sábado, 11 de maio de 2013

I. Terça-feira da VII Semana da Páscoa
 
JESUS ORA POR NÓS
Terça-feira da VII Semana da Páscoa
14 de Maio de 2013
 
Festa de São Matias, Apóstolo
(Veja a reflexão logo em seguida no no. II nesta mesma página)
 
Texto de Leitura: Jo 17,1-11ª
(Leitura da Terça-feira da VII Semana da Páscoa)
 
Naquele tempo, 1Jesus ergueu os olhos ao céu e disse: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique a ti, 2e, porque lhe deste poder sobre todo homem, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe confiaste. 3Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo. 4Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer. 5E agora, Pai, glorifica-me junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti antes que o mundo existisse. 6Manifestei o teu nome aos homens que tu me deste do meio do mundo. Eram teus, e tu os confiaste a mim, e eles guardaram a tua palavra. 7Agora eles sabem que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois dei-lhes as palavras que tu me deste, e eles as acolheram, e reconheceram verdadeiramente que eu saí de ti e acreditaram que tu me enviaste. 9Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. 11aJá não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”.
_____________________
Estamos ainda no discurso de despedida de Jesus dos seus discípulos no Evangelho de João (Jo 13-17). Nos grandes textos de despedida na Bíblia (cf. Dt 32-33; At 20,17-35), o herói termina seu discurso por uma prece, hino ou bênção. O evangelho de João segue esse modelo. Neste sentido Jo 17 é considerado como o ponto alto do discurso da despedida de Jesus neste evangelho.
 
 
Na presença dos discípulos Jesus se dirige ao Pai na oração. O dialogo de Jesus com o Pai nesta oração de despedida reflete, em toda a sua amplitude, o desígnio do Pai que motivou o enviou do filho (Jo 3,16).  E Jesus realizou esse desígnio ao manifestar o Nome àqueles que o Pai lhe deu. Está para voltar ao Pai (morte) Jesus reza pelos seus que estão ainda no mundo para que também realizem o desígnio do Pai: “Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. Já não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”. Nesta oração, Jesus, o Intercessor divino junto ao Pai e a comunidade cristã se entrelaçam como uma unidade espiritual.
 
 
Na sua oração que concluiu seu discurso, Jesus interpreta sua morte como passo para a vida, e seu aparente fracasso como verdadeiro êxito. Jesus manifesta em sua oração uma confiança inquebrantável no Pai e um amor entranhável para seus discípulos, e uma esperança que sabe se sobrepor, e ninguém pode dominá-Lo. Jesus é livre e libertador. Somente quem é livre pode libertar os outros. Quem foge é porque não está livre.
 
 
A oração é sempre uma práxis de libertação, porque orar é recorrer ao Pai sem esquecer-se dos homens, nossos irmãos; orar é abrir-se ao Outro e conseqüentemente, a qualquer outro; orar é libertar-se do egoísmo para o amor. Quem entra em oração está em comunhão com Deus. Quem ora, acredita e quem acredita, precisa orar. Depois da ascensão de Jesus ao céu, a pequena comunidade de seus discípulos se reúne em oração (Lc 24,50-53). A Igreja aprende na oração o caminho da liberdade e é uma das expressões da liberdade.
 
 
Na sua oração Jesus roga, primeiramente por si mesmo, para que se realize plenamente a missão que lhe foi confiada (vv. 1-5). Por seis vezes Jesus repete a palavra “Pai” na oração. Neste sentido, a palavra “Pai” é um nome que qualifica Deus como origem, da qual tudo provem como dom, amor e proteção. Jesus se sente inteiramente Filho e quer continuar vivendo esses momentos transcendentais de sua vida a partir de seu ser de Filho. Por isso, diante de sua morte iminente Jesus está completamente tranqüilo, pois ele sabe de sua vitoria sobre o mundo (cf. Jo 16,33).
 
 
Com esta oração Jesus nos ensina que o caminho da glorificação é a obediência aos mandamentos de Deus que se resumem na vivência do amor fraterno. Na cruz o amor de Deus por nós aparece em toda sua plenitude, seu esplendor e sua força vitoriosa. Só o amor justifica a cruz. Por isso, não é o poder que há no mundo e que normalmente se transforma em opressão e domínio de uns homens sobre outros, e sim o poder-serviço (Jo 13,12-17) que surge do amor e se manifesta em obras em favor dos homens, o poder que brota do coração e cria comunidade de irmãos. O amor sempre resulta na formação de uma comunidade de irmãos. Sem amor não haverá comunidade.
 
 
Nesta oração Jesus pede: “A vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo”. Aqui não se trata de um conhecimento intelectual e sim experiencial, imediato, pessoal e vital; um conhecimento que só pode ser adquirido na intimidade do amor; um conhecimento que é vida. Neste sentido, conhecer Deus, plenitude de vida para sempre, se identifica com a vida eterna. Deus é o verdadeiro presente e futuro do homem, pois não há nada no mundo que possa encher e preencher seu coração. Conhecer Jesus significa imitar seu modo de viver, tê-lo como único modelo a seguir. Nesse seguimento, encarnado na vida diária, vamos conhecendo o único Deus: na completa entrega a Ele, demonstrada no serviço-amor aos que nos rodeiam.
 
 
Neste texto Jesus reza por nós todos e tenhamos consciência da força dessa oração: “Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. Já não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”. O Senhor reza por mim, por nós. É a grande notícia para nós todos! Eu preciso continuar minha luta pela dignidade dos meus irmãos em Cristo, pois há alguém que reza por mim: o próprio Senhor Jesus Cristo.
 
 
P. Vitus Gustama,svd
 
 
II. Festa de São Matias
 
 
SÃO MATIAS, APÓSTOLO

14 de Maio


At 1,15-17.20-26

15Naqueles dias, Pedro levantou-se no meio dos irmãos e disse: 16“Irmãos, era preciso que se cumprisse o que o Espírito Santo, por meio de Davi, anunciou na Escritura sobre Judas, que se tornou o guia daqueles que prenderam Jesus. 17Judas era um dos nossos e participava do mesmo ministério. 20De fato, no livro dos Salmos está escrito: ‘Fique deserta a sua morada, nem haja quem nela habite!’ E ainda: ‘Que outro ocupe o seu lugar!’ 21Há homens que nos acompanharam durante todo o tempo em que o Senhor Jesus vivia no meio de nós, 22a começar pelo batismo de João até o dia em que foi elevado ao céu. Agora, é preciso que um deles se junte a nós para ser testemunha da sua ressurreição.” 23Então eles apresentaram dois homens: José, chamado Barsabás, que tinha o apelido de Justo, e Matias. 24Em seguida, fizeram esta oração: “Senhor, tu conheces os corações de todos. Mostra-nos qual destes dois escolhestes 25para ocupar, neste ministério e apostolado, o lugar que Judas abandonou para seguir o seu destino!”.  26Então tiraram a sorte entre os dois. A sorte caiu em Matias, o qual foi juntado ao número dos onze apóstolos.


Jo 15,9-17


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 9 Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11 E eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 15 Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16 Não fostes vós que me es­colhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17 Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros.

______________________


Neste dia celebramos a festa de São Matias, Apostolo. Matias (hebraico: Mattityah) significa presente ou dom (mattit) de Javé (Iah). Do apóstolo Matias sabemos somente seu Nome e sua eleição (At 1, 15-17, 20-26).


Os discípulos de Jesus, imediatamente depois da Ascensão, voltaram do monte das Oliveiras para Jerusalém (cf. At 1,12). Jesus havia escolhido Doze homens para que fossem seus Apóstolos especiais (cf. Mc 3,14), mas naquele momento não eram Doze e sim onze. Judas Iscariotes tinha passado para o grupo dos inimigos de Jesus. E os Apóstolos tinham que ser Doze quando Jesus voltasse. Ele lhes havia dito que, na sua volta gloriosa, os Doze se sentariam sobre doze tronos para reger as doze tribos de Israel (cf. Lc 22,28-30), mas naquele momento faltava um homem para um trono. O primeiro problema com que se enfrentou a Igreja foi buscar um substituto de Judas Iscariotes, o traidor.


Pedro, que sempre foi a porta-voz do pensamento dos demais apóstolos, se levantou em meio da comunidade e disse: Irmãos, era necessário que se cumprisse o que o Espírito Santo anunciou na Escritura pela boca de David a respeito de Judas, que foi o guia dos que prenderam Jesus” (At 1,16).


Pedro, ao falar de Judas Iscariotes com tanta delicadeza, parece ter presente a advertência de Jesus: “Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. Não julgais, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados” (Lc 6,36-37). Pedro não chamou Judas de ladrão nem de traidor, pois Jesus já havia ensinado a caridade fraterna que se estende a todos como a misericórdia divina (cf. Mt 5,44-45).


E Pedro acrescentou: “Está realmente escrito no Livro dos Salmos: ‘Fique deserta a sua habitação e não haja quem nela resida’. E ainda: ‘Receba outro o seu encargo’”. Estas palavras de Pedro são tiradas de dois salmos: Sl 69 e Sl 109. Esses dois Salmos pertencem à serie das maldiçoes dirigidas contra os inimigos do rei Davi, quando não existia ainda a caridade cristã. Interpretando esses versículos como profecias, a primeira se cumpriu com a morte de Judas Iscariotes. É necessário que a segunda se cumpra também. Por isso, foi feita a eleição do substituto de Judas Iscariotes.


Postas condições, se encontraram dois homens que pareciam com iguais méritos para aspirar ao apostolo. Um era José, de apelido Barsabás, chamado Justo, e Matias. Como o chamamento ao apostolado não é coisa de homens e sim de Deus, Deus terá que escolher entre aqueles dois discípulos que pareciam iguais em méritos. Por isso, aquela comunidade cristã rezou confiadamente: “Senhor, tu conheces os corações de todos. Mostra-nos qual destes dois escolhestes para ocupar, neste ministério e apostolado, o lugar que Judas abandonou para seguir o seu destino!”. Nesta primeira súplica da Igreja há uma nova mostra da delicadeza e da caridade que vemos em Pedro. A expressão “seguir seu destino” é uma expressão ou eufemismo aramaico para dizer simplesmente que um homem morreu.


Para conhecer a vontade divina, sem exigir de Deus uma aparição nem uma revelação, decidiram tirar sorte. É algo que hoje em dia nos pode estranhar, mas que era costume naquela época. Apelava-se para a sorte para decidir entre duas soluções aparentemente equivalentes. Por isso, recorriam à vontade e à providencia divina ao tirar sorte. Não se tratava de causalidade física ou humana e sim da causalidade divina. Cada semana, no Templo de Jerusalém, os sacerdotes tiravam sorte para fazer os ofícios no Templo (cf. Lc 1,8-9). Ao pedir a intervenção divina na eleição, coloca Matias na categoria dos Onze Apóstolos: “A sorte caiu em Matias, o qual foi juntado ao número dos onze apóstolos”.


Assim termina, no Livro dos Atos, a história de São Matias. Nada mais se sabe dele em particular. Com esta simplicidade aparece e desaparece no documentário histórico este Apostolo póstumo. E daquele colégio apostólico que atuou desde Pentecostes, Matias foi o único não escolhido diretamente por Jesus, pois foi o apostolo póstumo de Jesus, incorporado ao colégio apostólico para ocupar o lugar deixado por Judas Iscariotes. Assim com a eleição de Matias completou-se novamente o número Doze. Uma antiga tradição conta que Matias morreu crucificado.


São Matias, Apostolo, é pouco conhecido, mas é santo. Ele é como tantos homens e mulheres simples, de caridade enorme, de compaixão sem medida pelo próximo, mas silenciosos na sua missão e cuja vida é desconhecida pela maioria, mas são santos como São Matias: as santas mães, as santas costureiras pelos pobres, santas pessoas que dedicam seu tempo para ajudar os necessitados na caridade fraterna. É como uma formiga num formigueiro, mas ajuda na sua construção. O brilho dos santos silenciosos se marca nas pessoas que eles ajudam, pois eles sempre fazem tudo por amor de Deus e com muito amor a Deus e ao próximo. São “santos Matias” de hoje e de sempre.


P. Vitus Gustama,svd
 

Nenhum comentário: