quinta-feira, 24 de dezembro de 2015


Maria, Mãe de Deus, 01/01/2016




SANTA MARIA, MÃE DO PRÍNCIPE DA PAZ
SOLENIDADE


Primeira Leitura: Nm 6,22-27


22 O Senhor falou a Moisés, dizendo: 23 “Fala a Aarão e a seus filhos: Ao abençoar os filhos de Israel, dizei-lhes: 24 ‘O Senhor te abençoe e te guarde! 25 O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti! 26 O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz!’ 27 Assim invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei”. 


Segunda Leitura: Gl 4,4-7


Irmãos: 4 Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, 5 a fim de resgatar os que eram sujeitos à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva. 6 E porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: Abá — ó Pai! 7 Assim, já não és escravo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro: tudo isso por graça de Deus.


Evangelho: Lc 2,14-21


Naquele tempo, 16 os pastores foram às pressas a Belém e encontraram Maria e José, e o recém-nascido deitado na manjedoura. 17 Tendo-o visto, contaram o que lhes fora dito sobre o menino. 18 E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam. 19 Quanto a Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração. 20 Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo que tinham visto e ouvido, conforme lhes tinha sido dito. 21 Quando se completaram os oito dias para a circuncisão do menino, deram-lhe o nome de Jesus, como fora chamado pelo anjo antes de ser concebido.
-------------------------

Hoje é o Dia mundial da Paz e a festa da Santa Maria, Mãe de Deus. E o evangelho lido neste dia é tirado do relato do nascimento de Jesus. Quem gerou o Príncipe da Paz é, certamente, Maria, Mãe de Deus. A Paz se fez carne pelo sim de Maria e pela benevolência de Deus simultaneamente. O nascimento do Príncipe da Paz faz os anjos e a multidão do exército celeste louvarem e cantarem o hino conhecido liturgicamente como o Hino da Glória: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens que Ele ama” (Lc 2,14).


Maria, Mãe De Deus É O Retrato De Uma Nova Mulher


Na anunciação Maria é convidada pelo anjo a alegrar-se por causa da graça: “Alegra-te, ó cheia de graça” (Lc 1,280) e é convidada a não ter medo, devido à mesma graça: “Não tenhas medo, Maria, pois achaste graça” (Lc 1,30). No início, Maria não é chamada pelo nome, mas o Anjo do Senhor chama-a simplesmente de “cheia de graça”. Na graça se encontra a identidade mais profunda de Maria. A graça de Maria está certamente em função daquilo que vem depois no anúncio, a sua missão de Mãe do Messias, mas também como uma pessoa tão cara para Deus desde a eternidade. A graça na linguagem grega (charis= graça) significa aquilo que dá alegria (charà= alegria). A razão principal da alegria de Maria e de nossa alegria é a graça de Deus. Além disso, a graça de deus é a razão do ser de Maria e de nosso ser, como diz São Paulo: “Pela graça de Deus, sou o que sou” (1Cor 15,10). A graça de Deus também é a razão da coragem de Maria e de nossa coragem. Quando São Paulo se queixava do agulhão, Deus respondeu: “Basta-te a minha graça” (2Cor 12,9). Por isso, a exemplo de Maria, Mãe de Deus, é preciso fazer o possível para renovar cada dia o contato com a graça de Deus que está em nós. Trata-se de entrar em contato com uma pessoa, uma vez que a graça não é senão Cristo em nós, esperança da glória.


Por tudo isso, Maria é a nova Mulher e representa a nova mulher. Como Maria, Mãe de Deus, a Igreja e a sociedade necessitam da mulher consciente, adulta, cheia de amor e de amizade cristã. As crianças, os jovens e os adultos necessitam de mães cheias de mensagens de Deus, portadoras dos valores eternos e firmes. Ser nova mulher é fazer do lar uma pequena comunidade de fé de amor. Ser nova mulher é testemunhar a sinceridade, a lealdade e a autenticidade em casa e na vida pública, é ser uma pessoa de Deus, de oração e de meditação, ser pessoa apegada à verdade. A nova mulher salva, edifica, pacifica, educa, santifica e transforma. Nova mulher é aquela que diz “sim” ao filho que vai nascer. É aquela que diz “sim” à educação cristã e humana dos filhos. É aquela que diz “não” à malícia, à astúcia, à mentira, à violência, ao aborto.


Se toda a mulher for a nova mulher junto com o novo homem, a família terá mais amor, serenidade e ternura. Por tudo isso, temos razão de olhar para a Mãe de Deus, que fez nascer a Paz para este mundo e dirigir a nossa oração: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores agora e na hora de nossa morte. Amém”    


Maria É a Mãe Do Príncipe Da Paz


Com o nascimento do Verbo Divino, Jesus Cristo, através do SIM de Maria pela benevolência de Deus, a distância entre o Criador e a criatura, simbolizada pela menção do “céu” e da “terra”, é superada pela nova e definitiva Aliança de Deus com os homens em Jesus Cristo. Jesus, o Verbo encarnado, une o céu e a terra. O Deus “nas alturas” inclina-se sobre a “terra” dos “homens” por pura benevolência de Deus. O nascimento de Jesus é a expressão mais profunda do amor de Deus pelos homens, objeto do seu bem-querer. Jesus é a Palavra de graça e de salvação de Deus. Jesus é a última Palavra de Deus para os homens. Depois que o céu desceu à terra pela encarnação do Verbo eterno, o céu e a terra estão indissoluvelmente unidos. A salvação está na união do céu e da terra. Para que estejamos mais unidos entre nós na terra, e para que aconteça a salvação, temos que estar unidos com o céu.


Além disso, o texto quer nos mostrar que a origem e o fundamento da “paz na terra” estão na benevolência de Deus ou no seu bem-querer. A raiz última do desígnio salvífico de Deus está na sua benevolência. O evangelista Lucas certamente quer nos transmitir um Deus que não é um juiz frio e distante, que não se comove com o sofrimento humano, mas o Deus que “desce” ao encontro dos homens que ele ama, que respeita nossa liberdade, mas que espera nossa resposta ao amor que ele nos oferece. Deus nos quer bem, não porque nós somos bons e justos, mas porque Ele é bom, justo e misericordioso. Ao aceitar o Deus da bondade e da justiça seremos bons e justos também para com os outros. Por este tipo de Deus que o evangelista Lucas nos transmite é que o seu evangelho é conhecido como o Evangelho da graça, da misericórdia e da ternura. Por mais duro que seja um coração, ele não encontrará nenhuma resistência diante da ternura e da misericórdia de Deus. A nossa felicidade nesta terra, e a nossa segurança na caminhada diária estão na fé, na esperança e na certeza do amor absolutamente gratuito de Deus para conosco e na nossa acolhida deste amor gratuito. A paz anunciada pelos anjos aos pastores e que eles a acolhem fazem os mesmos irem “às pressas” a Belém para encontrar-se com o Príncipe da paz e saírem correndo para anunciá-la para os outros, pois a graça de Deus não permite a demora e não permite uma vida parada.


Portanto para que a paz anunciada pelos anjos reine verdadeiramente na terra é necessário que se realize uma única condição: que o coração humano se abra ao amor de Deus e o acolha. Nada tem uma força tão transformadora como o Evangelho da justiça, da misericórdia e da paz de Deus, quando ele é acolhido e testemunhado com um coração aberto a Deus e aos homens que Deus ama. Ao contrário, todo poder constituído sobre o egoísmo e  a arrogância, sobre a prepotência e a opressão tem apenas os pés de barro. Cedo ou tarde ele desmorona.


No início do Ano Novo, certamente, nós desejamos a paz mutuamente. Não é por acaso que neste dia lemos como a primeira leitura um trecho do Livro de Números (Nm 6,22-27) que contém a bênção usada pelos sacerdotes no encerramento das celebrações litúrgicas no Templo: “Deus te abençoe e te guarde! Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te seja benigno! Deus mostre para ti a sua face e te conceda a paz!” A cada uma das três invocações são acrescentados dois pedidos de bênção. É um dos textos mais ricos teologicamente e de maior elegância literária de todo o Pentateuco. As três versículos (v. 24; v.25; v.26) são paralelos entre si, tanto na forma como no conteúdo. E nos três versículos repete-se de forma explícita o nome de Deus para mostrar que a fonte e o princípio de toda a bênção é Deus; o sacerdote é apenas o mediador.


No v. 24 emprega-se os verbos “abençoar” e “guardar”. “Abençoar” e “bênção” são os termos clássicos empregados pelo AT para exprimir toda espécie de bens e de dons, tanto de ordem natural quanto de ordem sobrenatural. “Guardar” exprime a proteção de Deus que acompanha seu povo para defendê-lo de suas adversidades e salvá-lo de suas desventuras.  Se Deus quer nos proteger sempre, por nossa vez, devemos saber proteger os outros e desejar a bênção para os mesmos. Pois a bênção dada é a bênção recebida.


No v.25 usa-se uma fórmula de caráter antropomórfico (isto é, a descrição da essência e dos atributos divinos através do uso da figura humana; ou dar o rosto humano ao rosto divino. Tudo isto é o sinal da pobreza da linguagem humana para descrever a grandeza de Deus): Deus faça resplandecer o seu rosto sobre ti e conceda-te sua graça (ou seja, seus favores e seus benefícios)! Esta expressão pode-se encontrar nos Salmos (cf. Sl 79,4.8.20; Sl 66,2). Um rosto resplandecente é a expressão da bondade e da benevolência de Deus. Para que possamos irradiar os outros com a resplandecência de Deus, temos que contemplar “a face” de Deus, como os olhos que só funcionam quando existe a luz, pois na escuridão, embora tenham-se os olhos sadios, não podem enxergar nada.


No v. 26 pede-se a paz: “Deus mostre para ti a sua face e te conceda a paz!” Esta invocação final “te conceda a paz” junto a primeira “te abençoe” é mais densa teologicamente porque os dois termos “bênção” e” paz” (shalom) são uma expressão mais plena dos bens da salvação no sentido mais pleno da palavra: os bens do céu e os bens da terra, a saúde do corpo e a saúde da alma, a prosperidade e a felicidade sem limites, a vida, a alegria, a plenitude e satisfação dos anseios e desejos mais profundos do homem, tanto nas relações inter-humanas como em sua projeção para Deus. Não é por acaso que o povo semita deseja entre si com a saudação “Shalom” pois o “Shalom” condensa todo o bem que se pode desejar a uma pessoa.


O povo grego traduz o termo hebraico “Shalom” por “eirene” que significa prosperidade, mas também repouso, tranquilidade de alma. Para os gregos, a paz é um estado de tranquilidade. Não há conflito. Neste estado de tranquilidade e paz, o ser humano pode criar uma existência segura e consequentemente ele pode alcançar a prosperidade. O termo “eirene” também tem a ver com a harmonia: tudo combina com tudo, formando um todo coeso. Se tudo está em ordem para o homem, ele pode conviver harmoniosamente com seus irmãos e irmãs. A paz é por isso, é uma tranquilidade da ordem onde cada um ocupa seu lugar e exerce seu próprio papel com responsabilidade e com justiça.


Os latinos, especialmente os romanos, traduzem o “Shalom” por “Pax” de onde vem a palavra paz em português. O termo “Pax” vem de “pacisci”, que significa conduzir negociações, firmar um pacto, concluir um contrato. Para os romanos a paz nascia na medida em que eles falavam entre si e chegavam a um acordo a partir de regras comuns. Na aliança firmada, ambas as partes se comprometiam a observar acordos comuns. A paz para os romanos, então, deve ser conquistada por meio de um acordo comum a partir de princípios iguais. Quando se trata da paz como um pacto por meio de um acordo comum a partir de princípios iguais, isto supõe que as pessoas devam se falar para que surja a paz. Isto quer dizer que a paz só nasce quando um escuta o outro, quando um dá a atenção ao outro e quando, nesse ouvir comum, surge um compromisso com o qual todos podem viver bem harmoniosamente.


Apesar de tudo isto, Deus sabe que o homem, por si mesmo, não é capaz de ter a paz consigo mesmo, com a criação e com os outros sem a presença do Príncipe da Paz. Por isso, o próprio Deus envia seu Filho, Jesus Cristo, o Príncipe da Paz. A paz é um dom de Deus para o ser humano. O evangelista Lucas anuncia Jesus como o Imperador da paz, pois traz a paz para o mundo inteiro, sem armas, apenas através do amor: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, diz Jesus aos seus seguidores (cf. Jo 15,12). Quando ele nasceu, os anjos anunciaram ao mundo a paz sobre a terra: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que ele ama”. Os anjos nos convidam a abrirmos os nossos olhos e o nosso coração para a paz que Deus nos oferece através de glorificação de seu nome sobre a terra. Se a glória de Deus não ocupar o lugar principal na convivência humana, a humanidade carecerá de paz verdadeira. Se o ser humano der espaço para que o Príncipe da Paz, Jesus Cristo reine seu coração, os seus nervos se tranquilizam. Com a paz de Deus, os oprimidos ganham força, os aflitos e desesperados o alento e esperança, os desorientados a direção, os que estão na escuridão a luz, os inimigos a reconciliação, e os pecadores o perdão. Por isso, a paz é o maior dom que você recebe de Deus e o maior presente que você pode ou possa dar para os outros.


Para que a paz possa reinar nossa vida temos que ficar desarmados em todos os sentidos. Não são só os outros que estão armados. Cada um tem o seu próprio coração armado, à defensiva por causa da soberba, e agressivo por causa da ambição de poder e de domínio. Enquanto não estivermos desarmados completamente por dentro e por fora, falar da paz é uma perda de tempo e energia, pois a paz verdadeira está longe de nós. Enquanto não estivermos em paz com Deus, com a nossa consciência, com os de casa e resto dos familiares, com os vizinhos, amigos, companheiros de trabalho é inútil abrirmos a garrafa de champanhe ou vinho. Não há paz sem fraternidade, justiça, amor e perdão. É urgente ficarmos desarmados completamente por dentro e por fora. Única “arma” permitida na convivência é o amor mútuo, pois ele é o maior de todos os mandamento e o resumo da vida eterna.


Que Maria, a Mãe do Príncipe da Paz, interceda por nós para que, como ela, possamos também ser geradores ou construtores da paz neste mundo. Como dizia Sto. Agostinho: “Não basta ser pacífico. É necessário ser “promotor da paz” (Serm. 357,1). A paz entre o homem e Deus é a harmonia da obediência do homem à vontade de Deus. A paz de todas as coisas é a tranquilidade da ordem” (Cidade de Deus, 19,13,1).


P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: