sábado, 22 de julho de 2017

24/07/2017
Imagem relacionada
Imagem relacionada
Resultado de imagem para Mt 12,38-42

APRENDER A VER O DEUS INVISÍVEL ATRAVÉS DAQUILO QUE É VISÍVEL PARA PODER ENCARAR O IMPOSSÍVEL


Segunda-Feira Da XVI Semana Comum


Primeira Leitura: Ex 14,5-18
Naqueles dias, 5 foi anunciado ao rei dos egípcios que o povo tinha fugido. Então, mudaram-se contra ele os sentimentos do Faraó e dos seus servos, os quais disseram: “Que fizemos? Como deixamos Israel escapar, privando-nos assim dos seus serviços?” 6 O Faraó mandou atrelar o seu carro e levou consigo o seu povo. 7 Tomou seiscentos carros escolhidos e todos os carros do Egito, com os respectivos escudeiros. 8 O Senhor endureceu o coração do Faraó, rei do Egito, que foi no encalço dos filhos de Israel, enquanto estes tinham saído de braço erguido. 9 Os egípcios perseguiram os filhos de Israel com todos os cavalos e carros do Faraó, seus cavaleiros e seu exército, e encontraram-nos acampados junto do mar, perto de Fiairot, defronte de Beel-Sefon. 10 Como o Faraó se aproximasse, levantando os olhos, os filhos de Israel viram os egípcios às suas costas. Aterrorizados, eles clamaram ao Senhor. 11 E disseram a Moisés: “Foi por não haver sepulturas no Egito que tu nos trouxeste para morrer no deserto? De que nos valeu ter sido tirados do Egito? 12 Não era isso que te dizíamos lá: ‘Deixa-nos em paz servir aos egípcios?’ Porque era muito melhor servir aos egípcios do que morrer no deserto”. 13 Moisés disse ao povo: “Não temais! Permanecei firmes, e vereis o que o Senhor fará hoje para vos salvar; os egípcios que hoje estais vendo, nunca mais os tornareis a ver. 14 O Senhor combaterá por vós, e vós, ficai tranquilos”. 15 O Senhor disse a Moisés: “Por que clamas a mim por socorro? Dize aos filhos de Israel que se ponham em marcha. 16 Quanto a ti, ergue a vara, estende o braço sobre o mar e divide-o para que os filhos de Israel caminhem em seco pelo meio do mar. 17 De minha parte, endurecerei o coração dos egípcios, para que sigam atrás deles, e eu serei glorificado às custas do Faraó, e de todo o seu exército, dos seus carros e cavaleiros. 18 E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando eu for glorificado às custas do Faraó, dos seus carros e cavaleiros”.


Evangelho: Mt 12,38-42
Naquele tempo, 38 alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: “Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti”. 39 Jesus respondeu-lhes: “Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas. 40 Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra. 41 No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas. 42 No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração, e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Sa­lomão”.
----------------------------
Crer Em Deus Firmemente Apesar Das Impossibilidades


Não temais! Permanecei firmes, e vereis o que o Senhor fará hoje para vos salvar; os egípcios que hoje estais vendo, nunca mais os tornareis a ver. O Senhor combaterá por vós, e vós, ficai tranquilos. São palavras de Moisés dirigidas ao povo dominado pelo medo por causa dos egípcios que os perseguem.


O relato da passagem do Mar vermelho que vamos ler também amanhã é um acontecimento chave ou é o melhor símbolo da libertação. Ainda que o caminho para a terra prometida esteja cheio de dificuldades, a passagem pelo Mar vermelho é o ato constitutivo do povo de Israel. Não é uma história cientifica, imparcial e sim um relato religioso em que aparece continuamente o fio condutor: Deus é fiel à sua promessa, salva seu povo e o guia. Quanto maior for uma dificuldade, como a passagem do Mar vermelho, maior será a proclamação da grandeza de Deus e Sua bondade para o povo. Dentro da grandeza de Deus é que se canta o Responsório hoje: “Ao Senhor quero cantar, pois fez brilhar a sua glória: precipitou no mar Vermelho o cavalo e o cavaleiro! O Senhor é a minha força, é a razão do meu cantar, pois foi ele neste dia para mim libertação! Ele é meu Deus e o louvarei, Deus de meu pai e o honrarei (Ex 15,1-6).


O relato gira em torno de um tema importantíssimo: a fé. Aqui a fé é entendida como resposta ao medo produzido por uns acontecimentos que parecem inevitáveis e insuperáveis.


O povo eleito se encontra entre o mar vermelho na sua frente e os inimigos egípcios por trás dele. O povo praticamente está encurralado e sem saída do ponto de vista humano. “Foi por não haver sepulturas no Egito que tu nos trouxeste para morrer no deserto? De que nos valeu ter sido tirados do Egito? Não era isso que te dizíamos lá: ‘Deixa-nos em paz servir aos egípcios?’ Porque era muito melhor servir aos egípcios do que morrer no deserto”, assim reclamou o povo hebreu diante de Moisés. O povo eleito quer a liberdade, mas lhe dá medo pelo preço que deve ser pago.


Mas quem acredita em Deus há sempre solução mesmo que ele se encontre diante de uma situação impossível do ponto de vista humano. Quem tem fé é capaz de ver o Invisível que se manifesta com força por meio das realidades visíveis. A fé em Deus nos faz crermos no incrível, vermos o Invisível e realizar o impossível. A fé em Deus nos dá capacidade de “ver” Deus e de nos deixar atrair por Ele.


Não temais! Permanecei firmes, e vereis o que o Senhor fará hoje para vos salvar; os egípcios que hoje estais vendo, nunca mais os tornareis a ver. O Senhor combaterá por vós, e vós, ficai tranquilos”, acalmou Moisés o povo hebreu. Diante de um povo que duvida e que tem medo, destaca-se a figura de Moisés como um homem de fé. Moisés exige do povo uma fé ilimitada. Moisés repete três vezes o verbo “ver”. O povo é convidado a abrir os olhos para ver as maravilhas de Deus. Ver teologicamente é entrar em contato com Deus através de tudo que se passa na vida. O Deus invisível se manifesta no visível. O olhar de fé é um olhar de esperança em que além de tudo está Deus. O olhar de fé vai além das aparências e dos acontecimentos para perceber o apelo de Deus neles e através deles.


A fé de Moisés é pura e inquebrantável. É uma confiança que se entrega. É uma fé com toda sinceridade e projetada sobre os demais como um testemunho irrebatível. Moisés se apoia somente na fé: “Não temais! Permanecei firmes, e vereis o que o Senhor fará hoje para vos salvar”. É a segurança que dá a fé. Mas esta segurança não tem nada a ver com a irresponsabilidade da vida sem ação nem com a espera fatalista. Não se pode esperar que o céu resolva tudo sem nossa colaboração. Diante do perigo não se pode ter medo nem vacilar.


Ergue a vara, estende o braço sobre o mar e divide-o para que os filhos de Israel caminhem em seco pelo meio do mar”, ordenou Deus a Moisés. Deus libertou o povo quando tudo indicava que isso era impossível. Precisamos da fé de Moisés para poder ver a presença de Deus naquilo que tem aparência impossível para ser resolvido.


Tudo Na Vida Fala De Deus. É Preciso Criar o Silêncio Para Captar Seu Significado


“Mestre, queremos um sinal realizado por Ti”.  


Sempre estamos tentados em fazer para Deus esta pergunta: “Senhor, queremos um sinal realizado por Ti”. Além disso, queremos ainda mais fazer uma ladainhas de perguntas para Deus. Por que Deus não escreveu seu Nome no céu para o ser humano ler e acreditar nele sem dificuldade? Por que Ele não nos dá uma prova expressa de Sua existência de maneira que nossa dúvida se torne impossível? Assim os ateus, os pagãos e os adeptos de qualquer religião ficariam tranquilos? Por que Deus não faz, então, este sinal? Simplesmente porque Deus não é o que pensamos.


A imagem de Deus que temos nem sempre é o próprio Deus. Até acontece muitas vezes que ficamos mais com uma suposta imagem de Deus do que com o próprio Deus. Agarramos, muitas vezes, uma suposta imagem de Deus do que o próprio Deus.  Deus é um Deus de amor (1Jo 4,8.16), e estamos sempre tentados a atribui-lhe outro papel. Deus não quer ser servidor dos caprichos dos homens. Deus é diferente e é o Diferente por excelência.


O sinal de Deus, por excelência, é a morte de Jesus na cruz por amor aos homens (Jo 3,16; 13,1) e a sua ressurreição, pois Deus é a Vida (Jo 14,6). É o mistério pascal de Jesus Cristo.


Pedimos “sinais” a Deus.  E ele nos dá muitos sinais na nossa vida; mas não sabemos vê-los nem sabemos interpretá-los. O mundo e a história estão cheios de sinais de Deus. Um dos objetivos da “revisão de vida” é o de aprender uns dos outros a ver e a ler os sinais de Deus nos acontecimentos e na própria vida de cada um de nós. Deus trabalha no mundo. Nele é que o mistério pascal continua se realizando. Deus nos dá sinais, mas são sinais discretos e não espetaculares. É preciso ter muita serenidade para captar e entender os sinais de Deus na nossa vida e os sinais que estão ao nosso redor.


Deus está tão próximo de Deus. “Estava no mundo e o mundo não O conheceu”, escreveu são João (Jo 1,10). Deus continua atuando nos olhos dos que choram, nos que sofrem por serem justos, honestos, e verdadeiros; nos que trabalham pela paz apesar da resistência diante da reconciliação; em quantos trabalham pela erradicação da fome e da pobreza apesar da exploração e da corrupção de alguns grupos insensíveis às questões sociais; em todo o homem e a mulher que procuram Deus com coração sincero apesar das dores encontradas na vida. A sua vontade de rezar e de meditar a Palavra de Deus é sinal de que o Espírito de Deus continua atuando em você. O Espírito de Deus continua atuando em você quando reza por si e pelos outros; está em quantos estão sempre prontos para ajudar quem está em necessidade. Numa palavra, em tudo o que é bondade e amor, paz e bem porque tudo isto é reflexo e semente do sinal básico do sacramento perene do próprio Deus. Em tudo que aconteceu e acontece e acontecerá na nossa vida Deus quer nos dizer alguma coisa a respeito de nossa salvação, mas que nem sempre sabemos criar o silêncio para ouvir a mensagem de Deus. O silêncio é o vazio fecundo que possibilita a presença do Eterno, ou da Plenitude na nossa vida.


Jesus não quer que nossa fé se baseie unicamente nas coisas maravilhosas e sim na Sua Palavra: “Se vocês não vissem sinais, não acreditariam” (Jo 4,48). Temos sorte do dom da fé. Para crer em Jesus Cristo não necessitamos de milagres novos. Basta ter a fé, seremos felizes (Jo 20,29; cf. Hb 11,1). Sua ressurreição é suficiente para qualquer cristão. A ressurreição de Jesus é o maior de todos os milagres que nos leva a termos a esperança de que temos um futuro com Deus. A fé não é ciosa de provas exatas, nem se apoia em novas aparições nem em milagres espetaculares ou em revelações pessoais. Jesus já nos felicitou: “Felizes os que creem sem terem visto” (Jo 20,29). Deus está muito mais no nosso coração do que na nossa cabeça. O coração sente aquilo que os olhos não veem. Deus cabe no nosso coração e não na nossa cabeça.


O Concilio Vaticano II, através de um dos seus famosos documentos, chamado Gaudium et Spes, afirma: “é dever da Igreja investigar a todo o momento os sinais dos tempos, e interpretá-los à luz do Evangelho; para que assim possa responder, de modo adaptado em cada geração, às eternas perguntas dos homens acerca do sentido da vida presente e da vida futura, e da relação entre ambas. É, por isso, necessário conhecer e compreender o mundo em que vivemos, as suas esperanças e aspirações, e o seu caráter tantas vezes dramático” (GS, no.4).


Para Refletir: ONDE ESTÁ TEU DEUS?


“Deus está ali; naquele cantinho mais secreto da tua vida, aonde ninguém chega, em que uma voz que não sabes donde vem, nem para onde vai, te diz o que não querias ouvir, te recorda o que desejarias ter esquecido, te profetiza o que nunca desejarias saber. Nessa voz que não ouves, mas que te desaprova. Nessa voz que não é tua, mas que nasce em ti e que nem o sono, nem o barulho, nem a bebida, nem a carne conseguem fazer calar. Está nessa resposta que ainda não te atrevestes a dar e que verificas ir ser dolorosa mas eficaz, como uma operação cirúrgica. Deus está nesse abismo profunda da tua incredulidade. É aquilo que lamentas ter perdido, que temes reencontrar e que quererias possuir, ainda que te envergonhes de o confessar aos outros. Deus está no gozo do bem que fizeste sem que ninguém o soubesse. Deus está na paz do lago sereno das tuas lágrimas quando te reconcilias com a tua consciência e que te dá a sensação de renasceres. Deus está em todo o gesto de amor. Está em cada mão que se abre para o bem. Está no trabalho que te sensibiliza para a vida, que te fortalece para o amor. Está em todo o bem que desejas para os que amas. Está nas coisas mais insignificantes que te podem dar serenidade. Deus está em tudo que não chamas Deus, mas que te sentes tentado a adorar, a beijar, a abraçar. Está no gosto da inocência intacta. Deus está nessa força misteriosa que nos mantém vivos, que nos impede de enlouquecer, que nos evita o suicídio depois de certas provas dramáticas da vida, depois de certos desgostos mais cruéis e trágicos do que a morte. Deus está no coração de toda a verdadeira esperança; a esperança pode, por vezes, esconder-se como as estrelas, mas nunca apagar-se porque é o reflexo do sol e o sol não “morre” porque é a luz de Deus. E Deus não fecha os olhos a ninguém. Se o fizesse, não seria o Amor. Por isso, Deus está sobretudo onde reina o amor” (Juan Arias: O Deus Em Quem Não Creio).


P. Vitus Gustama,svd

sexta-feira, 21 de julho de 2017




Domingo,23/07/2017
Imagem relacionada

CONFIEMOS EM DEUS, POIS ELE TEM A ÚLTIMA PALAVRA PARA NOSSA VIDA: PALAVRA QUE SALVA


XVI Domingo Comum Ano “A”


Primeira Leitura: Sb 12,13.16-19
13Não há, além de ti, outro Deus que cuide de todas as coisas e a quem devas mostrar que teu julgamento não foi injusto. 16A tua força é princípio da tua justiça, e o teu domínio sobre todos te faz para com todos indulgente. 17Mostras a tua força a quem não crê na perfeição do teu poder; e nos que te conhecem, castigas o seu atrevimento. 18No entanto, dominando tua própria força, julgas com clemência e nos governas com grande consideração; pois, quando quiseres, está ao teu alcance fazer uso do teu poder. 19Assim procedendo, ensinaste ao teu povo que o justo deve ser humano; e a teus filhos deste a confortadora esperança de que concedes o perdão aos pecadores.


Segunda Leitura: Rm 8,26-27
Irmãos: 26O Espírito vem em socorro da nossa fraqueza. Pois nós não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis. 27E aquele que penetra o íntimo dos corações sabe qual é a intenção do Espírito. Pois é sempre segundo Deus que o Espírito intercede em favor dos santos


Evangelho: Mt 13,24-43
Naquele tempo, 24Jesus contou outra parábola à multidão: “O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. 27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?’ 28O dono respondeu: ‘Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’ 29O dono respondeu: ‘Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!’” 31Jesus contou-lhes outra parábola: “O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. 32Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos”. 33Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. 34Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, 35para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”. 36Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Explica-nos a parábola do joio!” 37Jesus respondeu: “Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. 39O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifeiros são os anjos. 40Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: 41o Filho do Homem enviará seus anjos, e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; 42e depois os lançarão na fornalha de fogo. Aí haverá choro e ranger de dentes. 43Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça”.
------------------
O Reino de Deus É Um Acontecimento Cotidiano


Estamos ainda no terceiro discurso de Jesus sobre o Reino dos Céus em parábola (Mt 13). “O Reino dos Céus é como...”, assim Jesus disse.


O Reino de Deus se parece como uma rede que se joga no mar e apanha todo tipo de peixes. Quando está cheia se arrasta para a margem. O Reino de Deus se parece como um tesouro escondido num campo que, ao encontrá-lo, o homem vende tudo o que tem para comprar o campo onde se encontra o tesouro. O Reino de Deus se parece como uma semente de mostarda que o homem semeou no campo que vira uma planta maior onde os pássaros podem fazer seus ninhos. O Reino de Deus se parece como o fermento que uma mulher mistura com a massa e esta cresce. Tudo isso quer nos dizer uma coisa: O Reino de Deus se parece sempre a um sucesso. Confiar em Deus sempre termina na salvação que é o sucesso maior para um ser humano.


O Reino de Deus não é um lugar, nem uma coisa, nem uma organização imponente. Por isso, o Reino de Deus não está circunscrito geograficamente, nem institucionalmente, nem sequer pode dizer-se com precisão. O Reino de Deus é um acontecimento, é algo que sucede em qualquer parte dentro deste mundo. Para entrar nele não é necessário mudar de profissão, nem sair de um lugar para outro lugar ou de uma Igreja para outra Igreja, nem abandonar o mundo. O mais importante e essencial é mudar de vida, pois o Reino de Deus é uma vida nova, uma vida com Deus, uma vida de sucesso, uma vida de salvação. O princípio desta vida está em Deus. Deus tem a iniciativa, pois Ele quer nos salvar por amor. Cristo é o princípio e a origem deste acontecimento que chamamos Reino de Deus. A partir de Cristo, algo passa no mundo, ainda que ninguém o note, pois o Reino de Deus acontece no silêncio. No silêncio Deus tem oportunidade para nos falar e para falar sobre nós. No silêncio da Cruz, no silêncio da semente que se morre, no silêncio do fermento que fermenta a massa. Do silêncio sai o resultado surpreendente para a humanidade. O silêncio é o início de uma obra prima.


Semente/grão, massa, fermento e pão, rede e peixe, tesouro incalculável encontrado. Tudo isto tem a ver com a vida do homem, com sua subsistência. Toda vez que Deus fala, toda vez que a Palavra de Deus é proclamada é porque tudo tem a ver com a salvação do homem.


Onde há um homem que vive para os demais, onde um homem que defende a justiça, onde há uma mulher que se sacrifica para que um ser possa viver, onde há um enfermo que sofre com esperança e fé, um jovem que busca a verdade, que busca um caminho correto, um ancião que olha com serenidade o futuro, um governante ou político que reconhece seus erros para dar o melhor para a sociedade, e assim por diante, ali não passam somente coisas da vida; ali acontece o Reino de Deus.


O evangelho deste domingo apresenta três parábolas do Reino: a do joio com a explicação da parábola(vv.24-30.36-43); e a dupla parábola do grão de mostarda e do fermento(vv.31-35).


O Joio No Meio Do Trigo: a Paciência de Deus É a Salvação Do Homem (vv.24-30.36-43)


A parábola do joio é exclusiva de Mateus (encontra-se também no Evangelho de Tomé). O termo grego para o joio, de origem semita, é “zizánion”. O joio é uma planta da família das gramíneas (lolium temulentum) que cresce no meio do trigo que dificilmente se distingue do bom trigo durante o seu crescimento; só se vê a diferença nas espigas. As espigas do trigo alimentam o homem (animal), enquanto o joio produz uma espiga de grãos escuros de efeito altamente tóxico. Mas, na verdade, não há necessidade saber da espécie de erva parasita que Jesus fala nessa parábola; basta saber que se trata de uma planta nociva.


Esta parábola conta uma cena da vida cotidiana: o dono do campo que semeia a boa semente, o inimigo que prejudica o campo de trigo ao semear o joio, as relações entre o patrão e os empregados. Tudo parece normal, exceto a surpreendente reação do dono do campo: deixar que ambos (joio e trigo) cresçam juntos. A atitude do dono, evidentemente, chama a atenção dos ouvintes, porque a atitude normal é arrancar logo o joio para que o trigo possa crescer saudavelmente a fim de produzir boas espigas. O dono sabe que o joio pode impedir ou dificultar o crescimento do trigo, mas os dois parecem muito ao princípio e é possível que ao arrancar o joio, arranquem também o trigo. O dono quer que se espere o tempo da colheita para separar o trigo do joio.


Evidentemente a parábola do joio orienta-se para o fim dos tempos, pois ela trata do juízo final, que introduz o Reino de Deus. Nesta parábola rejeita-se expressamente a ideia duma separação antes do tempo, e exorta-se à paciência até chegar o tempo da colheita. Os homens não estão absolutamente em condição de fazer esta separação (v.29), pois ao fazer separação que é a competência de Deus, os homens cairiam em erros de julgamento e os dois (joio e trigo) acabam morrendo juntos, pois quem julga o outro, cai também no julgamento (Mt 7,1).


Infelizmente a tendência espontânea dos homens é a de repartir a humanidade em duas categorias: os bons e os maus. E os maus sempre são os outros e os bons sempre somos nós. Por isso, somos intolerantes para as faltas alheias, mas muito amigos de nos autojustificarmos e muito ligeiros a desculpar-nos. Que as bênçãos de Deus caiam sobre nós e nossa família, e as maldições sobre os maus, sobre os inimigos, sobre os criminosos e corruptos, ladrões e bandidos. Com isso, somos maus do mesmo jeito. Com esta atitude os homens, no fundo até inconsciente, tem uma tendência espontaneamente sectária e intolerante. O outro o amedronta enquanto não se tornou seu “semelhante”. O mal e o bem não estão só fora de nós, mas dentro do nosso coração. Ao esquecermos isto, nos constituímos juízes dos outros. Ninguém pode ter a presunção de ser trigo limpo, porque ninguém é tão bom que não tenha algum joio. Somente Deus é bom plenamente (Mc 10,18).  


Através desta parábola Jesus quer revelar também a paciência de um Deus que adia o julgamento (vv.28-30) a fim de deixar ao pecador o tempo para se converter. A porta da misericórdia está aberta até os últimos minutos da vida do homem. Apesar de ter na sua mão todo o poder, Deus se mostra tolerante e paciente para com a sua criatura, o homem, que é débil e pecador. Ele não exclui ninguém do Reino: todos são convocados até o último minuto, todos podem entrar nele até no último minuto de sua vida (cf. Lc 23,40-43). A cólera não é a última palavra da manifestação divina. O perdão sempre prevalece sobre quem se converte. A paciência divina está aberta para todos aqueles se convertem.


Por sua atitude durante toda a sua vida, Jesus encarna a paciência de Deus em relação aos pecadores. Não existe pecado que não possa ser perdoado por Deus, se o pecador se converter; nenhum pecado arranca o homem do poder misericordioso de Deus. O perdão de Deus deixa as sombras para trás na vida do homem. Perdão é o momento de entrar na luz divina diante da qual tudo se torna claro.


O segredo desta paciência de Jesus é o amor. Jesus ama o Pai com o mesmo amor com que é amado, pois é o Filho. Jesus ama os homens com o mesmo amor com que o Pai os ama. Talvez a expressão joanina seja melhor para descrever o amor de Jesus: “...amou-os até o fim” (Jo 13,1). Jesus ama os homens até em seu pecado. Foi o pecado dos homens que conduziu Jesus à cruz. No momento supremo em que o desígnio divino parece comprometido pela atitude dos homens, o amor se faz totalmente misericordioso: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem” (Lc 23,34). Jesus, realmente, amou os homens até o fim. Segundo o evangelista Lucas, a última palavra de Jesus para o homem é o perdão. A última palavra de Jesus para o Deus Pai é a entrega total de sua vida: “Pai, em tuas mãos entrego meu espirito”.


Por ser membro do Corpo de Cristo, todos nós temos a missão de encarnar a paciência de Jesus. É na paciência que se conquista a vida (Lc 21,19). A paciência não é passividade. A paciência é resistir com firmeza. A paciência é o período entre o semear e o colher. A paciência é uma virtude dos fortes e prudentes.


Nossa tarefa neste mundo não é a de repartir os homens entre os bons e os maus, embora ninguém escape da tentação de intolerância e da impaciência, mas a de revelar o amor misericordioso de Deus. Ninguém por si tem o direito de se constituir critério para o seu irmão. Não o irmão justo é o nosso critério, mas o Deus santo e misericordioso. Aqui na terra, o trigo está sempre misturado com o joio, e a linha de demarcação entre um e outro passa em todo homem. O cristão e a cristã são chamados a exercer sua função como pedra insubstituível na construção do Corpo de Cristo e a cooperar de modo original na realização da história da salvação. Quando o cristão não se tornar mais o sinal do amor de Deus, a missão automaticamente degrada-se em propaganda ou em tentativa de autopromoção. Para isso, temos que nos renovar sem cessar por dentro através do alimento da Palavra de Deus e da Palavra que se faz carne na Eucaristia.


Além disso, essa parábola serve de exortação para todos os cristão. Deus deixa conviver os bons com os maus, sem pressa de fazer juízo. E nessas circunstâncias não sabemos se fazemos parte do grupo dos bons ou do dos maus; se somos do trigo ou do joio. Mas como Deus tem paciência, sempre é tempo de tentarmos produzir alguma coisa positiva, e rendermos para a vida presente e para a vida eterna. 


A Dupla Parábola Do Grão De Mostarda E Do Fermento: Com Deus Tudo Terminará Com Sucesso (vv.31-35)


As duas parábolas (grão de mostarda e fermento) são muito parecidas em seu conteúdo e sua forma. A mostarda é uma planta que atinge facilmente uma altura de mais de dois metros e é cultivada por causa de seus grãos. As sementes são muito pequenas: não mais de um milímetro de comprimento. O fermento é bem conhecido no mundo culinário para fermentar a massa a fim de que ela cresça mais depressa.  Um pouco de fermento pode fazer crescer uma grande quantidade de massa.


O aspecto mais chamativo nestas duas parábolas é o contraste que existe entre a situação inicial e o resultado final. Um grão de mostarda, sendo a mais pequena das sementes, pode fazer surgir uma “árvore” grande, e o mesmo acontece com o fermento que tem capacidade para fazer fermentar uma grande quantidade de massa.


Através destas parábolas, Jesus fala da presença do Reino que está começando a chegar: embora sua presença seja germinal e sua aparência seja insignificante, mas leva dentro de si uma força transformadora e seu crescimento será irreversível. Ambas as parábolas acentuam a desproporção entre os princípios insignificantes do Reino e o seu esplendoroso final. Ainda assim, cada uma das parábolas tem seu matiz próprio: a do grão de mostarda fala do crescimento do Reino em extensão, e a do fermento em intensidade. Jesus quer nos dizer que o Reino de Deus é uma realidade oculta e quase imperceptível no seu desenvolvimento, tão lento que os nossos olhos não podem vê-lo no instante em que se está produzindo. Só com comprovações distanciadas no tempo podemos verificar o seu crescimento, como se passa com as crianças e as plantas.


Com estas parábolas o Senhor quer, então, difundir esperança e ânimo a seus discípulos e todos os seus seguidores. Os seguidores não devem admitir nunca o desalento nem o pessimismo derrotista. O Reino de Deus chega indefectivelmente, graças a Cristo ressuscitado e ao seu Espírito. Esta é o fundamento de nossa esperança. É importante que ninguém segure eternamente a semente na mão, deve plantá-la para torná-la uma árvore; como também o fermento, deve misturá-lo com a massa, para torná-lo junto com a massa em pão saboroso.


Por outro lado, Jesus justifica seu modo de evangelizar que não correspondia às expectativas de triunfalismo e espetacularidade com que os judeus imaginavam a irrupção do Reino de Deus na era messiânica. O crescimento do Reino de Deus segue um processo desconcertante para a nossa impaciência e intolerância. Ele não permite o derrotismo pessimista nem o desespero, porque o êxito final é de Deus, que tem nas suas mãos as chaves da história humana. Não cabe ao cristão ficar decepcionado porque o resultado não aparece logo. Não é o jardineiro que faz crescer a árvore e as flores: ele rega, aduba e protege, mas a força vem de dentro, da própria semente. O jardineiro não pode parar de plantar, regar, adubar e proteger. Todos nós somos jardineiros da semente do Reino de Deus.


P. Vitus Gustama,SVD

quinta-feira, 20 de julho de 2017

22/07/2017
Resultado de imagem para “Mulher a quem procuras?”.
MARIA MADALENA:
SEU AMOR E SEU PRANTO POR JESUS


22 de Julho
O que procurais? (Jo 1,38); A quem procuras? (Jo 20,15).
----------------------
Primeira Leitura: Ct 3,1-4a
Eis o que diz a noiva: 1 Em meu leito, durante a noite, busquei o amor de minha vida: procurei-o, e não o encontrei. 2 Vou levantar-me e percorrer a cidade, procurando pelas ruas e praças, o amor de minha vida: procurei-o, e não o encontrei. 3 Encontraram-me os guardas que faziam a ronda pela cidade. “Vistes porventura o amor de minha vida?” 4ª E logo que passei por eles, encontrei o amor de minha vida.


Evangelho: Jo 20,1-2.11-18
1 No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2 Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 11 Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12 Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. 13 Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14 Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15 Jesus perguntou-lhe: Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”. 16 Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabunni” (que quer dizer: Mestre). 17 Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18 Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor”, e contou o que Jesus lhe tinha dito. (Jo 20,1-2.11-18)
____________________


Maria Madalena: Do Seu Primeiro Encontro com Jesus. Este é um dos personagens bíblicos escritos pelo famoso escritor libanês, Khalil Gibran, no seu livro: Jesus, o Filho do Homem. No encontro com Maria Madalena, Khalil Gibran colocou na boca de Jesus as seguintes palavras dirigidas a Maria Madalena: “Tu tens muitos amantes; entretanto só eu te amo. Os outros homens amam a si mesmos quando te procuram. Eu ti amo por ti mesma. Os outros homens veem em ti uma beleza que desaparecerá mais cedo do que seus próprios anos. Mas eu vejo em ti uma beleza que não esmaecerá e, no outono dos teus dias, esta beleza não terá receio de olhar-se no espelho, e não será ofendida. Somente eu amo o que não se vê em ti”.


Khalil Gibran colocou na boca de Maria Madalena as seguintes palavras como sua reação diante da pessoa e das palavras de Jesus: “Então, levantou-se e olhou-me como as estações devem olhar para os campos, e sorriu. E disse novamente: ‘Todos os homens te amam por si mesmos. Eu te amo por ti mesma’. E afastou-se, caminhando. Eu não sabia, mas naquele dia o poente de Seus olhos matou o dragão que havia em mim, e tornei-me uma mulher, tornei-me Miriam”.


Celebramos no dia 22 de julho a festa de Maria Madalena. “Maria” significa “preferida por Deus”. Seu sobrenome “Madalena” é o nome da cidade onde ela nasceu, situada na orla do mar da Galileia.


Dela sabemos muito pouco, mas os traços, que nos oferece o evangelho, nos permitem adentrarmos no mistério de “um amor muito mais forte do que a morte”, como nos relatou o episódio do evangelho lido neste dia. A frase “Encontrei o amor de minha vida” que nos diz o Livro do Cântico dos Cânticos parece-nos apropriada para resumir a trajetória pessoal de Maria Madalena. Quem experimenta o amor de Cristo vê as coisas de outra maneira, vê a morte da vida velha ou vê a morte da vida passada para experimentar a vida nova. Por causa dessa nova visão a pessoa acaba mudando de vida (maneira de viver). Maria Madalena viveu essa experiência em seu encontro pessoal com Jesus. Tão profundo e tão decisivo foi o primeiro encontro com Jesus que tornou a vida de Maria Madalena uma busca incessante do Bem Maior que é Jesus Cristo como relatou o evangelho deste dia. Somente busca o Bem Maior aquele que foi encontrado pelo Bem Maior. Parece-nos que o Salmo Responsorial foi feito para esse fim: “A minha alma tem sede de vos, Senhor, minha carne também vos deseja como terra sedenta e sem água!... Vosso amor vale mais do que a vida, e por isso, meus lábios vos louvam” (Sl 62/63,1-2).


Que o amor que transformou Maria Madalena em uma buscadora do Senhor fica patente na pergunta que o Ressuscitado lhe dirigiu: “Mulher a quem procuras?”. Chamam nossa atenção duas coisas. A primeira é que esta pergunta-chave é precedida por outra pergunta: “Mulher, por que choras?”. Como se a intensidade da busca/procura fosse proporcional à magnitude da perda. Somente choramos por aquilo que nos afeta profundamente, seja por causa da tristeza profunda, seja por causa da alegria profunda, seja por causa da partida de uma pessoa tão amada. O pranto de Maria Madalena é um certificado de um amor direto ao coração. Choramos por causa de alegria profunda como choramos por causa de uma tristeza profunda. O choro é a única linguagem capaz de expressar tudo que sentimos profundamente em lagrimas que nenhuma outra língua capaz de expressar.


O pranto de Maria Madalena, como o de Pedro durante a Paixão é fruto de uma descoberta da verdade. Por isso, trata-se de um pranto salutar, de um pranto que exprime o que não pode ser expresso por nenhuma palavra humana. O pranto de Maria Madalena nasce do sentimento de pertença. Ela chora por estar em relação com Jesus que em determinado momento desaparece. Ela tem sentimento de pertencer a Cristo, a relação com define sua vida. Ela é como é agora por causa de Cristo que devolveu sua dignidade.


A segunda coisa que chama atenção é a mudança de termos. Para o pranto se busca uma causa: “Por que choras?”. Ou “Por qual razão tu choras”. O que se busca na pergunta é a causa do pranto. Mas para a busca se faz referência a uma pessoa: “A quem procuras?”. Maria Madalena não busca um ideal, não uma causa pela qual lutar, não busca um sentido, pois tudo isto vem por acréscimo. Maria Madalena busca Aquele que, olhando-a de outra maneira, restituiu-a em sua dignidade de mulher. Ela busca Aquele a Quem seguia pelos caminhos da Galileia em companhia de outros homens e mulheres. Ela busca Aquele que foi cravado em uma madeira e abandonado quase por todos, exceto ela e a própria mãe de Jesus e algumas outras pessoas (cf. Jo 19,25). Ela busca Aquele que lhe garante um futuro seguro. Ela busca Aquele que tem a última palavra para sua vida e sua morte. Ela busca Aquele que é capaz de lhe dar a serenidade apesar de estar no meio das tempestades desta vida.


“Jesus lhe disse: ‘Maria’”. Jesus escolhe a maneira mais pessoal e a mais imediata: chama-a pelo nome “Maria”. Para cada um de nós Deus tem nome, por anônima que seja uma pessoa na sociedade. E Deus nos chama pelo nome: “Eu te chamo pelo nome, és meu”, disse Deus para cada um de nós (Is 43,1). “Eis que estás gravada na palma de minhas mãos, tenho sempre sob os olhos tuas muralhas”, acrescentou Deus (Is 49,16). Quando estivermos dominados pelas preocupações, pelo medo, pela tristeza, pelo desespero, pela confusão; quando trilharmos pelo caminho errado, quando compactuarmos com o mal ou com a maldade; quando ficamos irritados, nervosos com a vontade de destruir tudo, Deus nos chama pelo nome: Maria, Valéria, Mônica, Bernardo, Lucas, João, José...! Deus quer nos dizer: “Ei.. Estou aqui! Não estás Me vendo? Dirige teus olhos para Mim, e não para o túmulo de tua vida!”.


Merecem nossa atenção e nossa meditação para duas perguntas essenciais encontradas no evangelho de João para nossa vida e nossa peregrinação neste mundo: “O que realmente você está procurando neste mundo?”. Esta pergunta é feita por Jesus logo no início do evangelho de João: “Que estais procurando?”. É a pergunta dirigida aos primeiros discípulos no evangelho de João (Jo 1,37). 


Parece-me que dedicamos bastante tempo de nossa vida em função da procura do “o quê” de nossa vida. Uma vez Oscar Wilde escreveu: “Neste mundo só há duas tragédias: uma é não se conseguir o que se quer, a outra é conseguir”. Mas no fim confessamos que o dinheiro e o poder não satisfazem aquela fome sem nome que temos na alma. Carl Gustav Jung escreveu no seu livro: O Homem Moderno à Procura de Uma alma, escreveu: “O problema de cerca de um terço de meus pacientes não é diagnosticado clinicamente como neurose, mas resulta da falta de sentido de suas vidas vazias. Isto pode ser definido como a neurose geral de nossa época”. O que nos frustra e tira nossa alegria de viver é a ausência do significado de nossa vida. Nossa alma não está sedenta de poder, de fama, de popularidade, de conforto, de propriedades e assim por diante. Nossa alma tem fome do significado da vida, ou de aprendermos a viver de tal modo que nossa existência ou nossa passagem neste mundo tenha importância ou significado capaz de modificar ou de melhorar o mundo, pelo menos, ao nosso redor.




Através dessa primeira pergunta o evangelista João nos dirige para a pergunta essencial que ele coloca no fim do seu evangelho. A pergunta é esta: “A quem procuras?”. De fato, as coisas, as riquezas, os bens materiais mesmo que os possuamos, eles continuam sendo alheios a nós. Eles jamais serão nossos próximos. No fim confessamos que estamos procurando Alguém capaz de nos salvar de uma vida vazia. A resposta que o evangelista nos dá é Jesus: “Jesus fez ainda, diante de seus discípulos, muitos outros sinais, que não se acham escritos neste livro. Esses, porém, foram escritos para crerdes que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (Jo 20,30-31; cf. Jo 10,10; 14,6).


O que estais procurando?” e “A quem estais procurando?”. Como é que você pode colocar em equilíbrio estas duas perguntas na sua vida cotidiana para que sua vida realmente tenha sentido? Você enfatiza mais na pergunta “O que estais procurando?” ou “A quem estais procurando?”.


Para Refletir:


“Onde é que Te encontrei para poder conhecer-Te (Senhor)? Não estavas na minha memória antes de eu Te conhecer. Onde, então, Te encontrei, para conhecer-Te, senão em Ti mesmo, acima de mim?


Eis que habitavas dentro de mim e eu Te procurava do lado de fora! Tu me chamaste, e Teu grito rompeu a minha surdez. Fulguraste e brilhaste e Tua luz afugentou a minha cegueira. Espargiste tua fragrância e, respirando-a, suspirei por Ti. Eu Te saboreei, e agora tenho fome e sede de Ti. Tu me tocaste, e agora estou ardendo no desejo de Tua paz.


Fizeste-nos para Ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em Ti. Dá-me, Senhor, saber e compreender qual seja o primeiro: invocar-Te ou louvar-Te... Quem O procura O encontra, e, tendo-O encontrado, O louvará”.  (Santo Agostinho. Confissões, X,26-27; I,1).
 
P. Vitus Gustama,svd

quarta-feira, 19 de julho de 2017

21/07/2017
Resultado de imagem para Exodo 12,1-14Resultado de imagem para páscoa judaicaResultado de imagem para Mt 12,1-8
A SALVAÇÃO DO SER HUMANO ESTÁ ACIMA DE QUALQUER LEI POR SAGRADA QUE ELA PAREÇA SER


Sexta-Feira da XV Semana Comum


Primeira Leitura: Ex 11,10-12,14
Naqueles dias, 11,10 Moisés e Aarão realizaram muitos prodígios diante do Faraó; mas o Senhor endureceu o coração do Faraó, e ele não deixou que os filhos de Israel saíssem da sua terra. 12,1 O Senhor disse a Moisés e a Aarão no Egito: 2 “Este mês será para vós o começo dos meses; será o primeiro mês do ano. 3 Falai a toda a Comunidade dos filhos de Israel, dizendo: ‘No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro por casa. 4 Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais, conforme o tamanho do cordeiro. 5 O cordeiro será sem defeito, macho, de um ano. Podereis escolher tanto um cordeiro, como um cabrito: 6 e deveis guardá-lo preso até o dia catorze deste mês. Então toda a Comunidade de Israel reunida o imolará ao cair da tarde. 7 Tomareis um pouco do seu sangue e untareis os marcos e a travessa da porta, nas casas em que o comerdes. 8 Comereis a carne nessa mesma noite, assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas. 9 Não comereis dele nada cru, ou cozido em água, mas assado ao fogo, inteiro, com cabeça, pernas e vísceras. 10 Não deixareis nada para o dia seguinte: o que sobrar devereis queimá-lo ao fogo. 11 Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a páscoa, isto é, a Passagem do Senhor! 12 E naquela noite passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até os animais; e infligirei castigos contra todos os deuses do Egito, eu, o Senhor. 13 O sangue servirá de sinal nas casas onde estiverdes. Ao ver o sangue passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora, quando eu ferir a terra do Egito. 14 Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua’”.


