segunda-feira, 12 de outubro de 2015

14/10/2015

AMOR E JUSTIÇA ANDAM INSEPARÁVEIS

Quarta-Feira da XXVIII Semana Comum

Evangelho: Lc 11,42-46

Naquele tempo, disse o Senhor: 42 “Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Vós deveríeis praticar isso, sem deixar de lado aquilo. 43 Ai de vós, fariseus, porque gostais do lugar de honra nas sinagogas, e de serdes cumprimentados nas praças públicas. 44 Ai de vós, porque sois como túmulos que não se veem, sobre os quais os homens andam sem saber”. 45 Um mestre da Lei tomou a palavra e disse: “Mestre, falando assim, insultas-nos também a nós!” 46 Jesus respondeu: “Ai de vós também, mestres da Lei, porque colocais sobre os homens cargas insuportáveis, e vós mesmos não tocais nessas cargas, nem com um só dedo”.
_________________

 
Continuamos a ouvir as últimas e importantes lições de Jesus no Seu caminho para Jerusalém (Lc 9,51-19,28). Hoje Jesus nos dá a lição sobre a importância da vivência da justiça e da caridade inseparavelmente. Sem a prática da justiça e da caridade todos os atos religiosos (oração, dízimo, esmola, ritos etc.) ficariam carentes de sentido.


“Ai de vós, fariseus, que pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças e deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Estas coisas era preciso fazer, sem deixar de lado aquelas” (Lc 11,42). Este discurso se encontra também no evangelho de Mateus (Mt 23,23ss).


O texto anterior (Lc 11,37-41) nos mostra que a verdadeira pureza de vida não consiste em observar todas as regras de purificação externa (cuidar apenas da aparência) que resulta na hipocrisia (viver como um ator diante de uma platéia) e sim em amar a Deus que se traduz na caridade fraterna e no respeito pelo outro. Chegamos até Deus através do próximo (cf. Mt 25,31-45). Eu sou ocasião de salvação para o outro e o outro é ocasião de salvação para mim.


No texto do evangelho lido neste dia Jesus volta a criticar os fariseus (e os escribas) porque invertem o valor das coisas. Pagar o dízimo faz parte da religiosidade do povo. É o que os fariseus fazem. Eles acham que com o pagamento do dízimo eles poderiam ficar tranqüilos diante de Deus (como se comprasse Deus com algo tão terreno). No entanto, os fariseus não se preocupam em amar a Deus verdadeiramente e em praticar a justiça para com o próximo. Conseqüentemente, o pagamento de dízimo carece de sentido e se torna um exibicionismo. Eles continuam a praticar a injustiça contra o próximo e a cultivar a vanglória. Deste jeito, eles vivem como hipócritas. “Ai de vós, fariseus, que pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças e deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Estas coisas era preciso fazer, sem deixar de lado aquelas”, são palavras de Jesus com um tom profético que denuncia a injustiça e o desamor contra o próximo. Jesus condena a falsidade das práticas legais que não visam à justiça dos mais necessitados. A denúncia sobre a falsidade na prática das leis sagradas, mas que não se leva em conta as pessoas necessitadas se encontra nas palavras do profeta Habacuc (Hab 2,6-20) onde ele enfatiza que no coração de quem recebeu a circuncisão da mão de Deus (cf. Dt 30,6) não pode haver a falsidade. Deus quer os homens pratiquem a justiça e a caridade com os mais pobres, os órfãos para alcançar sua misericórdia (cf. Is 1,10-20).


Jesus quer tirar os fariseus e escribas de seu pecado e os leva à conversão. O pecado dos fariseus está em colocar escrupulosamente a importância nas normas insignificantes enquanto desprezam o essencial; em querer aparecer como reprováveis para serem honrados como piedosos (cf. Mt 23,6-7; Mc 12,38-39). Nessa advertência de Jesus está seu convite para todos os seus seguidores. Os discípulos de Jesus (cristãos) devem valorizar as coisas segundo sua importância. Não devem desprezar o pequeno por ser pequeno, mas devem centrar seu esforço no fundamental: a justiça e o amor a Deus e ao irmão.


Amor e justiça andam como uma moeda de dois lados. Quem ama, pratica a justiça. Quem não ama, pratica a injustiça. Com efeito, todas as injustiças são conseqüências da falta de amor. Você comete a maior injustiça quando não ama. Por isso, o mais importante não é você ser reconhecido socialmente e sim seu comportamento com as pessoas (amor e respeito) e com as causas justas.


A caridade (amor) é sempre maior do que a justiça. A justiça é o reconhecimento do direito do outro. Dar ao outro o que é dele é a justiça. A caridade (amor) é dar ao outro o que é meu. Mas para dar ao outro o que é meu, eu preciso respeitar o que é do outro. O Papa Bento XVI, na sua encíclica Caritas In Veritate escreveu: “A caridade supera a justiça, porque amar é dar, oferecer ao outro do que é ‘meu’; mas nunca existe sem a justiça, que induz a dar ao outro o que é ‘dele’, o que lhe pertence em razão do seu ser e do seu agir. Não posso ‘dar’ ao outro do que é meu, sem antes lhe ter dado aquilo que lhe compete por justiça. Quem ama os outros com caridade é, antes de mais nada, justo para com eles. A justiça não só não é alheia à caridade, não só não é um caminho alternativo ou paralelo à caridade, mas é ‘inseparável da caridade’, é-lhe intrínseca. A justiça é o primeiro caminho da caridade...”  (no.6).


O amor sempre oferece ao outro o que lhe falta, mas o egoísmo devora tudo que o outro tem. E nunca o egoísmo é tão prejudicial, como quando se disfarça de amor. Quem não sabe se amar, não cresce. Quem não aprende a amar, não deixa que os outros cresçam. O amor nunca morre porque é o nome próprio de Deus (1Jo 4,8.16), isto é, Sua própria essência. As caricaturas do amor é que não duram muito tempo. A felicidade está em amar e em ser amado. Somos felizes quando amamos e quando somos amados. O ardor do amor abre os corações.


E a justiça não é questão de números e quantidades e sim de amor. Você pratica a justiça não é com o objetivo de alcançar a perfeição para si e sim para que você não trate seu irmão (próximo) injustamente. Se você buscar a justiça escutando seus irmãos, você se sentirá em dívida todos os dias. O amor é a única dívida que mesmo depois de paga nos mantém como devedores” (Santo Agostinho).


Portanto, o ser humano cresce, a comunidade e a comunhão se criam, a fraternidade se vive quando o amor e a justiça têm voz e vez nas relações interpessoais. Outras coisas são importantes, mas o amor e a justiça são muito mais importantes e são essenciais para quem acredita verdadeiramente em Deus e para quem quer viver como um verdadeiro ser humano. Por isso, jamais podemos deixar de lado a justiça e o amor de Deus na nossa vida como cristãos. Praticamos a justiça não para que sejamos perfeitos e sim para que o irmão não seja tratado injustamente. E nada compromete tanto como o amor, pois o amor é o nome próprio de Deus (cf. 1Jo 4,8.16) e seremos julgados a partir do amor fraterno que praticamos ou deixamos de praticar (cf. Mt 25,40.45).

P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: