sábado, 3 de outubro de 2015

06/10/2015

FAZER TUDO NO ESPÍRITO DA PALAVRA DE DEUS

Terça-feira da XXVII Semana Comum


Evangelho: Lc 10,38-42

Naquele tempo, 38 Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39 Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra. 40 Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41 O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42 Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.
*****************

O texto do evangelho deste dia se encontra na última viagem de Jesus para Jerusalém, pois em Jerusalém, cidade da paz (pelo nome), Jesus será crucificado e morto.  Durante esta viagem Jesus vai dando suas últimas lições para seus discípulos e portanto, para todos os cristãos de qualquer época e lugar.


Sem dúvida nenhuma há uma ligação temática entre o episódio de Marta e Maria (evangelho de hoje) e a parábola do bom samaritano do dia anterior (Lc 10,25-37). O mandamento do amor é duplo: amar a Deus e amar ao próximo. A parábola do bom samaritano responde à questão do amor ao próximo. O amor a Deus exige do homem que escute atentamente a Palavra de Deus para que ele possa falar, agir e fazer tudo de acordo com o espírito da Palavra de Deus. Além disso, ao escutá-la atentamente, a Palavra de Deus abre para o homem o caminho para a vida eterna. O isto significa que o homem não pode preocupar-se apenas com  sua subsistência física ou material, pois tudo isso é passageiro. É preciso que o homem esteja sempre aberto à Palavra de Deus. Quem está aberto à Palavra de  Deus sabe colocar as coisas no seu devido lugar. Esta é a lição que Jesus quer passar hoje para nós.


Jesus nos dá essa lição dentro do contexto de um banquete. Trata-se de um momento familiar e da fraternidade onde as relações se nivelam. Não se diz se havia muitos ou poucos convidados; o que se diz é que uma das irmãs (Marta) andava atarefada “com muito serviço”, enquanto a outra (Maria) “sentada aos pés de Jesus, ouvia a sua Palavra”. Marta, naturalmente, não se conformou com a situação e queixou-se a Jesus pela indiferença da irmã. A resposta de Jesus: «Marta, Marta, andas inquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada», constitui o centro do relato e nos dá o sentido da catequese que, com este episódio, Lucas nos quer apresentar: a Palavra de Jesus deve estar acima de qualquer outro interesse.


A posição de Maria: “Sentada aos pés de Jesus” é a posição típica de um discípulo diante do seu mestre. Isso significa que Jesus tinha discípulas (cf. Lc 8,35; At 22,3). Lucas mostra, neste episódio, que Jesus não faz qualquer discriminação: o fato decisivo para ser seu discípulo/discípula é estar disposto a escutar a sua Palavra e vivê-la na prática. Por isso, Jesus aproveita a ocasião para repreender, não o útil serviço que Marta está prestando, e sim a excessiva inquietação e preocupação que lhe marcam negativamente o agir: “Marta, Marta, tu te inquietas e te agitas por muitas coisas; no entanto, pouca coisa é necessária, até mesmo uma só. Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada”.


Muitas vezes, este episódio foi lido à luz da oposição entre ação e contemplação; no entanto, não é bem isso que aqui está em causa. Lucas não está, nesta catequese, explicando que a vida contemplativa é superior à vida ativa; que o “fazer coisas”, que o “servir os irmãos” não seja mais importante do que a oração; mas significa que tudo deve partir da escuta da Palavra, pois a escuta da Palavra de Deus é que nos projeta para os outros e nos faz perceber o que Deus espera de nós e para que tudo possa ser feito dentro do espírito da Palavra de Deus. Por isso, a contraposição de Marta e Maria não está a nível de vida ativa e vida contemplativa e sim a nível de escuta ou não escuta da Palavra de Deus. Não se contrapõe duas formas de vida e sim duas atitudes que podem dar-se em uma mesma forma de vida, seja ativa ou contemplativa. A escuta da Palavra de Jesus é uma exigência fundamental do amor a Deus.


A vida cristã é esforço, mas também recepção, acolhida. No processo pessoal e comunitário há caminho e repouso, há missão e comunhão, há luta e festa. Estes aspectos não devem ser contemplados como sucessivos e desvinculados entre si e sim como acentos e perspectivas de uma mesma realidade invisível: a fidelidade a Jesus Cristo e à Sua Palavra.


Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”. A fidelidade à Palavra de Deus é um valor jamais comprometido em si mesmo seja qual for a situação do cristão. Para outras coisas podem existir impedimentos, dificuldades internas e externas: enfermidade, situação social, cultura, economia e assim por diante. Mas a fidelidade à Palavra de Deus é o valor sempre “assegurado”. “Esta parte não lhe será tirada”.


É claro que a atitude de Marta que quer atender Jesus com toda classe tem seu mérito. Porém, Lucas quer sublinhar que há outra atitude fundamental que deve ter na vida de cada cristão: é a escuta da Palavra de Deus que é maior do que qualquer coisa, pois trata-se da Palavra d’Aquele que criou todas as coisas. Escutando e vivendo de acordo com a Palavra de Deus nos garante a presença permanente de Deus na nossa vida, pois a Palavra de Deus é sempre maior do que qualquer dificuldade, preocupação ou problema na nossa vida. No episódio de Maria e Marta não há oposição entre ação e contemplação, mas tudo deve ter sua raiz profunda na escuta atenta da Palavra de Deus. Assim, podemos chegar a ser contemplativos na ação ou ativos na contemplação.


Lucas faz, então, de Maria um modelo de discípulo de Jesus em razão da escuta da Palavra de Jesus para viver e fazer as coisas conforme a vontade de Deus. Este é o objetivo central do texto que Lucas quer inculcar a seus leitores. Mal poderemos seguir a Jesus, mal poderemos cumprir o que ele nos pede, se não escutarmos, se não estivermos atentos à Sua palavra. É impossível viver como cristão sem escutar, serenamente, a Deus. A escuta da Palavra pode nos ajudar a re-centrarmos a nossa vida e a redescobrirmos o sentido da nossa existência.


O texto do evangelho deste dia quer nos enfatizar que a atividade cotidiana e o ativismo do serviço ao próximo sempre encontrarão justificativas para preferirmos, sob o pretexto de fazer o bem, não o que devemos, mas o que queremos fazer. Devemos querer aquilo que Deus quer que façamos: no amor, com amor e por amor. O ativismo é a fuga. Muitas vezes é mais fácil enchermos o tempo com as nossas atividades em lugar de deixarmos a eternidade encher o nosso pensar e nosso agir para tudo se torne uma atividade de salvação. A exigência de Jesus é esta: em tudo podemos e devemos, no agir e no contemplar, nos deixar julgar pelo espirito da Palavra de Deus. Que escolhamos esta parte como fez Maria.

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: