quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

 
VIVER NA CERTEZA DO AMOR DE DEUS


VIII DOMINGO DO TEMPO COMUM A
02 de Março de 2014
 

 
Primeira Leitura: Is 49,14-15


14 Disse Sião: “O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-se de mim!” 15 Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém, não me esquecerei de ti.
 
 
Segunda Leitura: 1Cor 4,1-5


Irmãos: 1 Que todo o mundo nos considere como servidores de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. 2 A este respeito, o que se exige dos administradores é que sejam fiéis. 3 Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vós ou por algum tribunal humano. Nem eu me julgo a mim mesmo. 4 É verdade que minha consciência não me acusa de nada. Mas não é por isso que eu posso ser considerado justo. 5 Quem me julga é o Senhor. Portanto, não queirais julgar antes do tempo. Aguardai que o Senhor venha. Ele iluminará o que estiver escondido nas trevas e manifestará os projetos dos corações. Então, cada um receberá de Deus o louvor que tiver merecido.


Evangelho: Mt 6,24-34


Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 24 “Ninguém pode servir a dois senhores; pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro. 25 Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com o vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? 26 Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros? 27 Quem de vós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? 28 E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. 29 Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. 30Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé? 31 Portanto, não vos preocupeis, dizendo: ‘O que vamos comer? O que vamos beber? Como vamos nos vestir? 32 Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. 33 Pelo contrário, buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo. 34 Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia bastam seus próprios problemas”.

----------------------------

O texto lido neste dia se encontra no contexto do Sermão da Montanha (Mt 5,1-7,28). Através do texto de hoje Jesus explicita a primeira bem-aventurança: “Bem-aventurados os pobres no espírito” (Mt 5,3). E ao dizer “Buscai primeiro o Reino de Deus e sua justiça”, na verdade, Jesus quer explicitar o pedido encontrado na oração do Pai-Nosso: “Venha a nós o vosso Reino” (Mt 6,10), para dizer que “Não só de pão o homem vive, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4,4; Dt 8,3). Segundo Jesus as preocupações caseiras não devem sufocar os projetos do Reino de Deus (amor, justiça, compaixão, solidariedade, igualdade, comunhão etc.).
  

O evangelho deste dia nos chama a fazermos a escolha entre um dos dois senhores com suas conseqüências: Deus que nos proporciona a vida plena ou cobiça pelos bens materiais que nos leva à frustração eterna. “Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6,24b). Toda escolha implica renúncia. Quem está cheio de criatura (dos bens materiais) é porque está vazio de Deus. Quem está cheio de Deus é porque está vazio de criaturas.


1. Deus E Dinheiro: A Quem Ou A Que Servimos?
      

Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6,24b).


O que significa servir a Deus? O que significa servir ao dinheiro?


Para responder a esta pergunta vamos olhar para as tentações de Jesus (Mt 4,1-11). O que fez Jesus durante as tentações, quando o diabo lhe prometeu o domínio absoluto sobre o mundo e toda sua glória com todas as suas riquezas? Jesus respondeu: “Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele prestarás culto” (Mt 4,10). Jesus, como homem, fez sua opção: servir a Deus.


Agora Jesus exige de cada um de nós: a quem servimos ou a que servimos?


Por um lado estão o dinheiro, os bens, as comodidades deste mundo. Apegar-se a eles significa viver nas trevas. Temos apenas o direito de uso sobre os bens. Esse direito cessará assim que partirmos deste mundo. A preocupação exagerada e desenfreada pelos bens materiais pode fazer nascer no coração a cobiça e a inveja. A cobiça é irmã da inveja, e as duas (cobiça e inveja) nascem da preocupação exagerada pelos bens materiais. O avarento é escravo do dinheiro que tem, e o invejoso é o escravo do dinheiro dos outros. Para Jesus a busca do Reino, se for sincera, dá sentido às preocupações caseiras que ele mesmo ensinou no Pai-Nosso para pedir a Deus o pão nosso de cada dia (Mt 6,11). Mas a busca desenfreada dos bens materiais pode impedir a mais acentuada preocupação do Reino: amar a Deus que se traduz no amor ao próximo.


Jesus nos adverte: “Vós não podeis ser escravos/ servos do Mamon”. O termo aramaico “mamôn” significa “fortuna”, “bens”. Por que nenhum cristão pode ser escravo/ servo dos bens materiais? Porque aquele que coloca os bens temporais como finalidade última de sua vida, que ama os bens acima de tudo e para alcançá-los não mede os meios até os meios injustos, terá conseqüentemente e necessariamente que desprezar a Deus. Além disso, o amor pelo dinheiro fecha completamente o coração humano num egoísmo e não sobra nenhum espaço para amar os demais homens. Mais ainda, o amor pelo dinheiro torna o homem injusto, prepotente, corrupto, explorador e violento. Em nome de dinheiro o homem é capaz de matar seu próximo. Jesus não afirma que o dinheiro ou os bens materiais não sejam necessários para viver, mas que sejam regidos por uma escala de valores para que eles possam ocupa seus devidos lugares como meio e não como fim.


Por outro lado está Deus. Servir a Deus, segundo as Sagradas Escrituras, é sinal da grandeza, porque não se trata de nos sentirmos servos e sim “filhos” (cf. 1Jo 3,1-2). Nos versículos anteriores deste texto Jesus nos ensinou a chamar Deus de Pai Nosso (cf. Mt 6,9-15). Servir a Deus significa colaborar com Ele, atuar em comunhão com Ele. Como Pai Deus sempre respeita nossa individualidade e nossa personalidade. Se optarmos a servir a Deus, nós nos daremos conta de que as riquezas passam a ser relativas e descobriremos que estão destinadas a todos. Tudo foi criado por Deus e destinado a todos. Toda preocupação que facilita a prática da caridade é sempre boa. “Quando você descobrir a alegria de compartilhar o seu pão com seu irmão, você renunciará facilmente ao prazer de comê-lo sozinho. Se você perde os seus bens e é pobre por amar os seus irmãos, você é um santo pelo amor que possui, e não pelo dinheiro que lhe falta” (René Juan Trossero).
  

“Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”,


O verbo que o texto usa é “servir” (douleúein, grego) de onde se deriva o substantivo “servo” ou “escravo”. Por isso, podemos traduzir a frase a partir do substantivo para perceber seu conteúdo: “Vós não podeis ser servo de Deus e escrava de dinheiro simultaneamente”. Nenhum homem podia ser escravo/ servo de dois senhores (donos) na época de Jesus ou em qualquer época.   Na época “escravo” não era tratado como pessoa, mas como coisa (objeto). Ele não tinha direito nenhum. Seu dono podia fazer com ele como quisesse. Como coisa (objeto) e não como pessoa, o escravo podia ser vendido ou ser morto pelo seu dono. O dono possuía um escravo como possuir qualquer coisa. O escravo não tinha tempo para si, somente para seu dono. Seu tempo pertencia ao seu dono.


Jesus quer nos dizer desta maneira: “Vocês devem ser servos de Deus”. Em relação a Deus, nós pertencemos a Ele. Pertencer a Deus não é fator de alienação, mas de afirmação, isto é, não somos anônimos, mas cada um tem nome para Deus e é amado por Ele. Eu não sou alienado, mas sou de Deus e pertenço a Deus.


Ao dizer que “Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”, Jesus quer nos ensinar que existe a incompatibilidade entre Deus e o dinheiro. O projeto de Deus se fundamenta na partilha. O dinheiro, ao contrário, se fundamenta na concentração de bens com o intuito de manter privilégios diante da maioria que não tem nada para viver ou sobreviver. O dinheiro transforma o próximo em objeto de exploração. A sede de dinheiro causa separação entre as pessoas até pode criar inimizade. Quando os bens materiais começarem a mandar numa pessoa que os possui, eles farão desaparecer a liberdade do seu dono.  Somente ganhará novamente a sua liberdade quando ele começar a mandar nos seus bens. Se o projeto de Deus, vivido por um cristão, se fundamenta na partilha, consequentemente o outro será considerado irmão e não como rival. O homem que vive conforme o projeto de Deus não deixa ninguém morrer de fome, pois isto seria uma agressão contra o irmão. Por isso Mahatma Gandhi dizia: “O mundo tem o suficiente do que os homens precisam, mas não do que cobiçam”.


Jesus dá como exemplo a vida dos pássaros para corrigir a cobiça humana. Os pássaros se esforçam por comer e não se dedicam para acumular. A preocupação obsessiva pelos bens materiais impede qualquer homem de viver e de conviver como irmão. Quem está centrado somente nos bens materiais não podem criar uma autêntica rede de relações humanas, um mundo mais justo onde o compartilhar e não o acumular seja a meta, onde a providência divina se transforma e se traduz em providência humana, pois um cuida do outro mutuamente.


Portanto, nós devemos perseverar no bem para a nossa própria felicidade, ou necessariamente nós vamos avançar na estrada do mal para nossa própria frustração eterna. Quem não cultiva o bom trigo deixa caminho aberto para as ervas daninhas. Por isso, somos chamados a nos converter permanentemente. Converter-se neste sentido é decidir com o coração pelo bem ou pelo mal. Cada um é responsável pelos frutos do seu campo.

 

2. Colocar Deus E Sua Justiça Como Centro De Nossa Existência E Convivência      


Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça, e todas as outras coisas vos serão dadas por acréscimo”.  Vosso Pai, que está nos céus, sabe do que vós precisais.


Quem orienta sua vida pela busca do Reino de Deus e sua justiça não tem porque deixar-se dominar pela avidez ou preocupação exagerada pelos bens materiais. O olhar de quem acredita no amor de Deus e na sua providência centra-se no que é essencial. O resto vem-lhe por acréscimo: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça, e todas as outras coisas vos serão dadas por acréscimo” (Mt 6,33). Jesus não nos diz: “Buscai mais nada”, mas “Buscai primeiro”. Isto significa a prioridade.


Daí surge a pergunta: O que é que é essencial como prioridade que dá sentido para minha vida e que me dignifica como pessoa? O que me faz digno e valioso, mais do que qualquer coisa no mundo? Não é meu caráter? Não é minha bondade e meu amor vividos na convivência com os demais? Não é minha honestidade nos negócios? Não é a minha certeza de que além da vida na história existe a eternidade? Será que eu coloco tudo isto como prioridade na minha vida?


Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça”. A justiça do Reino de Deus é o sinônimo de amor misericordioso, solidariedade fraterna, perdão reconciliador, igualdade respeitosa, empenho por construir a paz e a recusa de toda forma de idolatria e de injustiça. Tudo isto é a prioridade de quem acredita em Deus, de quem se diz cristão. Nós podemos também priorizar nosso tempo: parar para examinar sobre como organizamos nosso tempo. Quantas horas nós usamos de nosso tempo para a Televisão e outras coisas e quanto tempo usamos para orar, ler e meditar a Palavra de Deus? Nós somos chamados a olhar para as facetas de nossa vida e suas prioridades. Fazer tudo isto não é perder, mas ganhar: “... todas as outras coisas vos serão dadas por acréscimo”, promete-nos o Senhor.

 

3. Deixar-se Amar E Guiar Por Deus, o Pai Amoroso


Não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com o vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo do que a roupa?... Vosso Pai, que está nos céus, sabe do que precisais de tudo isso (Mt 6,25).


Jesus nos ensina que Deus é nosso Pai, ou melhor dizer, nosso Papaizinho. Através do profeta Isaías Deus, no seu amor materno, faz-nos esta pergunta-afirmação: “Por acaso uma mulher se esquecerá da sua criancinha de peito? Não se compadecerá ela do filho do seu ventre? Ainda que as mulheres se esquecessem, eu não me esqueceria de ti. Eis que te gravei nas palmas da mão” (Is 49,15-16).


O amor de Deus por nós é feito de ternura, de misericórdia, de compaixão, de fidelidade e de eternidade. Esta mensagem extraordinária nos assegura e nos garante que temos um Pai que pensa em nós muito mais do que nas flores no campo e nos pássaros no céu (cf. Mt 6,26-28). Ele nos ama tanto a ponto de enviar seu Filho único para nos salvar: “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna” (Jo 3,16). Em Jesus Deus nos amou até o fim (cf. Jo 13,1).
   

A espiritualidade do Sermão da Montanha está contra a ansiedade de satisfazer apenas as necessidades materiais. A preocupação exagerada pelos bens materiais revela que a opção fundamental deste tipo de cristão está nas coisas efêmeras que na verdade servem apenas como meio e não como fim, pois os bens materiais continuam sendo criaturas e não Criador. Quando uma pessoa começar a se identificar com o que possui (como com os bens materiais), sem perceber ela vira coisa e não pessoa. Conseqüentemente, a partir do momento em que não tiver mais bens materiais, ela perderá a razão de viver, se desespera até chegar ao ato extremo: suicídio. É triste para um ser humano quando ele é considerado por aquilo que possui e não por aquilo que ele é. É triste também para uma pessoa que só olha para o que o outro tem e não para aquilo que ele realmente é como um ser humano, filho de Deus. O que faz uma pessoa ser pessoa é seu amor pelo próximo, seu respeito pela dignidade e pelos direitos dos outros, seu amor pela justiça e honestidade, sua solidariedade e compaixão pelo próximo.
   

O mundo foi criado originalmente em função do homem, e não o homem para o mundo (cf. Gn 1,28-30). As aspirações do homem, por isso, devem ser superiores a qualquer coisa que ele possa possuir e conquistar. São Paulo numa expressão muito rica e profunda diz; “Tudo é vosso, mas vós sois de Cristo e Cristo é de Deus” (1Cor 3,22-23). Não pertencemos às coisas e sim a Cristo. As coisas podem pertencer a nós e não vice-versa. A consciência desta pertença a Cristo faz com que tudo seja ordenado e ganhe seu justo valor e sua justa perspectiva na nossa vida. “A verdadeira felicidade não consiste em possuir o que se ama, mas em amar o que se deve possuir” (Santo Agostinho). Não é o mundo que nos separa de Deus, e sim a nossa aceitação em viver como o mundo quer. O mundo é como um cão acorrentado que pode latir muito, mas não morde quem mantiver a distância, vivendo os valores ensinados por Jesus Cristo. O homem se distancia do mundo não pelo seu afastamento ou pela fuga dele, mas pela vivência dos valores do Reino. A perfeição não consiste na ausência dos desejos, mas em colocar os desejos em ordem para que o ser humano possa chegar à sua plena realização como ser humano e ser transcendente capaz de ver além do sentido.


E consciente ou inconscientemente todo domingo ou todo dia nós renovamos nossa filiação divina ao professar o nosso credo em Deus Pai: “Creio em Deus Pai”. Mais do que uma relação filosófica que designa as relações de Criador para com a criatura, o texto enfatiza as relações pessoais entre Deus como Pai e nós como filhos. Se Deus vela com solicitude sobre as criaturas tão frágeis como são os pássaros e as flores no campo, que são pouco mais do que nada, e nada fazem, que cuidados não terá Deus em relação às criaturas mais dignas, suas obras primas que são os homens? Cristo quer nos libertar de nossa inquietação exagerada para que possamos nos consagrar total e fielmente à procura daquilo que nos dignifica e nos diviniza: o Reino de Deus e sua justiça. A atitude de um cristão diante de Deus deve ser semelhante à situação de uma criança que é serena e tranqüila porque seu pai e sua mãe pensam nela e a amam.
          

Já que pertencemos a Deus pelo fato de sermos filhos no Filho pelo Batismo em vez de perguntar: “O que eu desejo fazer”, nós devemos nos perguntar: “O que Deus quer ou deseja que eu faça?”.  Em vez de dizer “Eu vou fazer aquilo que eu quero”, um cristão diz: “Eu vou fazer aquilo que Deus quer”. Porque fazer aquilo que Deus quer é que me faz mais humano, mais filho e mais irmão para os outros.

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: