sexta-feira, 8 de novembro de 2013

 
SER JOVEM QUE FAZ DIFERENÇA
Juventude é bela e singular por natureza. É uma idade mais cativante e cheia de encanto que procura uma causa significativa. É a idade dos contrastes, das contradições, dos conflitos, inclusive internos. Nesta idade a fecundidade se instala, o crescimento se acelera, o corpo se modifica, e o ideal se multiplica. É a chama da vida.


Na juventude tudo se mistura: narcisismo e generosidade, exaltação e melancolia, conformismo e revolta, obediência e rebeldia, solidão e espírito de grupo, timidez e excentricidade, sede de absoluto e reconhecimento das limitações, liberdade total e saudade pelo calor de um lar, desejos e frustrações.


Os jovens estão à procura de um motivo que torne a vida significativa. Eles podem não expressar isso tão claramente, mas seus corações clamam pelo sentido da vida. Eles examinam a vida na tentativa de descobrir onde se encaixam, o que se espera que realizem em suas próprias vidas. E os adultos e os pais precisam aprender a ouvir o clamor da juventude. É necessária uma conversa sobre nosso lugar no mundo e o que devemos fazer com nossas vidas. É uma conversa que aborde honestamente a dor e o fracasso, a alegria e o sucesso. Com os jovens precisamos todos nos sentar para falar sobre nossas vidas, suas aspirações, seus valores e sobre Deus razão pela qual estamos aqui neste mundo.


Uma pessoa jovem é como a chama. Com direcionamento e orientação, ela pode mudar o rosto do mundo e da Igreja. Deve-se usar a chama da juventude não apenas para construir carreiras e sim para construir lares e comunidades baseados na justiça, na igualdade, no amor e na generosidade. Mas sem direcionamento e sem deixar-se orientar, as chamas da juventude se perdem, na melhor hipótese, enquanto, na pior, elas podem se tornar uma força perigosa e destrutiva.

Neste mês de julho de 2013 todo olhar católico do mundo inteiro se direciona para a juventude na sua jornada mundial no Rio de Janeiro, Brasil, com a presença do Papa Francisco. Todas as dioceses com suas paróquias, até o próprio governo se envolvem com todas as forças em prol da Jornada Mundial da Juventude, em prol dos jovens para que sejam pessoas que fazem diferença tanto na Igreja como na sociedade.


O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que não desiste antes de começar e que nãomoradia para o desânimo. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que transforma fracassos em aprendizados. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que valoriza o tempo para não enterrar as oportunidades. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que alimenta os sonhos possíveis e vai atrás deles para torná-los realidades. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que transforma as dificuldades em oportunidades. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que começa cada dia com convicção. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que é capaz de medir sua capacidade e de reconhecer suas fraquezas. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que se esforça mais e acomoda-se menos, compromete-se mais e omitir-se menos. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que adota na sua vida aquilo que Sêneca dizia: “Não é porque certas coisas são difíceis que nós não ousamos; é justamente porque não ousamos que coisas são difíceis”. O jovem que faz a diferença na Igreja e na sociedade é o jovem que proporciona o tempo para entrar no silêncio que faz a eternidade estar presente a fim de direcionar sua vida para o bem e iluminar sua caminhada rumo à eternidade. Boa Jornada Mundial para toda a juventude.

P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: