sexta-feira, 8 de agosto de 2014

 
DEUS-CONOSCO

XIX DOMINGO DO TEMPO COMUM “A”
10 de Agosto de 2014
 

Evangelho: Mt 14,22-33


Depois da multiplicação dos pães, 22 Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23 Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24 A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25 Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26 Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. 27 Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” 28 Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”. 29 E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30 Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” 31 Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” 32 Assim que subiram no barco, o vento se acalmou. 33 Os que estavam no barco prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”          

---------------------------------

O evangelho deste domingo nos apresenta o relato da caminhada de Jesus sobre as águas. O mesmo relato podemos encontrar também em Mc (Mc 6,45-52) e em Jo (Jo 6,16-21). Mt segue a tradição de Mc, mas faz algumas reformulações, especialmente o acréscimo do episódio de Pedro caminhando sobre as águas (vv.28-31) e o reconhecimento de Jesus como Filho de Deus por parte dos discípulos (v.33).


O que tem por trás do relato do evangelho de hoje?


A cena inicial (vv.22-27) apresenta de maneira simbólica a situação em que se encontra a comunidade de Mt depois da ressurreição de Jesus: a comunidade sente que Jesus está longe, enquanto eles se encontram no meio de dificuldades (tempestade). As ondas e o mar representam no AT as forças do mal que Deus vence com seu poder (Sl 77; Jó 9,8;38,16). Mas agora é Jesus quem vence a esta força maligna, pois Ele é o Deus-Conosco (cf. Mt 1,23; 18,20; 28,20). Sua manifestação aos discípulos neste episódio tem todas as marcas dos relatos de aparições: a cena tem lugar de noite, o mesmo que a ressurreição do Senhor; Jesus vem ao encontro dos seus (cf. Jo 20,19); os discípulos crêem ver um fantasma (cf. Lc 24,37s); finalmente, Jesus se apresenta afirmando sua identidade: “Tende confiança! Sou Eu”. Jesus quer dizer aos discípulos: “Vocês não estão sós nas suas lutas, pois Eu estou sempre presente, pois Eu sou Emanuel, Deus-Conosco. Tenham certeza e consciência disso!”.


O relato começa com a separação dos discípulos de Jesus logo depois da multiplicação dos pães, e termina com o reencontro- reunião com Jesus no mesmo barco. Podemos dizer: acontecem o encontro, o desencontro e o reencontro entre Jesus e seus discípulos. E os encontros ou reencontros com Jesus sempre produzem uma mudança qualitativa naqueles que são encontrados ou com aqueles que fazem encontro com Jesus: no primeiro caso, opera-se uma passagem do medo para a fé, e no segundo, da dúvida e da pouca fé para a solidez e para a plenitude da fé.


Reflitamos sobre alguns pontos do texto do evangelho de hoje!


1. Jesus e Oração- Cristão e Oração


Mt fala da oração de Jesus somente em duas ocasiões: aqui, no texto do evangelho de hoje e em Getsêmani (Mt 26,36-44). Em ambos os casos sua oração precede a um momento importante de prova para os discípulos. Em geral, a oração solitária de Jesus precede ou segue a algum acontecimento muito importante. Aqui, sua oração precede a sua manifestação como Filho de Deus e a prova para os seus.


Ao olhar para o modo de viver de Jesus, percebemos a dupla dimensão de seu ministério: a oração e a ação, a solidão e a solidariedade, a intimidade mais profunda com o Pai e o engajamento mais radical no serviço dos necessitados. Em Jesus as duas dimensões são vividas não só como complementares, mas como necessariamente referidas uma à outra.


O cristão deve ter consciência de que, a partir de Jesus, a vida se põe na oração e a oração se traduz na vida. A vida antes de ser vivida, deve ser rezada. A oração e a ação concreta se nutrem. A ação sem a oração pode levar alguém a fazer tudo de acordo com seu gosto e não de acordo com o espírito do Senhor, e desiste diante de qualquer dificuldade. Enquanto a verdadeira fé resiste diante de qualquer dificuldade. Sem a ação, sem traduzir em atos concretos, a oração se tornaria uma fuga da realidade. Deste jeito não seria uma oração, não seria um diálogo com Deus e sim um monólogo consigo próprio. Quando o instinto básico que nos empurra, na oração, é o desejo de segurança, o significado da fé nos resulta praticamente incompreensível, pois o dinamismo característico dos crentes, dos cristãos não é a segurança e sim a fidelidade.

 
Precisamos estar conscientes de que um falar de Jesus somente é autentico quando é fruto de falar com Jesus, de crer nele como triunfador da morte e Senhor da existência, de experimentar em nós a evidência de seu amor salvador e da força que nos infunde. Desta maneira a oração será muito profunda, pois tratar-se-á do encontro com o Senhor da existência, com Aquele que dá sentido à nossa existência.
   

2. Jesus É Deus-Conosco


Enquanto Jesus está se retirando para orar, os discípulos se encontram no meio da noite lutando contra a tempestade. Evidentemente eles estão atormentados. O barco agitado pelas ondas representa a Igreja sacudida pelas forças opostas  e que por isso se sente impotente, frágil e abandonada e que luta para encontrar um rumo certo. Muitas vezes, no meio das dificuldades, pensamos, como os discípulos, que sejamos nós os que temos que fazer triunfar a Igreja com a nossa luta. Nós nos esquecemos de que o único que pode salvar a Igreja é Jesus Cristo. Somos colaboradores do Senhor. O agente principal da obra da salvação continua sendo o próprio Senhor.
    

Quando Jesus vem ao encontro dos discípulos, o medo se torna maior, pois acham que é um fantasma, pois eles não reconhecem Jesus. E quando eles não reconhecem Jesus, acabam tendo medo dos fantasmas que eles mesmos criam. Nessa altura Jesus se dá conhecer: “Tende confiança. Sou Eu”. Esta frase é suficiente para acalmar os discípulos.
     

A mensagem do texto é nitidamente eclesiológica. A cena simboliza a relação de Cristo com todos nós como a Igreja. A barca no meio da tempestade e no meio da noite representa a Igreja. E Jesus se revela como “Eu sou”, o Deus-Conosco (Mt 1,23;28,20). Jesus  está sempre unido à sua Igreja. Quando estivermos longe dele ou nos afastarmos dele, sentiremos, como os discípulos, o medo e o pavor. Mas estes desaparecem no fim da noite, quando Jesus vai ao nosso encontro. Aparentemente, Jesus está ausente quando nos encontramos no meio da tempestade desta vida ou em perigo de morte. Mas, na realidade, Jesus está sempre unido a cada um de nós, como sua Igreja, orando por nós, pois ele é o nosso Emanuel (Mt 1,23;18,20;28,20). Mantendo a fé nele, na hora certa o Senhor vai manifestar o seu poder, libertando-nos do medo e infundindo-nos ânimo: “Tende confiança ! Sou Eu! Não tenhais medo!”, assim ele nos diz, como disse aos discípulos.
      

Por isso, temos que perseverar na fé, mesmo quando agitada e açoitada pelas ondas e pelos ventos de provações e de perseguições, quaisquer que sejam as dificuldades e os obstáculos no caminho que temos que percorrer para ir ao encontro com Jesus e para obedecer à missão recebida dele. A fé autentica resiste diante de qualquer tempestade da vida, pois ter fé significa estar com o Senhor do universo.


Deixemos que esta frase “Tende confiança! Sou Eu! Não tenhais medo!” penetre em nós, nos momentos mais difíceis da nossa vida. Quando ouvirmos a voz do Senhor, a paz estará presente no nosso coração, ainda que estejamos rodeados pelas provações ou dificuldades.


3. Caminhar Com O Senhor Significa Experimentar Também As Provações: Lição Do Episódio De Pedro Andando Sobre As Águas


Pedro, na sua relação com Jesus, ocupa também nesta cena um lugar central. O episódio do encontro entre Jesus e Pedro se narra somente em Mt. E de acordo com outras passagens, Pedro aparece como porta-voz do grupo dos Doze (Mt 15,15;16,16;26,33). Ele representa a figura de cada cristão. Nas suas palavras, ações e atitudes, o episódio quer nos mostrar como não deve e como deve se comportar cada cristão na Igreja de Jesus.
    

Ao ver Jesus, que, como um fantasma, vai ao encontro da barca sobre o mar e diz: “Tende confiança! Sou Eu”, Pedro responde: “Senhor, se és Tu, manda-me ir sobre as águas, até junto de Ti”. É uma palavra muito forte, porque caminhar sobre as águas é exclusivo de Deus, é uma característica de Deus no Antigo Testamento ou atributo próprio de Deus (Jó 9,8;38,16). Pedro quer andar sobre as águas. Isto quer dizer que ele quer participar da condição divina de Jesus. E Jesus não duvida e convida Pedro: “Venha !”
  

Uma única palavra de Jesus num tom imperativo “Vem!” basta para Pedro lançar-se ao mar e caminhar sobre as águas ao encontro de Jesus apoiado unicamente na força da Palavra de Jesus. Para quem crê, “nada será impossível” (Mt 17,20b). Na medida em que crermos incondicionalmente na palavra de Jesus, participaremos também do Seu poder.
      

Mas Pedro, ao ver as ondas agitadas, sente o medo. Isto quer dizer que ele espera a condição divina sem obstáculos, sem provações, sem dificuldades, de maneira milagrosa. Ele se esquece de que o homem se faz filho de Deus no meio da oposição e perseguição do mundo (Mt 5,10s). Isto quer dizer também que Pedro quer participar do poder de Jesus, mas ele não se conhece e não sabe que esta participação significa também compartilhar as provas de Jesus, deixar-se agitar pelo vento e pelas águas desta vida. Não tinha pensado nisso, imaginava um jogo mais fácil e então, perturbado, grita: “Senhor, salva-me !”
     

O grito revela o fato de que Pedro não conhecia a si mesmo, tinha presunção de si, julgava-se já capaz de qualquer coisa. E ao mesmo tempo o grito revela que ele não conhecia Jesus, porque, a uma certa altura, não mais confiou nele, não entendeu que era o Salvador e que no meio da potência do furacão, lá  onde a sua fraqueza se manifesta, Jesus estava ali para salvá-lo. Este grito é, ao mesmo tempo, uma súplica, e , portanto, uma expressão de fé. Nesse momento não tem mais nada a que possa se agarrar. Só pode dirigir seu olhar suplicante a Jesus e esperar que ele o salve estendendo-lhe a mão.
   

O gesto de Jesus que estende a mão para salvar Pedro do perigo mortal evoca as imagens bíblicas do AT, especialmente dos Salmos, em que o Senhor estende a sua mão direita para salvar o orante que o invoca nos momentos de angústias e que se encontra no perigo da morte (cf. Sl 18,17;32,6;69,2.5;144,7;Is 43,2 etc.).
    

 Homem fraco na fé, por que duvidaste?” disse Jesus a Pedro. Esta frase expressa um afeto e uma correção. Devemos ouvir sempre esta frase para que nossa fé seja mais forte, pois uma fé forte, que não se deixa invadir pelo medo nem contaminar pela dúvida é capaz de transportar montanhas ou de atravessar tormentas, e chegar ao encontro com Jesus.
    

Por isso, não basta deixar-se encantar pela sublimidade dos ensinamentos e dos milagres de Jesus. É necessário deixar-se transformar por suas palavras e descobrir para além dos milagres quem é Jesus para mim e buscar imitar seu modo de proceder e de viver. Só assim a fé se torna consistente, capaz de superar as provações, os obstáculos etc.
    

Pedro, por um lado, é o exemplo para todos os fiéis na grandeza e na fortaleza da fé incondicional, que ao reconhecer a voz e a pessoa de Jesus, sente-se irresistivelmente atraído por ele, mesmo que tenha que atravessar tempestades ou caminhar sobre as águas. Mas por outro lado, Pedro é igualmente um paradigma da pequenez e da fraqueza da fé dos seguidores. A fé de cada um de nós tem, como a de Pedro, altos e baixos.
     

Perguntamos: por que Pedro quase afundou ? Porque ele olhou mais para as águas agitadas ameaçadoras do que para o Senhor. Mas quando ele voltou a olhar para o Senhor, as águas agitadas não mais o ameaçaram, mas se tornaram uma estrada para ele caminhar ao encontro do Senhor.
    

Também nós, quando nos encontramos no meio da tormenta ou do sofrimento, em perigo iminente de “perder a vida”, muitas vezes nos esquecemos de olhar para o Senhor e de ouvir a Sua voz, e, por isso, começamos a duvidar e a afundar nos nossos problemas. Se fixarmos o nosso olhar para o Senhor, creio que, como Pedro, os nossos problemas vão se tornar para nós uma estrada, pois só o Senhor é quem pode arrancar-nos do abismo que ameaça devorar-nos, estendendo para nós a sua mão: uma mão poderosa e caridosa.
    

A partir desta mensagem, devemos fazer com muita confiança a petição do “conhecimento interno” de Jesus, de conhecê-lo cada dia mais profundamente, de deixar-nos encontrar sempre de novo por ele, de segui-lo cada dia de maneira mais fiel e mais incondicional, sejam quais forem as tormentas e as noites que tivermos que atravessar. O Senhor tem sempre a sua mão estendida para que nos agarremos a ela. Somos chamados a olhar para Jesus. Deixar de olhar para ele é naufragar, é incapacitar-se para dar um passo adiante, mesmo em terra firme de nossa vida. Quando a fé se torna pequena, as dificuldades ficam gigantescas.
 
P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: