quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

12/01/2015
 
SEGUIR A JESUS É CONVERTER-SE E TER FÉ


Segunda-Feira da I Semana do Tempo Comum
 

Evangelho: Mc 1, 14-20

14 Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: 15 “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos, e crede no Evangelho!” 16 E, passando à beira do mar da Galileia, viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores. 17 Jesus lhes disse: “Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens”. 18 E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus. 19 Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; 20 e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus.

---------------------------

Deus Está Do Lado Dos Marginalizados E Excluídos


Terminada a atividade de João Batista que representa o fim do tempo de Moisés (Lei) e dos Profetas, começa a atividade de Jesus que é o início da nova época do relacionamento de Deus com a humanidade. Jesus começa sua atividade na Galiléia. A Galiléia era considerada pelos rabinos de Jerusalém como um lugar onde a obediência à Lei (Torah) não era tão exata e também era um lugar onde acontecia o contato com os pagãos que causou o sincretismo religioso. E Jesus escolheu a Galiléia como o centro de sua missão salvífica (cf. Mc 1,16.28.39; 3,7; 7,31; 9,30). Quando começa sua missão, Jesus se dirige à Galiléia, região campesina de gente pobre; não se dirige a Jerusalém, centro político e espiritual de Palestina e do judaísmo. Ele se dirige aos últimos, aos explorados por um sistema político a serviço do governo romano, por um sistema militar que oprime e explora o povo empobrecido mediante a cobrança de tributo para o império, por um sistema religioso que justifica a situação presente em nome de Deus.


O Deus de Jesus Cristo é realmente um Deus de surpresa, pois ele vai na direção em que o homem nunca pensou em  trilhar. Os conterrâneos desprezavam a Galiléia e Jesus a escolheu como o centro de sua missão. Onde há marginalização, onde acontece a exclusão, onde o ser humano é desprezado, Jesus está lá para ficar ao lado dessas pessoas defendendo-as e devolvendo-lhes o direito de viver dignamente como filhos e filhas de Deus.   Aquele que marginaliza acabará sendo marginalizado da salvação se não se converter. Não pode maltratar um ser humano sendo filho do próprio Deus a Quem chamamos de Pai-Nosso. E nós, seguidores de Jesus, temos que andar atrás do Mestre olhando para aquilo que Ele faz e escuta atentamente aquilo que Ele ensina. “Segue-me!”, Ele nos convida. Não devemos ter medo de Ele nos levar para onde ele quer ou quiser, pois ele é o Caminho, a Verdade e a Vida(Jo 14,6). Podemos encontrar cruz ou cruzes no caminho, mas sendo Jesus na nossa frente, as cruzes se transformarão em ressurreição, isto é, em uma vida gloriosa.


Deus Chama Para a Conversão E a Fé


Para podermos seguir a Jesus e levarmos adiante seus ensinamentos é necessário nos converter: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos, e crede no Evangelho!”.


O Reino de Deus é a soberania de Deus, porém no sentido de compaixão e de salvação. Deus é soberano no sentido de amor, pois Ele é amor (cf. 1Jo 4,8.16). Como Amor por excelência Deus não admite o ódio, a exclusão, a discriminação, a marginalização e desvalorização do ser humano.


Para uma mudança de mentalidade e do modo de viver e conviver dignamente é preciso ter fé e conversão: “Convertei-vos, e crede no Evangelho!”. Converter-se significa literalmente tomar uma direção de salvação, mudar de rumo onde se encontra a humanidade para assumi-la como algo divino, pois foi o próprio Deus que a criou. Consequentemente converter-se significa não ficar onde se está e como está; é esforçar-se para chegar a ser o que se deve ser. Para se tornar divino o homem precisa ser muito humano, muito irmão dos outros homens. É permitir que Deus seja Deus e o homem seja homem. Quando houver este reconhecimento, não haverá nenhum espaço no homem para a auto-suficiência. Com este reconhecimento o homem abandonará o egoísmo e a rivalidade fatal para começar a abraçar a humanidade querida por Deus.


Além da conversão, o que se exige é fé. A fé significa estar com Deus, fazer tudo conforme o mandamento de Deus que se resume no amor fraterno; é abertura e disposição  para viver de acordo com a vontade de Deus que é a própria salvação do homem. estando com Deus, aconteça o que acontecer, o homem vencerá todos os obstáculos cedo ou tarde, pois Deus pode tardar, mas jamais falha, pois Ele é a própria Sabedoria que conhece profundamente cada criatura Sua.


Deus Precisa De Parceiros Na Luta Pela Dignidade Do Homem


Nessa região pobre é que ele chama seus parceiros, seus primeiros discípulos. Jesus não se encontra com o homem em uma esfera particularmente religiosa ou privilegiada de algum modo, seja politicamente ou religiosamente, e sim na beira do Lago onde vive verdadeiramente o homem, na vida cotidiana.


O “lago” é o lugar no qual vivem as pessoas da Galiléia e ali é que elas trabalham ou pescam para o sustento de cada dia. Certamente Jesus procura e encontra o povo ou cada um de nós em sua própria situação e lugar. E Jesus nos chama a segui-lo ali onde se encontra, na própria situação concreta. Ele apresenta a cada um o convite ali onde se encontra, numa situação comum, honesta e honrada como aquela dos pescadores ou, então, numa situação desonrada e moralmente difícil como aquela do cobrador dos impostos, como Levi (cf. Mc 2,14) etc.


Se Jesus quer encontrar cada um de nós ali onde se encontra, vamos ficar, então, no nosso lugar e vamos ficar atentos, pois qual hora do dia sempre há algum apelo de Deus para que façamos algo pelo bem do próximo. Como as letras de um canto que dizem: “Quando Jesus passar eu quero estar no meu lugar”. Se eu não ocupar meu lugar, por simples que ele seja, ele não vai me encontrar. Consequentemente surge uma pergunta para mim: “Onde está o meu lugar?”


Sublinha-se também o aspecto pessoal do chamamento: através de uma colóquio familiar. Jesus vê Simão e André, Tiago e João e aproxima-se deles familiarmente, fala e os chama. Ele faz lhes ouvir aquela palavra de esperança e de confiança que é o chamado a segui-lo.


O que significa “seguir”? Literalmente significa “ir atrás de alguém, pisando nas suas pecadas e percorre o seu caminho. Tudo isto exige uma imensa confiança naquela pessoa que está na nossa frente. É preciso entregar-se totalmente a essa pessoa. “Seguir Jesus Cristo” segundo o Evangelho significa aceitar sua doutrina, entregar-se incondicionalmente à sua pessoa, colaborar na sua missão e partilhar do seu destino, que inclui a morte e a glorificação(Jo 12,26; 14,3; 17,24). O abandono confiante  a Jesus é necessário para poder percorrer o caminho em direção ao conhecimento da vida e do mistério de Jesus.
 

Simão e André abandonam imediatamente sua forma de vida anterior. E Tiago e João desvinculam-se da tradição (o pai) e do ambiente social (os dois têm nomes hebraicos). Não é fácil abandonar um hábito ou modo de viver para assumir um outro novo.


Os primeiros discípulos abandonaram imediatamente tudo depois que ouviram o convite de Jesus. Para nós isto significa que em cada momento em que a Boa Nova nos é oferecida, Jesus nos convida a segui-Lo e ao mesmo tempo nos dá o poder de começar a nova caminhada. Isto requer a conversão, pois sem ela não há boa notícia.


Seguir significa recorrer o caminho do Mestre, realizar seus gestos preferidos. Seguir significa servir, dar a vida pelo bem dos outros, assumir todas as responsabilidades que Cristo deixou. E no seguimento evangélico o fato essencial é a pessoa de Jesus e seu projeto de vida: vida para todos (cf. Jo 10,10). A mensagem de Jesus não nos deixa indiferentes. Ele quer que tomemos uma posição radical permanentemente. O seguimento determina nossas opções de cada dia, nossas escolhas na vida, nossas decisões. Ser discípulo é uma coisa séria e permanente.
 
P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: