terça-feira, 15 de março de 2016

17/03/2016




VIVER DE ACORDO COM A PALAVRA DE DEUS PARA SER SALVO


Quinta-Feira da V Semana da Quaresma


Primeira Leitura: Gn 17,3-9


Naqueles dias,  3 Abrão prostrou-se com o rosto por terra. 4 E Deus lhe disse: 'Eis a minha aliança contigo: tu serás pai de uma multidão de nações. 5 Já não te chamarás Abrão, mas o teu nome será Abraão, porque farei de ti o pai de uma multidão de nações. 6 Farei crescer tua descendência infinitamente. Farei nascer de ti nações, e reis sairão de ti. 7 Estabelecerei minha aliança entre mim e ti e teus descendentes para sempre; uma aliança eterna, para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes. 8 A ti e aos teus descendentes darei a terra em que vives como estrangeiro, todo o país de Canaã como propriedade para sempre. E eu serei o Deus dos teus descendentes'. 9 Deus disse a Abraão: "Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre".


Evangelho: Jo 8,51-59


Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 51Em verdade, em verdade eu vos digo: se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. 52Disseram então os judeus: “Agora sabemos que tens um demônio. Abraão morreu e os profetas também, e tu dizes: ‘Se alguém guardar a minha palavra jamais verá a morte’. 53Acaso és maior do que nosso pai Abraão, que morreu, como também os profetas? Quem pretendes ser?” 54Jesus respondeu: “Se me glorifico a mim mesmo, minha glória não vale nada. Quem me glorifica é o meu Pai, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus. 55No entanto, não o conheceis. Mas eu o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria um mentiroso, como vós! Mas eu o conheço e guardo a sua palavra. 56Vosso pai Abraão exultou, por ver o meu dia; ele o viu, e alegrou-se”. 57Os judeus disseram-lhe então: “Nem sequer cinqüenta anos tens, e viste Abraão!” 58Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, antes que Abraão existisse, eu sou”. 59Então eles pegaram em pedras para apedrejar Jesus, mas ele escondeu-se e saiu do Templo.
--------------------------


Abraão É O Exemplo Da Fidelidade À Aliança Com Deus Que Salva a Humanidade


Eis a minha aliança contigo: tu serás pai de uma multidão de nações... E eu serei o Deus dos teus descendentes... Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre”.


Na Primeira Leitura tem como protagonistas Deus e Abraão que se encontram na Aliança comum.


A narrativa da Aliança de Deus com Abraão, no texto de hoje, é da redação Sacerdotal e por isso, relativamente tardia (em torno do século VI a.C. após o exílio na Babilônia). Por isso, podemos entender que seus redatores escrevem ou para os exilados na Babilônia para que mantenham a recordação de uma aliança definitiva de Deus com Abraão a fim de relembrar os exilados que o Deus da Aliança jamais vai abandoná-los mesmo que se encontrem longe de sua pátria. Ou escrevem para o pequeno resto fiel subsistente em Jerusalém depois da volta da Babilônia com o objetivo de acalmar sua decepção e sua inquietude, pois “eu serei o Deus dos teus descendentes”, afirmou Deus.


Para Abraão que estava desejando um filho desde muito tempo, Deus lhe anuncia uma fecundidade sobrenatural. A verdadeira “fecundidade” de Abraão não é sua descendência biológica que veio pelo nascimento de Isaac e sim sua imensa fecundidade espiritual: Abraão é o “pai dos crentes”: “Tu serás pai de uma multidão de nações”, pois ele é o primeiro que põe sua fé em Deus mesmo que ele tenha que enfrentar uma situação impossível humanamente, por exemplo: sacrificar o filho único por ordem de Deus embora não chegue a acontecer, pois o próprio Deus intervém (cf. Gn 22,1-18).  Sobre a fé firme de Abraão São Paulo comentou: “Esperando, contra toda a esperança, Abraão teve fé e se tornou pai de muitas nações, segundo o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência... Estava plenamente convencido de que Deus era poderoso para cumprir o que prometera” (Rm 4,18.21).


Neste sentido, Abraão continua sendo o maior exemplo de quem tem a fé inabalável, de quem é fiel à Aliança com Deus em quem o povo eleito ou qualquer fiel deve se espelhar. A fé é a certeza daquilo que não se vê e a antecipação daquilo que se espera (cf. Hb 11,1). A fé nasce no encontro com o Deus vivo, que nos chama e revela o seu amor: um amor que nos precede e sobre o qual podemos apoiar-nos para construir solidamente a vida. Transformados por este amor, recebemos olhos novos e experimentamos que há nele uma grande promessa de plenitude e se nos abre a visão do futuro. A fé, que recebemos de Deus como dom sobrenatural, aparece-nos como luz para a estrada orientando os nossos passos no tempo” (Papa Francisco: Carta Enciclica Lumen Fidei n.4).


Na Primeira Leitura fala-se também da mudança de nome de Abrão em Abraão. Parece que os dois nomes são apenas duas grafias diferentes de uma única e mesma palavra que significa “Ele é proveniente de um pai nobre”. Mas os redatores sacerdotais aproximaram Abraão de AB HAMÔN, que significa “Ele é pai de uma multidão”.


A mudança de nome é um tema frequente nos escritos do Segundo Isaias (Is 40-55, parte que foi escrito durante o exílio na Babilônia). A mudança de nome anunciada pelo Segundo Isaías ao povo exilado quer convidar ao povo a acreditar numa mudança de destino. Para qualquer personagem bíblica a mudança de nome significa mudança de missão.


Tudo isso nos mostra que o personagem ou a figura de Abraão não é somente histórico, mas atual para todos. Abraão quer relembrar a todo o povo da aliança sobre a importância da fidelidade a Deus e aos seus mandamentos para não cair outra vez na desgraça. Por isso, "Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre", disse Deus.


Fidelidade Na Observância Da Palavra De Jesus Produz a Salvação


O texto do evangelho deste dia é a continuação do evangelho do dia anterior. No evangelho de hoje a chave para entender o texto é a vida: os que crêem em Jesus, além de ser livres (evangelho do dia anterior), têm vida em plenitude e jamais verão a morte: ”Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte” (Jo 8,51). Quem guarda a Palavra de Jesus com fé e a converte em algo determinante para sua vida, jamais verá a morte. A morte física não interrompe a vida nem é uma experiência de destruição para quem guardar a Palavra de Deus. A vida que Jesus comunica não conhece fim (cf. Jo 3,16; 5,21; 11,25).


Acreditar em Jesus e viver de acordo com sua Palavra significa não parar de existir. Jesus oferece a vida eterna àqueles que escutam e põem em prática sua Palavra, tal como ele a ofereceu a Nicodemos (Jo 3,6); à Samaritana (Jo 4,14); aos judeus de Jerusalém (Jo 5,24); aos galileus (Jo 6,40. 47). Para o evangelista João, manter-se fiel à Palavra de Jesus dá a vida, tal como Jesus recebe a plenitude da vida gloriosa do Pai, porque se mantém obediente e guarda sua Palavra.


Em verdade, em verdade eu vos digo: se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. Trata-se de uma aliança eterna entre Deus e o homem, uma aliança que jamais termina com a morte física. Mas, será que confiamos realmente na Palavra de Deus? Será que vivemos de acordo com a Palavra de Deus?


O texto do evangelho de hoje termina com as mais escandalosas afirmações que o homem algum jamais pode fazer de si mesmo: “Em verdade, em verdade vos digo, antes que Abraão existisse, eu sou”. Na verdade, no prólogo do seu evangelho João já tinha afirmado isso: ”No principio era o Verbo, o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus” (Jo 1,1). Jesus como o Verbo de Deus quer nos dizer: “Eu existo desde sempre. Eu sempre existo”. Deus não tem passado nem futuro. Está sempre em eterno presente. Está fora do cálculo do tempo humano. Jesus foi apresentado pelo João Batista da mesma maneira: “Depois de mim, vem um homem que passou adiante de mim, porque existia antes de mim” (Jo 1,30).


Se Cristo está sempre em eterno presente, temos que experimentar e sentir Sua presença em cada momento. Temos que ter uma plena consciência de que o Senhor está conosco em todos os momentos de nossa vida. As nossas celebrações sempre nos relembram a certeza desta fé na saudação: “O Senhor esteja convosco. Ele está no meio de nós”. A consciência de saber da presença eterna de Jesus diariamente na nossa vida (cf. Mt 28,20) nos ajuda a renovarmos nossas forças e nosso ânimo de continuar nossa caminhada. O Senhor está ao nosso lado para nos sussurrar: “Levanta-te. Não tenhas medo. Segue adiante! Eu estou ao teu lado!”.


Se nossa fé em Jesus Cristo for profunda, se não somente soubermos das coisas sobre ele, se estivermos em plena comunhão com ele, no modo de viver e de agir, teremos vida de Jesus já, como os ramos que recebem a seiva do tronco principal (Jo 15,1-5). A vida que Jesus comunica não conhece fim (Jo 3,16; 4,34; 5,21). A morte física não interrompe a vida nem é uma experiência de destruição. Ter a vida eterna é saber que nosso destino se realiza plenamente na vida imortal de Deus. Em Deus se realizam nossos sonhos, anseios, afetos e utopias mais queridos. Deus supera todos os nossos males e todos os nossos limites. Mas muitas vezes para nós é difícil acreditar na ressurreição porque não aceitamos ainda a morte física. O pior é que ficamos revoltados diante da morte de nosso ente querido, embora ele tenha morrido naturalmente. A fé na ressurreição vem nos dizer que o homem não vive para morrer e sim morre para viver. Morrer não é o fim da caminhada e sim atravessar o túnel para a Luz plena. O homem, para ressuscitar, tem que morrer, como Jesus morreu e ressuscitou.


Nós cristãos guardamos a Palavra de Jesus e esperamos por ela a vida eterna. Guardar essa Palavra significa vivê-la cada dia, fazê-la realidade em nosso trato com os demais, realizar o mandato de Jesus de amar aos irmãos com o amor com que nos amou até o fim. Ter vida eterna é saber que nosso destino se realiza plenamente na vida imortal de Deus. Em Deus chegaremos à perfeição para os nossos sonhos, nossos afetos e assim por diante.


Na véspera da Páscoa, a festa da vida para Jesus, ainda que seja através de sua morte, também sentimos a chamada à vida. A Páscoa é a festa da vida para os cristãos. A Páscoa é o dia de nossa salvação. Na Páscoa os cristãos querem renovar e reafirmar seu sim à vida. A Páscoa deve ser, por isso, uma sintonia sacramental e profunda com Cristo que atravessa a morte para a vida.


A participação na Eucaristia e o que a Eucaristia nos compromete na nossa vida diária nos faz entrar em intimidade com o Senhor, Pão da Vida eterna. O mistério Pascal de Cristo não nos conduz à morte e sim à vida. Através da Eucaristia o Senhor nos comunica sua própria vida para que nós sejamos sinais de vida no mundo. A Eucaristia faz a Igreja esforçar-se em fazer chegar a vida de Deus a todos os homens, muitas vezes deteriorados por causa do pecado. A  partir desse esforço, fortalecidos pelo Espírito Santo que atua em nós e a partir de nós, poderemos fazer que o mundo seja fecundo em homens novos, capazes de chegar a ser filhos e filhas de Deus e de manifestar-se como tais através de sua obras e não somente por suas palavras. Como dizia São Francisco de Assis que temos que evangelizar se for necessário até com nossas palavras.


A Eucaristia diária é a Páscoa diária. E para os que celebram e participam da Eucaristia Jesus assegura: “Quem comer meu Corpo e beber meu Sangue terá a vida eterna e eu o ressuscitarei no ultimo dia” (Jo 6,54). A Eucaristia, memória sacramental da primeira Páscoa de Jesus é também uma antecipação da Páscoa eterna para a qual somos convidados. Tudo de Jesus na terra é uma antecipação daquilo que é eterno. Vivemos na terra aquilo que é do céu por causa de Jesus Cristo. Será que temos consciência disso tudo que não é pouca coisa: a vida eterna na terra?!


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: