segunda-feira, 18 de abril de 2016

21/04/2016



AMOR VERDADEIROE SE EXPRESSA NO SERVIÇO AO IRMÃO


Quinta-Feira Da IV Semana Da Páscoa


Primeira Leitura: At 13,13-25


13 Paulo e seus companheiros embarcaram em Pafos e chegaram a Perge da Panfília. João deixou-os e voltou para Jerusalém. 14 Eles, porém, partindo de Perge, chegaram a Antioquia da Pisídia. E, entrando na sinagoga em dia de sábado, sentaram-se. 15 Depois da leitura da Lei e dos Profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: “Irmãos, se vós tendes alguma palavra para encorajar o povo, podeis falar”. 16 Paulo levantou-se, fez um sinal com a mão e disse: “Israelitas e vós que temeis a Deus, escutai! 17 O Deus deste povo de Israel escolheu os nossos antepassados e fez deles um grande povo quando moravam como estrangeiros no Egito; e de lá os tirou com braço poderoso. 18 E, durante mais ou menos quarenta anos, cercou-o de cuidados no deserto. 19 Destruiu sete nações na terra de Canaã e passou para eles a posse do seu território, 20 por quatrocentos e cinquenta anos aproximadamente. Depois disso, concedeu-lhes juízes, até o profeta Samuel. 21 Em seguida, eles pediram um rei e Deus concedeu-lhes Saul, filho de Cis, da tribo de Benjamim, que reinou durante quarenta anos. 22 Em seguida, Deus fez surgir Davi como rei e assim testemunhou a seu respeito: ‘Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que vai fazer em tudo a minha vontade’. 23 Conforme prometera, da descendência de Davi Deus fez surgir para Israel um Salvador, que é Jesus. 24 Antes que ele chegasse, João pregou um batismo de conversão para todo o povo de Israel. 25 Estando para terminar sua missão, João declarou: ‘Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede: depois de mim vem aquele do qual nem mereço desamarrar as sandálias’”.


Evangelho: Jo 13, 16-20


Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus lhes disse: 16 “Em verdade, em verdade vos digo: o servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou. 17 Se sabeis isto, e o puserdes em prática, sereis felizes. 18 Eu não falo de vós todos. Eu conheço aqueles que escolhi, mas é preciso que se realize o que está na Escritura: ‘Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar’. 19 Desde agora vos digo isto, antes de acontecer, a fim de que, quando acontecer, creiais que eu sou. 20 Em verdade, em verdade vos digo, quem recebe aquele que eu enviar, me recebe a mim; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou”.
----------------------------


O texto do evangelho deste dia é a continuação do relato do lava-pés (Jo 13,1-20). Jesus faz aquilo que os escravos fazem para seu senhor: lavar os pés. Para João o lava-pés representa aquilo que constitui o sentido da vida inteira de Jesus. Trata-se de um ato de amor que vai até o extremo, um amor infinito (cf. Jo 13,1), o único lavatório capaz de preparar o homem para a comunhão plena com Deus. É um ato do Bom Pastor que dá sua vida para suas ovelhas.


Depois que Jesus lavou os pés dos apóstolos (Jo 13,1-11), Jesus faz o comentário do gesto do lava-pés que tem o alcance doutrinal: “Em verdade, em verdade vos digo: o servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou. Se sabeis isto, e o puserdes em prática, sereis felizes”. Jesus mostrou, primeiro, o gesto de serviço como expressão do amor até o fim para depois os apóstolos e todos os seguidores de Jesus fazerem a mesma coisa como expressão do mesmo amor com que Jesus os amou.


E Jesus acrescenta algo muito valioso sobre a importância do valor do serviço: “Se sabeis isto, e o puserdes em prática, sereis felizes”. Aqui “ser feliz” não é uma questão de uma mera satisfação psicológica. “Ser feliz” aqui equivale à “bem-aventurança”. A bem-aventurança é a declaração de salvação da parte de Deus para quem vive a tal bem-aventurança, isto é, viver servindo o irmão por amor.


Mas Jesus não declara feliz para aquele que vai entrega-Lo: Judas Iscariotes. Judas Iscariotes faz parte dos apóstolos que o próprio Jesus escolheu. A eleição não tira de Judas, ou qualquer eleito, a liberdade de se opor a Jesus. Jesus pronuncia a seguinte frase para identificar quem o trairá: Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar”. A expressão “aquele que come o meu pão” significa “aquele que recebe meu benefício ou meu sustento” (cf. Sl 42,9; Mc 14,8; 2Sm 15,12). Por isso, percebemos aqui a ingratidão, a traição, a infidelidade, a falta de amor mútuo. Onde houver a ausência do amor, há sufoco no relacionamento e na convivência. Onde houver sufoco, há agressão e mútuo ataque. Quantos cristãos, que “comem o pão” da mesa do Senhor, traíram ou continuam traindo Jesus nos irmãos. Mas Jesus continua afirmando que a lógica do serviço é mais forte do que qualquer traição. No fim, o amor vence, pois “Deus é amor” (1Jo 4,8.16).


Através do gesto do Lava-pés Jesus nos ensina a convertermos o amor fraterno em serviço pela salvação daqueles que o Senhor ama. O amor fraterno, com efeito, não é somente uma lei ou mandamento e sim uma maneira de atuar de cada cristão pela qual todos serão reconhecidos como seguidores de Cristo (cf. Jo 13,35). É o amor que faz o homem livre. O amor é que faz o homem salvo. É o amor que faz alguém crescer saudavelmente. O amor é que dá segurança e não as armas. O amor é que faz o homem irmão do outro. O amor é que faz uma comunidade de irmãos. É o amor que nos leva ao céu. O amor fraterno é uma maneira de atuar dos cristãos  e dos que têm boa vontade (cf. Mt 25,37-40). O amor e o serviço estão sempre unidos. Quem ama, serve e quem serve é porque ama. Cristão que não serve por amor não serve como cristão.


E durante o lava-pés, Jesus é chamado de Mestre e de Senhor: “Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu sou” (Jo 13,13). Sendo o Mestre e o Senhor, Jesus se faz servidor de todos. E no texto do evangelho de hoje Jesus diz aos discípulos: “O servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou” (Jo 13,16). “Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz” (v.15), Jesus disse anteriormente. Continuar as ações de Cristo não é repetir ritos, mas atitudes: amor e serviço. O amor sincero e o serviço alegre, ao estilo de Jesus, há de ser o modo de presença de cada cristão neste mundo. Amar e servir verdadeiramente nos fazem felizes (Jo 13,17). Em outras palavras, o amor que se manifestou em Jesus, deve manifestar-se também nos cristãos através do amor mútuo. Jesus Cristo deve ficar bem transparente no modo de viver de cada cristão através do amor que se concretiza também no serviço ao irmão, especialmente ao necessitado.


O Lava-pés quer destacar a centralidade da pessoa. A salvação da pessoa é o centro da obra de Jesus. Em nossa sociedade parece que o fazer é o termômetro do valor de uma pessoa. Por isso, dentro desta dinâmica é fácil que as pessoas sejam tratadas como instrumentos e facilmente nos utilizamos uns aos outros. Hoje o evangelho nos urge a transformarmos esta dinâmica em uma dinâmica de serviço: o outro nunca é um puro instrumento. Trata-se de viver uma espiritualidade de comunhão onde o outro se torna dom para mim; trata-se de “ser pelos demais”. Segundo Jesus a verdadeira felicidade se encontra no serviço aos demais e em não pensar que um seja maior que os demais. Quem se imagina superior aos demais está usurpando o lugar de Deus. Só ele é o Senhor, todos nós somos irmãos (cf. Mt 23,8). Por isso, qualquer tentativa de classificar as pessoas em mais ou em menos importantes será sem cabimento e não pode ser chamado de cristão.


Fé em Jesus é o seguimento. E seguir o exemplo de Jesus não é repetir ritos, e sim atitudes: amor que se traduz no serviço, entrega e renúncia. O amor sincero e o serviço alegre, ao estilo de Jesus, têm de ser o modo de presença de qualquer cristão no nosso mundo e na nossa sociedade.


Jesus viveu o amor aos homens e o serviço alegre até a morte na cruz. Ele morreu amando e perdoando os que praticaram a maldade contra ele (cf. Lc 23,34). O cristão é aquele que faz aquilo que Jesus fez. De que modo minha vida como cristão é um “serviço até a morte”?. Não até a morte física e sim um serviço até a morte do meu tempo, do meu dinheiro, da minha comodidade, do meu egoísmo, da minha razão humana, dos meus sentimentos? De que modo sou servidor? De quem sou “servidor até a morte”? Até onde chega meu serviço?


“Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar”, alerta Jesus aos discípulos. Ele fala de Judas. Judas, o traidor, representa os que não abrem mão de seus privilégios e não querem partilhar os bens nem pôr a própria vida a serviço dos outros. O traidor pode estar dentro de qualquer um de nós e dentro de qualquer comunidade. Precisamos estar atentos para não sermos vendedores de Jesus Cristo.

P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: