quinta-feira, 4 de abril de 2013

SER DISCÍPULO-MISSIONÁRIO DE JESUS RESSUSCITADO

Sábado da I Semana da Páscoa
06 de Abril de 2013
 
Textos de Leitura: At 4,13-21; Mc 16,9-15

 
9Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios. 10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus, que estavam de luto e chorando. 11Quando ouviram que ele estava vivo e fora visto por ela, não quiseram acreditar. 12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo. 13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros. Também a estes não deram crédito. 14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado. 15E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”

**********

Todos os especialistas concordam que o texto lido neste dia foi acrescentado ao evangelho de Marcos posteriormente para preencher a ausência das aparições de Jesus após a ressurreição, as quais relataram os outros evangelhos e outros textos do Novo Testamento. A exegese moderna reconhece a canonicidade deste texto, mas nega sua autenticidade como o de Marcos. O próprio evangelho de Marcos termina em Mc 16,8. Esse acréscimo aconteceu ainda na época apostólico.


O texto nos relatou que a aparição de Jesus aos Onze discípulos aconteceu durante a refeição. A refeição é o momento fraterno, momento de partilha durante o qual se estreitam os laços de amizade, de família e de fraternidade mesmo que a qualidade daquilo que se come e se bebe esteja longe de seu valor nutritivo. O momento da refeição é o momento sagrado. É o momento de dar graças a Deus pela terra, criada por Deus, que produz o alimento e pela colaboração do homem em cultivar a terra para produzir alimentos para todos. Por isso, a ausência de um membro da família é bastante sentida nesses momentos, especialmente nos dias comemorativos. Um dos sacramentos instituídos por Jesus é, precisamente, o sacramento da “refeição fraterna” chamado de Eucaristia. É preciso que a nossa participação na Eucaristia reflita nossas refeições familiares e fraternas em nossa família. E que a Eucaristia da qual participamos reflita também nas nossas refeições familiares e na convivência mais fraterna com os demais.


Durante a refeição é que o Senhor deu aos Onze discípulos o mandato de anunciar a Boa Nova para o mundo inteiro (toda criatura): “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”.  O mandato de ir pelo mundo inteiro para evangelizar dado durante a refeição nos quer enfatizar que toda a atividade de evangelização deve ser feita no espírito de fraternidade e familiaridade, pois todos nós somos filhos e filhas do mesmo Pai celeste pela participação na filiação divina de Jesus Cristo que nos deu o mandato de proclamar a Boa Nova aprofundando nosso laço de fraternidade entre todos. Graças aos Apóstolos chegou até nós a Boa Nova.


Os apóstolos são testemunhas da grande mensagem da ressurreição e sua pregação está em torno da ressurreição do Senhor. E os apóstolos se defenderam com valentia diante do tribunal como lemos nos Atos dos Apóstolos. A fé e o contato cotidiano com a Palavra de Deus são capazes de transformar os mais humildes em homens valentes e seguros de si mesmos. É a valentia que nasce da liberdade da fé. Os apóstolos (acusados) eram gente simples e sem cultura, mas os homens seguros e valentes, intérpretes da Escritura e pregadores que passaram de acusados para acusadores. Não havia ordens nem ameaças capazes de os fazerem calar porque a força irresistível de Deus estava com eles. Os seus adversários se encontraram em nítida dificuldade ou em beco sem saída, e pretendiam ocultar fatos. Mas os fatos, como a cura do coxo (cf. At 4,13-21), falam ou se argumentam por si mesmos. Negar os fatos tão evidentes é considerar-se como mentiroso, cego ou manipulador, fruto de um autoritarismo e arrogância que por trás de tudo isso se esconde algum interesse pessoal ou coletivo, ou sente-se ameaçado nos seus negócios interesseiros. Mas quem vive no bem e do bem reconhece facilmente a presença da verdade onde estiver. Viver de acordo com a verdade é viver na liberdade e na leveza: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Quem vive de acordo com a Palavra de Deus vive na verdade e conforme a verdade. Mas a verdade é para ser dita com caridade a fim de ganharmos os outros para Deus e para o bem maior.


Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”. Os Onze discípulos que saem para proclamar o evangelho pelo mundo são uns indivíduos duplamente culpáveis. São culpáveis de ter abandonado o Mestre durante a Paixão. São culpáveis também pela sua incredulidade depois da ressurreição, como relatou o evangelho de hoje. Precisamente para estes discípulos é que Jesus de este mandato: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”.  É levar a mensagem que não pertence aos discípulos, mas pertence a Jesus Cristo. Isto significa que eles devem se apoiar totalmente em Jesus Cristo permanentemente para ser fieis à mensagem do Senhor. Se não se apoiar em Jesus Ressuscitado acontecerão novamente a traição e a incredulidade. Quem prega não é porque seja melhor e mais inteligente do que os demais e sim por reconhecer-se pecador que recebeu o perdão de Deus e por ser incrédulo que foi libertado da incredulidade.


Olhando para a vida e a experiência dos Onze não temos mais razão para não levar adiante o mandato missionário do Senhor. Para você, para mim, para nós Jesus também diz: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura”.


Para Refletir:


“Ao chamar os seus para que o sigam, Jesus lhes dá uma missão muito precisa: anunciar o evangelho do Reino a todas as nações (cf. Mt 28,19; Lc 24,46-48). Por isso, todo discípulo é missionário, pois Jesus o faz partícipe de sua missão, ao mesmo tempo, que o vincula como amigo e irmão. Dessa maneira, como ele é testemunha do mistério do Pai, assim os discípulos são testemunhas da morte e ressurreição do Senhor até que ele retorne. Cumprir essa missão não é tarefa opcional, mas parte integrante da identidade cristã, porque é a extensão testemunhal da vocação mesma (144).


Quando cresce no cristão a consciência de pertencer a Cristo, em razão da gratuidade e alegria que produz, cresce também o ímpeto de comunicar a todos o dom desse encontro. A missão não se limita a um programa ou projeto, mas é compartilhar a experiência do acontecimento do encontro com Cristo, testemunhá-lo e anunciá-lo de pessoa a pessoa, de comunidade a comunidade e da Igreja a todos os confins do mundo (cf. At 1,8). (145)


Bento XVI nos recorda que "o discípulo, fundamentado assim na rocha da Palavra de Deus, sente-se motivado a levar a Boa Nova da salvação a seus irmãos. Discipulado e missão são como as duas faces da mesma moeda: quando o discípulo está apaixonado por Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que só ele nos salva (cf. At 4,12). De fato, o discípulo sabe que sem Cristo não há luz, não há esperança, não há amor, não há futuro". Essa é a tarefa essencial da evangelização, que inclui a opção preferencial pelos pobres, a promoção humana integral e a autêntica libertação cristã [146] (Documento de Aparecida da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, 144-146).

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: