segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Domingo,25/09/2016




O NECESSITADO É O CAMINHO OBRIGATÓRIO PARA CHEGAR AO CÉU


XXVI DOMINGO DO TEMPO COMUM


Evangelho: Lc 16,19-31


Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: 19 'Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias. 20 Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão à porta do rico. 21 Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas. 22 Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23 Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24 Então gritou: 'Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas'. 25 Mas Abraão respondeu: 'Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26 E, além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós'. 27 O rico insistiu: 'Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28 porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento'. 29Mas Abraão respondeu: 'Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!' 30 O rico insistiu: 'Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter'. 31 Mas Abraão lhe disse: `Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos'.'
---------------
Quem está agarrado a alguma coisa da terra, ainda que mínima, nunca poderá voar e unir-se a Deus” (S. Afonso Maria de Ligório).
-----------------


Continuamos a acompanhar Jesus no seu Caminho para Jerusalém onde ele será crucificado, morto e ressuscitado (Lc 9,51-19,28). O evangelista Lucas, conscientemente, não tem pressa de relatar a chegada de Jesus em Jerusalém porque durante esse Caminho Jesus vai passando suas últimas lições para seus discípulos, consequentemente para todos os que se dizem cristãos.


Na passagem do evangelho deste dia Jesus voltou a falar sobre o tema do texto do evangelho anterior: o perigo da riqueza (Lc 16). É a lição que Jesus quer dar para todos nós. A repetição do tema indica o peso do conteúdo que quer se passar para os ouvintes para que tenham consciência disso. Para falar deste tema Jesus conta uma parábola na qual o rico e o pobre Lázaro são seus protagonistas. Com esta exemplar narração Lucas termina o capítulo 16 de seu evangelho destacando o perigo de alguém deixar-se dominar pela riqueza.


Nós, cristãos, temos vocação de usar a riqueza sem servir a ela. Estaremos usando a riqueza quando não deixarmos que ela determine nossas decisões econômicas ou sociais e nossas relações como seres humanos. E estaremos servindo a riqueza quando permitirmos que ela determine nossas decisões econômicas. Simplesmente, precisamos resolver quem vai tomar nossas decisões nesta vida: Deus ou riqueza? Mas quem tem a última palavra sobre nossa vida será Deus. Homem nenhum é imortal aqui na terra. Todos, no fim da caminhada, vão para o julgamento de Deus (cf. 2Cor 5,1-10; Hb 9,27).


Sabemos que o tema central de Lc 16 é o convite de Jesus a usarmos os bens materiais deste mundo corretamente. Jesus conclama as pessoas, todos nós e cada um em particular, a voltar as costas ao deus dinheiro a fim de adorar ao Deus único e verdadeiro.


O dinheiro é um deus que tem altar em quase todos os corações, tanto no rico como no pobre, no jovem e no adulto, no leigo e no religioso.  Sem dúvida nenhuma, o dinheiro tem muitas das características de divindade. Ele nos dá segurança, pode induzir a culpa, dá-nos liberdade, dá-nos poder e primeiros lugares neste mundo e parece ser onipresente. Podemos tomar o dinheiro e usá-lo para ajudar as pessoas, podemos também usá-lo para que as pessoas estejam sob o nosso domínio. Se ele trouxer em si a semente da cobiça, colocaremos as pessoas na posição de devedoras e os efeitos serão ruinosos e fatais. Quando a cobiça motiva nossa doação, ainda estamos tentando nos beneficiar com a transação. E quando a cobiça é ligada ao ato de dar, é particularmente destrutiva por parecer tão boa, tão semelhante a um anjo de luz. É por isso que São Paulo diz que podemos dar tudo o que temos, mas se não tivermos amor, “isso nada me adiantará” (1Cor 13,3).


Ao cristão é dada a elevada vocação de usar a riqueza sem servir a ela. Estaremos usando a riqueza quando não permitirmos que ela determine nossas decisões econômicas ou sociais. E estaremos servindo a riqueza quando permitirmos que ela determine nossas decisões econômicas. Simplesmente, precisamos resolver quem vai tomar nossas decisões nesta vida: Deus ou riqueza? O Evangelho deste domingo, através da parábola sobre o rico e Lázaro, nos alerta para escolhermos corretamente.


A parábola sobre o rico e Lázaro encontramos somente no Evangelho de Lucas. Segundo Joachim Jeremias (cf. As Parábolas de Jesus) e outros autores, esta parábola tem sua origem na fábula egípcia em que se narra a viagem de Si-Osíris e do seu pai Seton Chaemwese ao reino dos mortos. A fábula termina com esta lição: “Quem é bom na terra, acontece o bem também no reino dos mortos, mas quem é mau na terra, acontece o mal também lá”. Através dos judeus de Alexandria esta fábula entrou na tradição judaica onde ela foi muito apreciada com suas diversas formulações; uma delas se narra a estória do pobre escriba e do rico publicano Bar Ma’jan que narra a sorte no além. No além, Bar Ma’jan queria alcançar a água mas não podia. Enquanto que o pobre escriba vivia em jardins de beleza paradisíaca onde corriam águas de fontes. Evidentemente como judeu, Jesus também aproveita esta narrativa na sua pregação e a emprega igualmente na parábola do grande banquete (cf. Lc 14,15-24).


Esta parábola é um relato simbólico que ilustra o perigo da riqueza e propõe um apelo à conversão. Ela serve como exemplo do ensinamento de Jesus, no evangelho do domingo anterior, sobre o uso apropriado da riqueza. É parábola que toma o assunto das riquezas de Lc 16 e lhe confere uma conclusão bem adequada: nem a riqueza nem a pobreza neste mundo é a medida da bênção de Deus. Nesta parábola, Jesus se dirige aos fariseus como representantes daqueles que amam o dinheiro (Lc 16,14) e que pensavam justificar-se diante de Deus e dos homens mediante o cumprimento estreito da lei (Lc 11,37ss). Na verdade, esta parábola serve como ilustração das bem-aventuranças e os ais de Lc 6,20-23. Ela reprova o rico que não sabe compartilhar o que tem para com os mais necessitados. Ela quer também sublinhar o ensinamento sobre o que significa o presente para o futuro. Somos futuros aquilo que somos no presente.


A parábola tem duas partes. Na primeira (vv.19-26) descrevem-se os dois personagens principais segundo o ponto de vista literário muito estendido na literária bíblica: o rico vive luxuosamente e celebra grandes festas e banquetes; o pobre tem fome e está enfermo. Mas a morte dos dois muda totalmente a situação. Na descrição da vida no além, Lc utiliza as imagens de seu tempo que não pretende nos dar uma informação sobre a geografia do além e sim quer enfatizar a justiça de Deus sobre o conjunto da vida humana. A vida presente, portanto, é decisiva. É nesta vida que jogamos nosso destino eterno. É na vida presente que escolhemos a eternidade. As escolhas que fizemos ou fazemos na vida presente serão julgadas por Deus, sempre misericordioso e compassivo, mas sempre justo e fiel às suas propostas.  A parábola é muito clara em definir as duas situações: de felicidade uma e de sofrimento a outra.


Na segunda parte (vv.27-31) insiste-se em que a Escritura, da qual os fariseus eram considerados expertos(especialistas), é o caminho mais seguro para a conversão. Mas o homem rico foi surdo a suas demandas. Em outras palavras, a sua vida não estava enraizada na Palavra de Deus. O versículo final expressa perfeitamente o centro da mensagem contida na parábola: até os milagres mais espetaculares, como a ressurreição de um morto, são inúteis para quem não se enraíza sua vida no coração da Palavra de Deus.


Na descrição do rico e de Lázaro (vv.19-26) os contrastes são muito fortes: riqueza contra miséria, vestes luxuosas contra a pele coberta de úlceras, festins brilhantes contra estômago faminto; em suma, a abundância e o supérfluo, de um lado e a falta do “mínimo vital”, do outro. Quadro esse que, infelizmente, continua de uma verdade gritante a quem quiser ver lucidamente a situação atual, tanto em escala mundial como em escala local. O perigo que pode ou possa acontecer com qualquer um de nós é a falta de sensibilidade por termos visto permanentemente os mendigos na nossa porta ou nas portas de nossas igrejas. A tentação de não querermos vê-los e evitarmos encontrá-los é muito grande. Fingimos não perceber sua presença. O pior cego é aquele que não quer ver, diz um ditado popular. Que não seja tarde demais vermos esses nossos irmãos necessitados como aconteceu com o rico nesta parábola. Eles não chamam mais nossa atenção e não se tornam notícias para nossa Igreja (paróquia). Talvez seja fácil dar um pouco que se tem, mas quem de nós pode perguntar e procurar saber do porquê da situação para juntos resolvermos a mesma?  No pórtico de sua casa suntuosa, Lázaro pode lançar um olhar de avidez para as migalhas do festim. O rico sequer percebe sua presença. O rico vive como se Deus não existisse e como se os necessitados não existissem. Tem “tudo”. Por acaso precisa de Deus? Não vê Deus nem o pobre. Deixa-se absorver pelo bem estar e pela vida regalada.


O que acontece com os dois na morte e depois dela?


A narração põe ênfase naquilo que acontece na morte. A morte iguala os dois. Mas logicamente ainda há uma diferença no enterro. Como diz um humorista, quando um rico ou uma rica morrer, seu rosto será maquiado bonitinho, enquanto o do pobre não, já que ele não tinha nada nem para comer. Logicamente o rico é enterrado com pompa e aparato e a possibilidade de virar uma notícia nos jornais é grande. Talvez seja acompanhado com alguns discursos de despedida. O enterro do pobre nem é mencionado muito menos vira notícia.


Seja como for, o quadro seguido descreve mudança total de situação (o que aconteceu depois da morte). Continua a oposição absoluta, mas em sentido inverso. Lázaro está no seio de Abraão contra o suplício da sede do rico. O rico vê Lázaro e espera dele a caridade de uma gota de água; mas é tarde demais vê-lo.   O rico não soube vê-lo quando o pobre homem esperava a caridade de um pedaço de pão. O rico foi surdo demais às exigências da Palavra de Deus. Ele perdeu uma oportunidade de conversão à Palavra de Deus onde se encontra muitas demandas de solidariedade para com os pobres (Is 58,7). Seu pecado consiste em ter feito das riquezas seu deus (Lc 16,13).   Agora ele sofre inexoravelmente as consequências do isolamento no qual seu egoísmo o fechara. Esse grande abismo é a imagem do fosso que ele tinha deixado abrir-se entre seu luxo insolente e a miséria de seu próximo. O rico teve chance de ajudar Lázaro mas preferiu o caminho de egoísmo. Fechou-se em sua riqueza e fez do dinheiro o seu deus.


O que chama a nossa atenção é que o rico, nesta parábola, não tem nome. Enquanto o pobre Lázaro possui um nome: Lázaro, Deus ajuda (Eleazar). Este é o único personagem que recebe um nome nas parábolas de Jesus. Em nenhuma outra parábola de Jesus os personagens têm nome. Pelo seu nome, Lázaro é um daqueles pobres que suportam a situação infeliz com paciência e só conseguem suportar a vida porque confiam em Deus. O rico é anônimo, como são anônimas as suas riquezas. Ele não vale por aquilo que ele é, mas por aquilo que ele possui. O rico perde a sua identidade porque ele se identifica com aquilo que ele tem. O pobre, por outro lado, tem um nome, pois ele se identifica com aquilo que ele é, e não por aquilo que ele não possui. Finalmente o rico é destinado à solidão total; sua vida é uma praça deserta, enquanto a vida do pobre é uma festa. O rico é atormentado não pelo simples fato de ser rico, mas porque não teme a Deus, de quem prescinde, e porque se nega a compartilhar o que é seu com o pobre que está morrendo de fome na sua porta; é um fiel expoente do consumismo egoísta exagerado. Ele goza a riqueza, julga-se seguro, fica cego ao próximo e surdo à Palavra de Deus e a seu convite. Tampouco o pobre se salva simplesmente por ser pobre, mas porque está aberto para Deus e espera a salvação de “quem faz justiça aos oprimidos e dá pão aos famintos, ama o justo (cf. Salmo 145(146).


No seu tormento o rico pede para que Abraão mande Lázaro ir à casa do pai do rico a fim de avisar aos outros cinco irmãos para que eles não sigam o seu caminho (vv.27-31). Ele demonstra algum interesse em “outras pessoas” (seus familiares), mas não pensa nos pobres; fica só no assunto dos seus. A solidariedade do rico na parábola é tarde demais. Ele se sente solidário com os membros de sua família (mas não as pessoas fora de sua família. Continua sendo egoísta até no além) por ter experimentado a solidão total por causa do egoísmo exagerado. Ele grita a Abraão: “Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento”. A resposta de Abraão: “Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos!” (v.29).


A resposta a esse pedido é o alerta que o próprio Jesus quer dar com sua história: não precisamos de mais avisos, nem de mapas para o caminho do céu. É só seguir o que já disseram Moisés e os profetas, diz o Abraão da história. Podemos dizer: é só ler, ouvir e viver o Evangelho de Jesus Cristo. Não precisamos de revelações mágicas nem milagres adicionais. Na busca de milagres, facilmente o homem quer fugir do compromisso de fé, que se lhe manifesta o suficiente na Palavra de Deus. Quem tem o coração livre para se deixar interrogar por Deus, sabe que nunca terá o direito de apelar a “milagres” para se precaver do maior milagre da graça: a nossa conversão. O que temos que fazer é anunciar com ardor missionário e eficiência o Evangelho.


Tudo isso quer nos dizer que só quem vive aberto aos outros, na prática do amor, é capaz de, na ressurreição, entrar em comunhão com o Amor: Deus. Quem faz de sua vida um serviço permanente à sua própria ambição e não pensa em outra coisa senão acumular riquezas, não é capaz de abrir-se à presença de Deus e por isso, se condena ao inferno, que na definição de Dostoievski, é o sofrimento de não poder mais amar. Aquele que está voltado para si mesmo é cego e surdo aos apelos alheios. Ou como Meister Eckhart disse: “Estar vazio de toda criatura é estar cheio de Deus. E estar cheio de criatura é estar vazio de Deus”.


Com esta parábola, de novo o ensinamento de Jesus vai direto ao cerne das falsas pressuposições teológicas mantidas por muitos de seus contemporâneos que ainda existem hoje em determinadas denominações ou movimentos. É certo que o rico, assim raciocinariam, exemplifica um homem abençoado por Deus, enquanto o pobre que só fazia sofrer, recebia o que merecia. No entanto, é o mendigo Lázaro que é recebido por Pai Abraão que denota a felicidade, e o rico que cai no inferno (Hades, [sheol em hebraico] aqui traduzido inferno, é palavra grega que nos círculos pagãos significa o mundo inferior na mitologia grega; o mundo inferior como a morada dos mortos. Em numerosas passagens, hades/sheol significa só a morte ou a sepultura, e descer ao sheol equivale a morrer. No judaísmo posterior entendia-se que havia dois compartimentos: um para os justos e o outro para os ímpios, como se relata nos vv.22-25 do texto. A parte negativa do sheol mais tarde veio a ser chamada “Geena”, lugar de castigo). Os “religiosos” presumiam que a saúde e a riqueza evidenciam as bênçãos de Deus, enquanto a doença e a pobreza evidenciam a maldição de Deus. Como a parábola indica, tais pressuposições podem estar totalmente erradas.


O perigo que temos ao ler esta parábola é julgarmos que ela somente fala dos ricos e poderosos, dos que têm muito poder e muito dinheiro. No entanto, precisamos estar conscientes de que na revelação bíblica pobreza e riqueza não são conceitos meramente quantitativos, mas toca-se também na atitude de apego ou desapego naquilo que cada um possui. Isto é que nos faz ricos ou pobres de espírito diante de Deus. Por isso, temos que nos converter da avareza ao amor que partilha. Não podemos, como cristãos ou os que se comportam como cristãos, não podemos ser espectadores neutrais da pobreza e da miséria alheias.


Além disto, se nossa vida ou nossa fé não for além dos horizontes materiais, se Deus não significar a certeza de nossa vida, então qual será nossa esperança, qual será nosso consolo, qual será nosso sentido de nossa presença neste mundo? Na vida tudo passa. Mas a única coisa que não passa é o nosso dever de sermos irmãos, de viver o amor de Deus, de lutar pelo que é certo e de partilhar. Isso não passa, continua valendo seja qual for a nossa situação. Então, o Evangelho quer nos dizer que tudo se decide aqui e agora neste mundo e não depois de nossa morte.


Por isso, nós, cristãos, não podemos deixar-nos cegar por o sentido da vida que só vê o aspecto rentável de cada circunstância, negócio ou lugar de trabalho. A solidariedade é uma exigência direta da fraternidade humana e sobrenatural, que nos leva a entrar em comunhão com Deus-Amor. Por isso, gente que não se comove com o sofrimento dos outros fica em falta com Deus.


Lázaro está no meio de nós, está em sua casa, no seu trabalho e em qualquer lugar. Basta você parar de estar voltado para si mesmo, então você vai enxergar o Lázaro que está tão perto de você. Que sua solidariedade não seja tarde demais como a do rico da parábola. Por isso, se tiver oportunidade para fazer a caridade, que faça; ofereça flor, embora só uma, para uma pessoa que está viva, que você ama muito. Porque é muito melhor do que uma coroa de flores para uma pessoas que já se foi; perdoe se tiver oportunidade para perdoar...etc., porque amanhã talvez seja tarde demais. Você pode gritar, mas pode ser que o seu grito seja em vão, como o do rico neste Evangelho.


A parábola é um convite de Jesus à conversão enquanto há tempo. O verdadeiro fruto da conversão é a caridade para com o próximo, expressa em obras (cf. Is 58,6s). São Tiago alerta: “Haverá juízo sem misericórdia para aquele que não usou de misericórdia. A misericórdia triunfa sobre o julgamento” (Tg 2,13). “O inferno é o sofrimento de não poder mais amar” (Dostoievski). Somos donos de nossa história, mas não temos a última palavra sobre a nossa história. É Deus quem tem a última palavra. O juízo é dele.


P. Vitus Gustama,SVD

Nenhum comentário: