sábado, 17 de outubro de 2015

21/10/2015
VIGILÂNCIA E NOSSA RESPONSABILIDADE

Quarta-Feira da XXIX Semana Comum


Evangelho: Lc 12, 39-48

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 39 “Ficai certos: se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40 Vós também ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. 41 Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?” 42 E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? 43 Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44 Em verdade eu vos digo: o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. 45 Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46 o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. 47 Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. 48 Porém, o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”.
______________

Viver Na Permanente Vigilância


Estamos acompanhando Jesus no seu caminho para Jerusalém (Lc 9,51-19,28), ouvindo atentamente suas últimas e mais importantes lições para todos os cristãos, seus seguidores.


Na passagem do evangelho de hoje Jesus continua a falar sobre a vigilância, como no evangelho do dia anterior (cf. Lc 12,35-38).


“Ficai certos: se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. Vós também ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”.


Novamente o Senhor nos pede para que estejamos vigilantes permanentemente. Vigiar significa estar constantemente alertas, despertos à espera. Significa viver uma atitude de serviço. Por isso, implica luta, esforço e renúncia. Não é em modo algum falta de compromisso ou indiferença. Trata-se, em outras palavras, de adquirir um certo modo de orientar nossa atenção para o que é verdadeiramente importante e essencial para nossa existência e para nossa salvação. Porque não sabemos do quando da chegada do Senhor do tempo e da vida, nós precisamos estar preparados vivendo nossa vida com responsabilidade. O alerta do Senhor sobre a vigilância quer nos relembrar sobre a provisoriedade de nossa existência aqui neste mundo. Tudo será deixado, mas que sejamos levados pelo Senhor para onde Ele estiver (cf. Jo 14,3).


Concretamente podemos dizer que vigiar significa pôr em prática as palavras de Jesus, especialmente o mandamento do amor. Significa enfrentar a tentação do egoísmo, que nos leva a convencer-nos da inutilidade de fazer o bem. Significa acreditar que vale a pena lutar para construir o Reino de Deus, a exemplo de Jesus, num mundo onde a injustiça e a maldade parecem falar mais alto. Significa estar sempre disposto a perdoar e a se reconciliar, revertendo a espiral da violência que assume proporções sempre maiores. Significa ser capaz de detectar tudo quanto possa desviar nossa atenção do convite de Deus para o encontro definitivo com Ele. Significa estar vigilante no que se deve falar e no que não se deve: ser vigilante nos comentários, nos julgamentos etc.. Vigiar é aprender a falar o necessário e fazer o mais essencial para nossa salvação. Vigiar significa não perder tempo para as coisas secundárias para assumir o que é fundamental para nossa vida e salvação.


Viver Com Responsabilidade


“A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”


Mais uma vez Jesus exorta à vigilância, especialmente a todos os responsáveis da comunidade (v.41). Eles têm o encargo especial de velar pelos outros, como diz o autor da primeira Carta de Pedro (1Pd 5,2-4): “Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação; não como dominadores absolutos sobre as comunidades que vos são confiadas, mas como modelos do vosso rebanho. E, quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de glória”.  Isto quer dizer que os outros são as ovelhas do Senhor (cf. Jo 21,15-17: “Apascenta as minhas ovelhas, diz o Senhor). Cuidar de cada ovelha do Senhor com carinho e responsabilidade é a manifestação do respeito pelo dono das ovelhas que é o próprio Senhor. Quem cuida das ovelhas deve estar consciente de que ele também é a ovelha e faz parte do próprio rebanho, mas com a função de velar sobre o resto do rebanho. A liderança eclesial tem o dever de dar testemunho de fé robusta que se expressa em cuidar bem dos irmãos que são ovelhas do Senhor.


Os que cuidam dos irmãos, ovelhas do Senhor, têm muito mais responsabilidade do que qualquer outro membro na comunidade. A palavra “responsabilidade” tem sua origem etimológica no latim: “respondere” que significa “prometer”, “garantir”. O que garante a responsabilidade são os valores. Ter responsabilidade significa ser coerente com os próprios atos, com os valores reconhecidos. Através dos valores o ser humano descobre e desenvolve seu sentido de vida. Responsabilizar-se significa elevar a própria existência para uma dimensão superior. Só poderemos fazer isso se vivermos de acordo com os valores reconhecidos universalmente e principalmente reconhecidos pelo próprio Senhor, Juiz do universo (cf. Mt 25,40.45).
 


A tentação típica do ministério é a de esquecer-se de que todos, na comunidade, são apenas administradores. Temos tentação de atuar como se fosse dono das ovelhas do Senhor. É a tentação de explorar os outros e a de apascentar-se a si mesmo. Não se deve esquecer de que todos haverão de prestar contas diante de Deus. Cada administrador do Senhor recebeu encargo de maior responsabilidade. Mas recebeu também dons correspondentes. A medida da exigência de Deus aos homens se regula conforme à medida dos dons que se outorgou a cada um. Tudo que o homem recebeu é um capital que lhe é confiado para que trabalhe com ele: “A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”. Isto quer dizer que quanto mais alguém se aproxima de Jesus e se deixa interpelar por Ele, mais responsabilidade ele deverá ter de colocar em prática os ensinamentos de Jesus. Ao contrário, ele terá motivos sérios para ficar inquieto, pois chegará um dia para prestar contas.


Para qualquer cargo ou tarefa na comunidade se requer fidelidade e sensatez. Fidelidade porque cada um é apenas um administrador pelo qual deve trabalhar conforme a vontade do Senhor. Sensatez porque não deve perder de vista que o Senhor pode vir repentinamente e pedir-lhe contas. A vinda do Senhor é certa, o momento é incerto. Estejamos, então, vigilantes!


Portanto, a parábola do administrador, no evangelho deste dia, nos mostra que o tempo da espera da chegada da segunda vinda do Senhor é preciso, como tempo de serviço, porque o Reino de Deus se reflete já de forma decisiva em nossa vida. A todos é confiado um tipo de serviço no tempo dessa espera. A riqueza do Reino de Deus se traduz para todos a maneira de amor que dirige aos outros. Aquele que recebeu o grande tesouro que lhe faz rico para Deus começa a ser imediatamente fonte de amor para os demais homens.



A expectativa da vinda do Senhor que é inesperada ou o momento que é desconhecido e repentina, deve criar em nós uma forte consciência da responsabilidade nas tarefas que nos foram encomendadas. A consciência de sermos administradores e não donos deve nos levar a conceber nossa liberdade em termos de responsabilidade. Todas as nossas tarefas, portanto, concernem à administração dos bens que o Senhor nos confiou. A falta de responsabilidade é, no fundo, uma falta da vivência de fé diariamente.


As graças e as funções concedidas por Deus a cada um de nós não podem ser concebidas como uma honra, e sim como um dever a cumprir em favor do bem de todos para que todos possam chegar à comunhão plena com Deus na eternidade. Isso leva cada um a viver na fidelidade e na prudência.


Portanto, segundo Jesus no evangelho de hoje, a vida dos cristãos deve ser caracterizada por duas atitudes principais: a vigilância e a responsabilidade, porque o cristão é uma pessoa voltada para o futuro do qual espera a salvação. Por isso, ele deve estar preparado em todos os momentos. O futuro de um cristão não é uma utopia anônima. O futuro de um cristão tem nome e um rosto preciso: Jesus Cristo, o Salvador, Juiz do universo.


Fica a seguinte pergunta: Onde é que Deus não chegou ainda na minha vida? Porque Deus está onde eu O deixo entrar. Onde Deus for expulso, entram a agressão, violência, desunião, discórdia, divisão, corrupção, desonestidade, e assim por diante, Qual parte da minha vida que eu não deixo ainda que Deus entre?
 
P. Vitus Gustama,svd
 

Nenhum comentário: