quarta-feira, 30 de março de 2016

02/04/2016




SER EVANGELIZADOR É SER IGREJA EM SAÍDA


Sábado da I Semana da Páscoa


Primeira Leitura: At 4,13-21


Naqueles dias, os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas 13 ficaram admirados ao ver a segurança com que Pedro e João falavam, pois eram pessoas simples e sem instrução. Reconheciam que eles tinham estado com Jesus. 14 No entanto viam, de pé, junto a eles, o homem que tinha sido curado. E não podiam dizer nada em contrário. 15 Mandaram que saíssem para fora do Sinédrio, e começaram a discutir entre si: 16 “Que vamos fazer com esses homens? Eles realizaram um milagre claríssimo, e o fato tornou-se de tal modo conhecido por todos os habitantes de Jerusalém, que não podemos negá-lo. 17 Contudo, a fim de que a coisa não se espalhe ainda mais entre o povo, vamos ameaçá-los, para que não falem mais a ninguém a respeito do nome de Jesus”. 18 Chamaram de novo Pedro e João e ordenaram-lhes que, de modo algum, falassem ou ensinassem em nome de Jesus. 19 Pedro e João responderam: “Julgai vós mesmos, se é justo diante de Deus que obedeçamos a vós e não a Deus! 20 Quanto a nós, não nos podemos calar sobre o que vimos e ouvimos”. 21Então, insistindo em suas ameaças, deixaram Pedro e João em liberdade, já que não tinham meio de castigá-los, por causa do povo. Pois todos glorificavam a Deus pelo que havia acontecido.


Evangelho: Mc 16,9-15


9Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios. 10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus, que estavam de luto e chorando. 11Quando ouviram que ele estava vivo e fora visto por ela, não quiseram acreditar. 12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo. 13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros. Também a estes não deram crédito. 14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado. 15E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”
-------------------------


Todos os especialistas concordam que o texto lido neste dia foi acrescentado ao evangelho de Marcos posteriormente para preencher a ausência das aparições de Jesus após a ressurreição, as quais relataram os outros evangelhos e outros textos do Novo Testamento. A exegese moderna reconhece a canonicidade deste texto, mas nega sua autenticidade como o de Marcos. O próprio evangelho de Marcos termina em Mc 16,8. Esse acréscimo aconteceu ainda na época apostólico.
--------------------


O texto nos relatou a aparição de Jesus aos Onze discípulos que aconteceu durante a refeição. A refeição é o momento fraterno, momento de partilha durante o qual se estreitam os laços de amizade, de família e de fraternidade mesmo que a qualidade daquilo que se come e se bebe esteja longe de seu valor nutritivo. O momento da refeição é o momento sagrado. É o momento de dar graças a Deus pela terra, criada por Deus, que produz o alimento e pela colaboração do homem em cultivar a terra para produzir alimentos para todos. Por isso, a ausência de um membro da família é bastante sentida nesses momentos, especialmente nos dias comemorativos.


Um dos sacramentos instituídos por Jesus é, precisamente, o sacramento da “refeição fraterna” chamado a Eucaristia. É preciso que a nossa participação na Eucaristia reflita nossas refeições familiares e fraternas em nossas famílias e em outras ocasiões comemorativas. E que a Eucaristia da qual participamos reflita também nas nossas refeições familiares e na convivência mais fraterna com os demais.


Durante a refeição é que o Senhor deu aos Onze discípulos o mandato de anunciar a Boa Nova para o mundo inteiro (toda criatura): “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”.  O mandato de ir pelo mundo inteiro para evangelizar dado durante a refeição nos quer enfatizar que toda a atividade de evangelização deve ser feita no espírito de fraternidade e familiaridade, pois todos nós somos filhos e filhas do mesmo Pai celeste pela participação na filiação divina de Jesus Cristo que nos deu o mandato de proclamar a Boa Nova aprofundando nosso laço de fraternidade entre todos. Evangelizar, neste sentido, significa transformar todos em uma família cujo Deus é o Pai de todos. Consequentemente, todos são irmãos. Se todos são irmãos e irmãs, filhos e filhas do mesmo Pai celeste, logo ninguém pode explorar ninguém, ninguém pode prejudicar ninguém. Ao contrário, todos tem que ajudar todos. Um tem obrigação de proteger o outro. O livro dos Atos dos Apóstolos resume este pensamento nos seguintes termos: “A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma” (At 4,32).  Essa harmonia de coração e alma é a manifestação do altruísmo sincero em que um se preocupa com a necessidade do outro. Isto supões a renúncia aos próprios interesses em função do bem comum. Graças aos Apóstolos chegou até nós a Boa Nova. E por nossa vez, devemos levar adiante a evangelização.


Os apóstolos são testemunhas da grande mensagem da ressurreição, e sua pregação está em torno da ressurreição do Senhor. E os apóstolos se defenderam com valentia diante do tribunal como lemos nos Atos dos Apóstolos. A fé e o contato cotidiano com a Palavra de Deus são capazes de transformar os mais humildes em homens valentes e seguros de si mesmos, como narra a Primeira Leitura de hoje e as Primeiras Leituras anteriores desta semana. É a valentia que nasce da liberdade da fé. Os apóstolos (acusados) eram gente simples e sem cultura, mas os homens seguros e valentes, intérpretes da Escritura e pregadores que passaram de acusados para acusadores. Não havia ordens nem ameaças capazes de os fazerem calar porque a força irresistível de Deus estava com eles. Os seus adversários se encontraram em nítida dificuldade ou em beco sem saída, e pretendiam ocultar fatos. Mas os fatos, como a cura do coxo (cf. At 4,13-21), falam ou se argumentam por si mesmos. Negar os fatos tão evidentes é considerar-se como mentiroso, cego ou manipulador, fruto de um autoritarismo e arrogância que por trás de tudo isso se esconde algum interesse pessoal ou coletivo, ou sente-se ameaçado nos seus negócios interesseiros. Mas quem vive no bem e do bem reconhece facilmente a presença da verdade onde estiver. Viver de acordo com a verdade é viver na liberdade e na leveza: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Quem vive de acordo com a Palavra de Deus vive na verdade e conforme a verdade. Mas a verdade é para ser dita com caridade a fim de ganharmos os outros para Deus e para o bem maior.


A exemplo dos apóstolos, não podemos mais calar. A força interior dos apóstolos deve nos impressionar para dar testemunho. Nem as ameaças, nem as humilhações nem as torturas podem nos parar no nosso testemunho. Nenhum cristão se venda em nome dos interesses financeiros ou posição. Valor de cada cristão é incalculável, pois o preço de cada cristão é o sangue derramado de Jesus na cruz.


Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”. O objeto último de nossa fé não é um fato verificável por uma investigação histórica. Isso até pode nos ajudar uma parte. Mas nossa fé é esta: damos testemunho de que hoje para nós e para toda a humanidade, Jesus vive na situação de Ressuscitado e já não experimenta as limitações da condição humana. Homem entre os homens, o Nazareno, como nós, via limitado seu universo por suas possibilidades de contato e de intercâmbio. Hoje, ressuscitado, Jesus supera as fronteiras humanas e geográficas. Jesus ressuscitado se encontra com todos os homens de todos os tempos em cada coração que ama. Ao confessar a ressurreição do Senhor damos testemunho de que tudo está sob o movimento do Espirito Santo, o Espirito que Jesus soprou para os apóstolos depois de sua ressurreição (cf. Jo 20,22-23).


Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”. Os Onze discípulos que saem para proclamar o evangelho pelo mundo são uns indivíduos duplamente culpáveis. São culpáveis de ter abandonado o Mestre durante a Paixão. São culpáveis também pela sua incredulidade depois da ressurreição, como relatou o evangelho de hoje: “Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado”. Mas Deus sempre nos surpreende. Como se Jesus Ressuscitado não quisesse saber mais o passado dos discípulos, pois precisamente para estes discípulos culpáveis é que Jesus dê este mandato: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”.  É levar a mensagem que não pertence aos discípulos, mas pertence a Jesus Cristo. Como se jesus dissesse a eles: “Não percam mais tempo. Agora saiam para levar a boa Notícia para os outros. Para o mundo inteiro!”. Isto significa que eles devem se apoiar totalmente em Jesus Cristo permanentemente para ser fieis à mensagem do Senhor. Se não se apoiar em Jesus Ressuscitado acontecerão novamente a traição e a incredulidade. Quem prega não é porque seja melhor e mais inteligente do que os demais e sim por reconhecer-se pecador que recebeu o perdão de Deus e por ser incrédulo que foi libertado da incredulidade.


 Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura”. Pregar é o dever da Igreja. Isto quer dizer que é o dever de cada cristão. Cada cristão tem dever de transmitir a história da Boa Nova de Jesus para todos os que nunca a ouviram ou ouviram muito pouco. O dever do cristão é ser o mensageiro de Jesus. Cada cristão é, então, o mensageiro de Cristo neste mundo. E cada cristão tem que usar todos os meios ao seu alcance para propagar a Palavra de Deus: homilia, catequese, meios de comunicação, literatura, arte, festas e convivência. Mas é o anúncio respeitoso, sem impor, mas convidando; sem ameaçar, mas ofertando a salvação que liberta.


São Francisco nos aconselhou com as seguintes palavras: “Pregai sempre o Evangelho e, se for necessário, também com as palavras”. A atitude, o testemunho de vida, as obras precedem as palavras no anúncio do Evangelho. No anúncio, nossas palavras não podem ultrapassar nossas ações ou nosso testemunho de vida. Um provérbio latino diz: “Verba movent, exempla trahunt” = “As palavras movem, os exemplos arrastam”.  “A missão não se limita a um programa ou projeto, mas é compartilhar a experiência do acontecimento do encontro com Cristo, testemunhá-lo e anunciá-lo de pessoa a pessoa, de comunidade a comunidade e da Igreja a todos os confins do mundo (cf. At 1,8)”. (Documento Aparecida no.145).


Para todos os evangelizadores o Papa Francisco na sua exortação (Evangelii Gaudium: EG) escreveu: «Na doação, a vida se fortalece; e se enfraquece no comodismo e no isolamento. De fato, os que mais desfrutam da vida são os que deixam a segurança da margem e se apaixonam pela missão de comunicar a vida aos demais. Quando a Igreja faz apelo ao compromisso evangelizador, não faz mais do que indicar aos cristãos o verdadeiro dinamismo da realização pessoal: Aqui descobrimos outra profunda lei da realidade: A vida se alcança e amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros. Isto é, definitivamente, a missão. Consequentemente, um evangelizador não deveria ter constantemente uma cara de funeral. Recuperemos e aumentemos o fervor de espírito, a suave e reconfortante alegria de evangelizar, mesmo quando for preciso semear com lágrimas! (...) E que o mundo do nosso tempo, que procura ora na angústia ora com esperança, possa receber a Boa Nova dos lábios, não de evangelizadores tristes e descoroçoados, impacientes ou ansiosos, mas sim de ministros do Evangelho cuja vida irradie fervor, pois foram quem recebeu primeiro em si a alegria de Cristo”. (EG 10) ... “Espero que todas as comunidades se esforcem por atuar os meios necessários para avançar no caminho duma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão. Neste momento, não nos serve uma ‘simples administração’. Constituamo-nos emestado permanente de missão’, em todas as regiões da terra... O Evangelho convida, antes de tudo, a responder a Deus que nos ama e salva, reconhecendo-O nos outros e saindo de nós mesmos para procurar o bem de todos... A Igrejaem saída’ é uma Igreja com as portas abertas. Sair em direção aos outros para chegar às periferias humanas não significa correr pelo mundo sem direção nem sentido... Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo! Repito aqui, para toda a Igreja, aquilo que muitas vezes disse aos sacerdotes e aos leigos de Buenos Aires: prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças.” (Evangelii Gaudium n 25.46.49).


Peçamos ao Senhor ressuscitado, pela intercessão de Nossa Senhora, Estrela da Evangelização, que nos conceda a graça de ser obedientes à missão que nos confiou de anunciar seu Evangelho e de passar nossa vida aqui na terra fazendo o bem a todos a exemplo do Senhor Jesus (cf. At 10,38).


P. Vitus Gustama,svd


Para Refletir: Documento Aparecida (DA) da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe


·        “Ao chamar os seus para que o sigam, Jesus lhes dá uma missão muito precisa: anunciar o evangelho do Reino a todas as nações (cf. Mt 28,19; Lc 24,46-48). Por isso, todo discípulo é missionário, pois Jesus o faz partícipe de sua missão, ao mesmo tempo, que o vincula como amigo e irmão. Dessa maneira, como ele é testemunha do mistério do Pai, assim os discípulos são testemunhas da morte e ressurreição do Senhor até que ele retorne. Cumprir essa missão não é tarefa opcional, mas parte integrante da identidade cristã, porque é a extensão testemunhal da vocação mesma (DA 144).


·        Quando cresce no cristão a consciência de pertencer a Cristo, em razão da gratuidade e alegria que produz, cresce também o ímpeto de comunicar a todos o dom desse encontro. A missão não se limita a um programa ou projeto, mas é compartilhar a experiência do acontecimento do encontro com Cristo, testemunhá-lo e anunciá-lo de pessoa a pessoa, de comunidade a comunidade e da Igreja a todos os confins do mundo (cf. At 1,8). (DA 145)


·        Bento XVI nos recorda que "o discípulo, fundamentado assim na rocha da Palavra de Deus, sente-se motivado a levar a Boa Nova da salvação a seus irmãos. Discipulado e missão são como as duas faces da mesma moeda: quando o discípulo está apaixonado por Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que ele nos salva (cf. At 4,12). De fato, o discípulo sabe que sem Cristo nãoluz, nãoesperança, nãoamor, nãofuturo". Essa é a tarefa essencial da evangelização, que inclui a opção preferencial pelos pobres, a promoção humana integral e a autêntica libertação cristã [DA 146] (Documento de Aparecida da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe,).

Nenhum comentário: