sexta-feira, 18 de outubro de 2013

 
VIDA NA ORAÇÃO E ORAÇÃO NA VIDA


XXIX DOMINGO DO TEMPO COMUM “C”
20 de Outubro de 2013
 
Texto de Leitura: Lc 18,1-8


Naquele tempo, 1 Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo: 2 ”Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. 3 Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’ 4 Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. 5 Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!’” 6 E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. 7 E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? 8 Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?”
______________


Continuamos a ouvir as últimas e importantes lições dadas por Jesus no seu caminho para Jerusalém (Lc 9,51-19,28). Na passagem do evangelho de hoje Jesus nos dá a lição sobre a oração que deve fazer parte da vida de cada cristão. É necessário rezar sempre.          


O evangelista Lucas é conhecido como uma pessoa orante, e a sua comunidade é uma comunidade orante, porque ele dá uma atenção particular à oração. Por isso, seu evangelho é chamado também de o “Evangelho de Oração”. A oração envolve o evangelho inteiro desde o primeiro capítulo que abre com uma solene liturgia no Templo de Jerusalém (Lc 1,1-10) até a reunião dos discípulos, depois da ascensão, novamente no Templo para louvar a Deus (Lc 24,53). Em outras palavras, Lucas começa e termina seu evangelho com oração (veja a reflexão sobre a festa de São Lucas, Evangelista, 18 de outubro).


O que tem por trás da parábola
   

Devemos lembrar que Lucas vivia numa época da existência cristã que não era a de Jesus, numa época em que as provações (Lc 17,22;21,12), o medo (Lc 21,26), as preocupações, as riquezas, os prazeres da vida (Lc 8,14;17,26ss) afogavam a lucidez (Lc 12,35-40) e matavam a esperança (Lc 12,45). No atual contexto de Lucas, então, a parábola está relacionada com a situação dos discípulos que vivem numa condição de perseguição e outras situações, enquanto se faz esperar a intervenção libertadora de Deus. Eles se sentem como se fossem filhos abandonados por Deus Pai. Surge, então, a pergunta: “Por que o Senhor demora em nos socorrer? Por que fica calado diante dos nossos gritos? Por que Deus não intervém para salvar a Sua Igreja?” É a pergunta que também atormentava os justos oprimidos na história do povo de Deus (cf. Sl 44,23-25;89,47;Hab 1,2-4). Na Igreja de Lucas, esta interrogação sobre o silêncio e a demora de Deus se torna pergunta acerca da vinda do Filho do Homem. Perante esta espera, capaz de se tornar uma decepção, Lucas lembra a promessa de Deus: com certeza Deus intervirá para libertar os que o invocam(v.7). Lucas encontra, então, nesta parábola de Jesus uma boa resposta a essa situação de incerteza e de aparente silêncio de Deus. A demora não é devida ao descuido, como no caso do juiz iníquo, mas à paciência de Deus, que com a espera quer deixar espaço para a conversão e salvação (cf. 2Pd 3,9; Ap 6,9-11). Exatamente por causa disso vem uma pergunta, como conclusão desta parábola que se torna um motivo para refletir e exame de consciência: “Mas o Filho do Homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?” (v.8b).


A Vida Na Oração e a Oração Na Vida


O texto começa com um versículo introdutório que serve para explicar o sentido da parábola seguida. Quase sempre a interpretação vem depois da parábola, mas neste caso Lucas quer informar antes seus leitores, porque a parábola não é inteiramente transparente: ”Jesus contou aos discípulos uma parábola para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir...” (v.1).


O advérbio “sempre” confere à oração um duplo significado. O rezar “sempre” é o programa de quem crê, chamado a aceitar, a cada dia, o desafio da história: convoca ao compromisso de colocar a “prece na vida” e “vida na prece”. Oração e vida se fundem em uma recíproca imanência. Em simbiose. Uma é a vida da outra. O diálogo com Deus não é relegável aos raros momentos fortes do caminho espiritual, porém cresce junto com a fé e é como o respirar do dia-a-dia. A prece transforma em unidade os fragmentos da existência quotidiana diante de Deus. Se a prece tem lugar na existência quotidiana do cristão, a própria vida está na prece. Por isso, a prece não é apenas um barco salva-vidas para quem estiver afundando. Para o cristão, falar com Deus significa usar a linguagem da vida e da história(sempre rezamos a partir de nossa realidade ou situação), pessoal e comunitária. Como disse Ludwig Wittgenstein: “Orar é pensar o sentido da vida. E pensar é agradecer (os alemães dizem: Denken ist danken= pensar é agredecer).


Perseverantes Na vida e Na Prece
          

Este versículo introdutório é seguido pela parábola sobre o juiz desonesto e a viúva insistente. Ao lermos esta parábola (vv.2-5) nos faz lembrar de um  caso parecido ao do amigo a quem se desperta à meia-noite para pedir um favor/pão (Lc 11,5-8). Nos dois casos se trata de um personagem a quem se dirige com uma súplica insistente, e que resiste, mas por fim cede ao pedido. Só que aqui o caso é levado ao extremo: não se trata de amigos, mas de pessoas distanciadas socialmente, nada ligadas entre si. Trata-se de uma viúva e de um juiz. E por acaso é um juiz desonesto que “não temia a Deus, e não respeitava homem algum”.
  

Uma viúva não valia nada em Israel socialmente. Era criatura mais desprotegida. Ela não dispunha de nenhum meio de se fazer ouvir por um juiz desonesto. Não dispunha de poder nem de mecanismos de pressão. A diferença entre um juiz e uma viúva era espantosa. Ele pertencia ao reduzido número de gente importante; ela era socialmente um zero. A exploração das viúvas, apesar de ser condenável, era freqüente(Is 1,16s;Sl 94,3-7;Mc 12,40). Na Bíblia, a viúva é uma figura típica dos mais necessitados, dos indefesos e dos maltratados(Ex 22,21-24;Is 1,17.23;Jr 7,6). A Escritura sempre defende o direito da viúva porque sendo mulher e sozinha com os filhos para criar, ela se encontra duplamente oprimida e marginalizada. Ela é objeto de uma proteção especial pela Lei(Ex 22,20-23;Dt 14,28s;24,17-22) e de Deus(Dt 10,17s) que escuta a sua lamentação(Eclo 35,14s), a defende e a vinga(Sl 94,6-10).
  

O juiz (carente do sentido de honra), segundo o texto, não respeita ninguém. É um descarado; pouco lhe importa o que pensem os demais, não leva ninguém em consideração. A ação da viúva é um esperar contra toda esperança. O próprio juiz reconhece que é um homem sem fé e sem lei, mesmo assim decide solucionar o caso da viúva. Não o faz por ser honrado, mas por comodismo, para que a viúva deixe de chatear e não o leve a explodir.


Nesta altura segue a aplicação da parábola. Deus com certeza assumirá a causa de seus eleitos, fará a justiça plena aos que lhe suplicam dia e noite (v.7), mas não por comodismo como o juiz desonesto, e sim pela fidelidade dele para com seus eleitos. Esta certeza baseia-se no modo de agir de Deus que defende sempre os fracos e os oprimidos (cf. Sr /Eclo 35,12-18;Dt 10,17s). Por parte de Deus, há a garantia e a promessa de uma intervenção libertadora e salvífica, apesar do silêncio evidente e demora. Mas, por parte do homem, será que é realizada a condição para acolher o Filho do Homem como salvador? Esta condição é a fé que, nas dificuldades e perseguições, transforma-se em fidelidade e coragem no testemunhar diante dos homens (cf. Lc 9,26; 12,9). A fé que permanece nas provações testifica a qualidade da oração. Para manter esta fidelidade e coragem vivas, deve haver uma oração constante e insistente; uma oração que não conhece desânimos e depressões (v.1). Neste sentido a viúva se torna um modelo de perseverança. Esperar com firmeza e fidelidade a libertação definitiva é condição para uma oração corajosa. A fé na disponibilidade de Deus para fazer com que triunfe a justiça faz alguém não desistir na oração.
    

Com a história da viúva, que tão insistente, venceu, pelo cansaço, o juiz desinteressado que não estava nem um pouco inclinado a atendê-la, Jesus quer nos recomendar a perseverança na oração. São três as razões porque devemos ser perseverantes nas nossas orações: A bondade e a misericórdia de Deus; O amor de Deus por cada um de nós, como se cada um fosse único para Deus; e o interesse que nos mostramos perseverantes na oração. Por isso, o modo como a pessoa reza depende da imagem de Deus que traz no seu coração. Quanto mais correta for esta imagem, mais disposição terá para a oração, e mais confiante e perseverante esta será.
   

Lucas, através desta parábola, exorta todos os cristãos para serem incansáveis na oração perseverante para manterem-se na fidelidade para com Deus (Lc 22,46). Assim serão como Jesus que teve uma vida marcante de oração: começou sua atividade pública orando (Lc 3,21), os momentos- chaves de sua vida estiveram iluminados pela oração (Lc 6,12;9,28;22,39-46), e morreu orando (Lc 23,46). Esta vida de oração não é resignação fatalista, nem quietismo nem o aguardar passivo, mas é a busca ativa da vontade de Deus. A perseverança na oração é o princípio fundamental de toda a doutrina evangélica sobre a oração. A pessoa de fé é sempre perseverante, porque ela sabe a quem recorrer e em quem acredita, sem se importar com as circunstâncias. Aquele que crê, tem absoluta certeza de ser atendido, mesmo devendo esperar. A oração perseverante é expressão e o alimento da fé em Deus.


Fé e oração, portanto, estão sempre intimamente unidas. Para orar é preciso crer e para crer é necessário orar. E aquele que crê não quer obrigar Deus a fazer a própria vontade, utilizá-Lo para realizar seus desejos, mas para obter a graça de conformar sua vontade à de Deus.
      

Além disso, esse episódio quer nos ensinar que, para atingir objetivos superiores às nossas forças, precisamos orar sem cessar. Pois há objetivos que não podem ser alcançados sem a oração. Por exemplo: onde conseguir a força para perdoar quem nos prejudicou, a não ser na oração? Ou, onde conseguir a força para não fraquejar diante dos maus desejos da ambição, da inveja, da cobiça, do ódio, do rancor, a não ser na oração? Se por um instante sequer deixarmos cair os braços, isto é, se pararmos de rezar imediatamente as forças do mal prevalecerão, seremos derrotados e os desastres, que sofremos, serão assustadores. Como Moisés (na primeira leitura: Ex 17,8-13) devemos, portanto, manter os braços sempre erguidos, até a noite, isto é, até o fim da nossa vida, sem nos deixarmos vencer pelo cansaço.
   

Quando uma comunidade ou uma família vive verdadeiramente em oração, com certeza segue o caminho de Jesus, e ouve a sua voz e não a voz do mundo e a vida estará sempre iluminada, pois Deus é a Luz(Jo 8,12).


 “E Deus não faria justiça aos seus eleitos que clamam a ele dia e noite?”
      

Esta frase é conclusão da parábola. Embora já tenha explicado e meditado bastante coisa a respeito, precisamos aprofundar um pouco mais.
     

“Clamar dia e noite” sublinha a oração sem cessar. Precisamos rezar sempre, sem desfalecer, não é tanto para obter aquilo que já recebemos, mas para manter a chama de nossa fé, como o óleo que alimenta a lâmpada. A oração é um exercício de fé. Se há quem consagre a sua vida à oração, é para manter viva e ativa essa fé que Jesus deseja encontrar no coração de todos (v.8). A oração deve ser como uma respiração permanente. Ninguém sobreviveria sem respirar e sem o ar do qual ele respira. Assim também um cristão: não viveria como bom cristão sem uma oração sem cessar.

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: