segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

12/02/2015
FÉ FIRME EM DEUS APESAR DOS OBSTÁCULOS


Quinta-Feira Da V Semana Do Tempo Comum



Evangelho: Mc 7,24-30

Naquele tempo, 24 Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido. 25 Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés. 26 A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio. 27 Jesus disse: “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”. 28 A mulher respondeu: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”. 29 Então Jesus disse: “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”. 30 Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já havia saído dela.

-----------------

 Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia...”


Desta vez Marcos nos relata que Jesus deixou a terra de Israel, “terra santa”, “terra dos puros” e vai a uma “terra pagã”, considerada sempre “impura” por Israel. Mas para o Senhor nenhuma terra é impura, pois tudo é obra de Suas mãos. Quando criou o universo “Deus contemplou toda a Sua obra, e viu que tudo era muito bom” (Gn 1,31). É o homem, com sua maldade que contamina e profana a obra de Deus.


Jesus entrou numa casa (na região de Tiro e Sidônia) e não queria que ninguém soubesse onde ele estava” (Mc 7,24).


Jesus não busca as ações brilhantes nem aplausos nem fama. Ele é sempre o Messias discreto. Deus faz as coisas silenciosamente sem muito barulho. Ele não faz barulho nem busca fazê-lo. Deus está “no murmúrio de uma brisa ligeira” (cf. 1Rs 19,21b). Todas as grandes obras sempre foram e são frutos de um silêncio. Coisas vazias sempre fazem barulhos e o barulho sempre faz mal para a vida. Muitas vezes acontece que as palavras dizem tão pouco. Apenas fazem ruído. Somente no silêncio e na solidão é que podemos escutar o essencial. Não há progresso ou crescimento sem reflexão e silêncio. Por isso, o silêncio e a reflexão se tornam o maior luxo para qualquer lugar e época. A verdadeira ação, na verdade, procede dos momentos de silêncio. O silêncio é a plenitude de vida.


O grandioso do relato do evangelho deste dia é a forma como uma mulher pagã é colocada como modelo de fé entendida no seu sentido mais genuíno e original. Ela se abandona nos braços d’Aquele que vem da parte de Deus e se declara fraca e limitada humanamente diante do problema que afeta a vida de sua filha e conseqüentemente afeta também sua vida como mãe. Sabemos muito bem que a tristeza da filha é a tristeza dobrada para a mãe ou o pai. O sucesso da filha é o sucesso dobrado para a mãe e o pai. A mãe  da filha doente neste texto reconhece a superioridade e poder de Jesus, mostrando ao mesmo tempo a gravidade do problema de sua filha. O problema de sua filha é insustentável. Na sua declaração essa mulher quer dizer a Jesus: “Sem sua ajuda, Jesus, sem seu poder, é impossível eu sair do meu problema!”.


Essa mulher era uma Cananéia, uma pagã, uma estrangeira. Isto quer dizer que se trata de um ser impuro que faz os outros impuros conforme a tradição do Povo eleito na época. Mas isso não serve para Jesus, pois Ele que é o Santo de Deus (Mc 1,24). Como o Santo de Deus, Jesus não pode fazer-se impuro e sim somente para purificar como fez com o leproso e com os pecadores, com os arrecadadores de impostos (publicanos), com a mulher de hemorragia e com os endemoniados. Agora Jesus está em contato com uma mulher duplamente impura: é uma pagã e mora em terra pagã com uma filha possuída pelo demônio. No entanto ela está ali aos pés de Jesus e lhe suplica que tire de sua filha o demônio. Nenhum medo e nenhum costume impedem essa mulher de se aproximar d’Aquele é capaz de salvar a humanidade. Quando uma filha ou um filho ficar doente gravemente, qualquer pai e mãe é capaz de fazer tudo, até o impossível na normalidade, pois para os pais o filho (a) é eles próprios.


Jesus não disse que não pode se aproximar dele. Somente Jesus lhe diz que espere, que tenha paciência, que “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”.


“Filhos - cachorros”, isto é, judeus- pagãos. “Cachorro” é o termo usado para falar dos pagãos e estrangeiros. Cachorro fazia parte dos animais impuros. Na cultura dos judeus, os cães não tinham donos. Como animal impuro, nenhum cão era deixado entrar nas casas.


Ao dizer “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”, Jesus recorre a este termo para dar a entender que os pagãos  não estão excluídos para sempre do banquete de salvação, do banquete dos filhos. Aqui se trata da salvação e da salvação para todos os povos (cf. Is 2,2-5; 25,6). Mas há um “antes” e um “depois” que São Paulo observará em sua Carta para os romanos (Rm 1,16; cf. At 13,46). Mas Jesus aboliu tudo isso no dia de sua ressurreição ao dizer aos discípulos: “Há que proclamar o arrependimento para a remissão dos pecados a todas as nações, a começar por Jerusalém” (Lc 24,47). Em todo caso, o “depois” se antecipa aqui. Aqui Marcos nos mostra que Jesus é para todos e é de todos. Todos tem acesso a Ele. Todos podem aproximar-se d’Ele para que sejam salvos. Todos precisam conhecer Jesus e conversar com Ele, pois Suas palavras são inspiradoras e luz para a vida dos homens.


A mulher pagã confia na justiça e na misericórdia de Deus. Ela não perde sua fé mesmo que os obstáculos sejam grandes e desagradáveis. Por isso, ela responde sabiamente a Jesus: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que as crianças deixam cair”. Quanta fé nas palavras dessa mulher! Quanta humildade e quanta esperança! Ela chama Jesus de “Senhor”. É o titulo pascal ou pós-pascal, usado somente por essa mulher pagã no Evangelho de Marcos para assinalar que essa mulher tem fé e quando há fé, há admissão para a mesa dos filhos. “Ter fé é assinar uma folha em branco, e deixar que Deus escreva o que quer” (Santo Agostinho). “Ter fé não é somente elevar os olhos a Deus para contemplá-Lo, é também olhar a terra com os olhos de Cristo” (Michel Quoist). “A fé nasce no encontro com o Deus vivo, que nos chama e revela o seu amor: um amor que nos precede e sobre o qual podemos apoiar-nos para construir solidamente a vida. Transformados por este amor, recebemos olhos novos e experimentamos que há nele uma grande promessa de plenitude e nos é aberta a visão do futuro. A fé, que recebemos de Deus como dom sobrenatural, aparece-nos como luz para a estrada orientando os nossos passos no tempo” (Papa Francisco: Lumen Fidei- Carta Encíclica).


É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que as crianças deixam cair”. Essa mulher acredita profundamente em Jesus. Acreditar significa confiar-se a um amor misericordioso que sempre acolhe e perdoa, que sustenta e guia a existência, que se mostra poderoso na sua capacidade de endireitar os desvios da nossa história. A fé consiste na disponibilidade a deixar-se incessantemente transformar pela chamada de Deus. Paradoxalmente, neste voltar-se continuamente para o Senhor, o homem encontra uma estrada segura que o liberta do movimento dispersivo a que o sujeitam os ídolos” (Papa Francisco: Carta Encíclica Lumen Fidei).


Pela sua fé verdadeira e profunda e pela perseverança na sua oração essa mulher é premiada pela cura de sua filha. “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”, disse Jesus à mulher.  Fé é crer no que não vemos. O premio da fé é ver o que cremos”, dizia Santo Agostinho (Serm. 43,1,1; cfr. Hb 11,1). A verdadeira fé é uma adesão a uma pessoa (Deus) e não a uma fórmula dogmática.


O evangelho nos mostra a fé de uma mulher que não pertencia ao povo eleito, não pertencia à uma Igreja ou a uma religião, mas tinha confiança e fé no poder de Jesus. Ela pode não pertencer a uma religião ou a uma Igreja, mas ela pertence a Deus pela fé que tem no poder de Deus.


Ser pagão não depende da pertença ou não a uma religião ou a uma Igreja. Ser pagão se define a partir do modo de viver. Por isso, há cristãos pagãos como também há pagãos cristãos. Há cristãos que perdem com facilidade sua fé e vive sem esperança. São “cristãos” pagãos. Há muitos que são considerados pagãos pelos outros, como a mulher Cananéia, mas acreditam no poder de Deus incondicionalmente. São “pagãos” cristãos.


A mulher Cananéia não perde sua fé, não protesta, não se revolta ainda que experimente a humilhação. Ela conseguiu o que pedia, pois ela se abandonava totalmente nos braços de Deus e encarava todos os tipos de obstáculos e dificuldades. Santo Agostinho dizia que muitos não conseguem o que pedem porque são maus de coração e por isso, eles têm que ser, primeiramente, bons. Ou muitos não conseguem o que pedem porque pedem malmente, sem insistência no lugar de fazê-lo com paciência, com humildade, com fé e por amor. Há que esforçar-se por pedir o que bom para todos. A mulher Cananéia é boa mãe, pede algo bom e pede bem. Através do evangelho de hoje o Senhor quer nos mover a termos fé e perseverança e a vivermos na esperança porque Deus nos ama. Deus se vence com fé e não com orgulho. De Deus se obtém tudo com confiança. Em Deus sempre encontra uma acolhida quando cada um se aproxima com humildade e não com auto-suficiência.


Essa mulher é um modelo acabado de fé e oração unidas. Ela chama Jesus de “Senhor”, um título dado a Jesus pós-pascal. Sua fé é orientada para a libertação do próximo, nesse caso de sua filha. E sua oração cumpre aquilo que Jesus pede: a fé, confiança, perseverança e sem desfalecimento.


Ela nos ensina que a fé e a oração devem andar juntas. Quem tem fé em Deus precisa rezar. E quem reza, precisa ter fé. A fé é a atitude básica de qualquer crente, de qualquer cristão, pois ela é a resposta nossa diante da oferta do amor de Deus para nós. A oração evidencia, por sua vez, a presença e a vitalidade de nossa fé em Deus.

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: