comuns. Na aliança firmada, ambas as partes se comprometiam a observar acordos comuns. A paz para os romanos, então, deve ser conquistada por meio de um acordo comum a partir de princípios iguais. Quando se trata da paz como um pacto por meio de um acordo comum a partir de princípios iguais, isto supõe que as pessoas devam se falar para que surja a paz. Isto quer dizer que a paz nasce quando um escuta o outro, quando um dá a atenção ao outro e quando, nesse ouvir comum, surge um compromisso com o qual todos podem viver bem harmoniosamente.

          
Apesar de tudo isto, Deus sabe que o homem, por si mesmo, não é capaz de ter a paz consigo mesmo, com a criação e com os outros sem a presença do Príncipe da Paz. Por isso, o próprio Deus envia seu Filho, Jesus Cristo, o Príncipe da Paz. A paz é um dom de Deus para o ser humano. O evangelista Lucas anuncia Jesus como o Imperador da paz, pois traz a paz para o mundo inteiro, sem armas, apenas através do amor: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, diz  Jesus aos seus seguidores(cf. Jo 15,12). Quando ele nasceu, os anjos anunciaram ao mundo a paz sobre a terra: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que ele ama”. Os anjos nos convidam a abrirmos os nossos olhos e o nosso coração para a paz que Deus nos oferece através de glorificação de seu nome sobre a terra. Se a glória de Deus não ocupar o lugar principal na convivência humana, a humanidade carecerá de paz verdadeira. Se o ser humano der espaço para que o Príncipe da Paz, Jesus Cristo reine seu coração, os seus nervos se tranqüilizam. Com a paz de Deus, os oprimidos ganham força, os aflitos e desesperados o alento e esperança, os desorientados a direção, os que estão na escuridão a luz, os inimigos a reconciliação, e os pecadores o perdão. Por isso, a paz é o maior dom que você recebe de Deus e o maior presente que você pode ou possa dar para os outros.

           
Para que a paz possa reinar nossa vida temos que ficar desarmados em todos os sentidos. Não são os outros que estão armados. Cada um tem o seu próprio coração armado, à defensiva por causa da soberba, e agressivo por causa da ambição de poder e de domínio. Enquanto não estivermos desarmados completamente por dentro e por fora, falar da paz é uma perda de tempo e energia, pois a paz verdadeira está longe de nós. Enquanto não estivermos em paz com Deus, com a nossa consciência, com os de casa e resto dos familiares, com os vizinhos, amigos, companheiros de trabalho é inútil abrirmos a garrafa de champagne ou vinho. Nãopaz sem fraternidade, justiça, amor e perdão. É urgente ficarmos desarmados completamente por dentro e por fora. Únicaarma” permitida na convivência é o amor mútuo, pois ele é o maior de todos os mandamento e o resumo da vida eterna.

          
Que Maria, a Mãe do Príncipe da Paz, interceda por nós para que, como ela, possamos também ser geradores ou construtores da paz neste mundo. Como dizia Sto. Agostinho: “Não basta ser pacífico. É necessário serpromotor da paz”(Serm. 357,1). A paz entre o homem e Deus é a harmonia da obediência do homem à vontade de Deus. A paz de todas as coisas é a tranqüilidade da ordem” (Cidade de Deus, 19,13,1).

SHALOM A TODOS!

P. Vitus Gustama,svd