Evangelho: Mt 12,1-8
1 Naquele tempo, Jesus passou no meio de uma plantação num dia de sábado. Seus discípulos tinham fome e começaram a apanhar espigas para comer. 2 Vendo isso, os fariseus disseram-lhe: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!” 3 Jesus respondeu-lhes: “Nunca lestes o que fez Davi, quando ele e seus companheiros sentiram fome? 4 Como entrou na casa de Deus e todos comeram os pães da oferenda que nem a ele nem aos seus companheiros era permitido comer, mas unicamente aos sacerdotes? 5 Ou nunca lestes na Lei, que em dia de sábado, no Templo, os sacerdotes violam o sábado sem contrair culpa alguma? 6 Ora, eu vos digo: aqui está quem é maior do que o Templo. 7 Se tivésseis compreendido o que significa: ‘Quero a misericórdia e não o sacrifício’, não teríeis condenado os inocentes. 8 De fato, o Filho do Homem é senhor do sábado”.
-------------------
Páscoa: Passagem Do Senhor Para Salvar


“Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a páscoa, isto é, a Passagem do Senhor!”.


Continuamos a acompanhar a leitura do livro de Êxodo. A leitura dos capítulos 4 a 11 do livro é suspensa onde se falam do estado das famílias israelitas no Egito, da missão de Moisés diante de Faraó para deixar os israelitas irem embora do Egito, das pragas sobre o Egito como sinais de Deus e da preparação acelerada na organização da saída do povo do Egito.


Hoje, na Primeira Leitura lemos a cena pascal, (noite da Páscoa), que é o relato fundacional de uma prática que se mantém até hoje. O relato termina assim: “Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua”. Para o povo judeu, celebrar a Páscoa era uma “memória subversiva”. Não é somente a recordação da libertação da opressão egípcia e sim para continuar experimentando a mão do Senhor no presente. A Páscoa é sempre hoje para o povo judeu.


A Páscoa, a passagem do Senhor para salvar, será para todo o AT a grande festa, a primeira e mãe de todas as festas do povo hebreu. De uma maneira dinâmica e viva na Páscoa está a síntese de toda a fé e de toda a esperança do povo eleito. Com efeito, a Páscoa é um “credo em ação”. Mais do que um ensinamento sobre Deus que liberta, é uma experiência da liberdade que Deus e somente Deus pode conceder. Na Páscoa se recorda e faz presente, se proclama e se reconhece Deus em toda a força de seu poder, em toda a imensidade de sua ternura, em toda a grandeza de seus desígnios e em toda a perfeição de suas obras.


A Páscoa é a grande prova de amor de Deus para seu povo, o amor que faz o que parece impossível. O Deus da Páscoa é o Deus solícito pelo seu povo, próximo às dores daqueles que lhe pertencem, atento à tribulação de seus filhos, zeloso pelo bem do seu rebanho. Por sua parte, o povo pascal é aquele que confia no seu Criador e Redentor; é o povo que reconhece sua pequenez, mas também a grandeza de seu Deus; admite sua debilidade, mas conhece a força do seu Senhor; é humilde e confessa seu pecado, mas sabe que Deus pode apagar o pecado para quem se converte, pois Ele é misericordioso.


Falai a toda a Comunidade dos filhos de Israel, dizendo: ‘No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro por casa. Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais, conforme o tamanho do cordeiro”. Assim fala o Senhor.


A ceia pascal é um encontro de irmãos que revivem os laços perdidos durante a escravidão, o sangue os liberta do exterminador. É um chamado à unidade e à solidariedade acima dos individualismos egoístas. É um momento de consolidar o grupo/família.


A experiência de Israel na primeira Páscoa nos ajuda a entendermos toda a riqueza da segunda, a Páscoa de Jesus que celebramos na Eucaristia. E somos encarregados para celebrar o memorial desta Páscoa na Eucaristia. Toda vez que celebramos a Eucaristia, o próprio Senhor, agora Ressuscitado, nos faz participarmos em seu passo da morte à vida, nos faz entrarmos em Sua Páscoa. Na nossa passagem diária da escravidão do pecado para a liberdade de filhos de Deus, nós nos apoiamos no alimento que é o Corpo de Cristo entregue por nós e seu Sangue derramado por nós. Ele é o Cordeiro cuja Carne nos alimenta e cujo sangue nos salva, pois tem poder de remissão dos pecados. Em cada Eucaristia atualizamos o mistério pascal do Senhor Jesus Cristo. Na Eucaristia nos unimos ao redor da mesma mesa, comemos do mesmo pão e nos comprometemos em manter união ou comunhão de irmãos.


Páscoa significa passo, passagem, trânsito. Para nós cristãos a verdadeira Páscoa se cumpriu em Cristo Jesus: “Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai...” (Jo 13,1). Jesus atravessou as águas da morte para entrar na nova existência para a qual ele nos conduz, como Moisés que conduziu o povo eleito da escravidão do Egito para a libertação e a liberdade. Desta Páscoa, acontecimento repetível, sua morte e ressurreição nos faz participes já no dia de nosso Batismo: "Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova" (Rm 6,4).


A Vida Humana É Maior Do Que Qualquer Lei                             


Com este capitulo (Mt 12) começam as controvérsias entre Jesus e os fariseus. Desta vez a controvérsia gira em torno da observância do Sábado.


A observância do Sábado era entre os principais mandamentos. Era tão importante como todos os mandamentos juntos. Todo trabalho era proibido (cf. Dt 5,14). Tinha uma lista de 39 trabalhos proibidos no Sábado. E cada um desses 39 trabalhos proibidos se desdobrava em mais seis, ao todo 234 atividades proibidas. Transgredir o Sábado podia levar o acusado à condenação. A punição prevista chegava à pena de morte (cf. Ex 31,12-17; 35,1-3). Durante o exílio na Babilônia observar o Sábado era um sinal da identidade israelita entre os gentios.


Na verdade inicialmente observar o Sábado tinha como finalidade o descanso humano, para celebrar a libertação humana (interpretação da tradição deuteronomista. Cf. Dt 5,12-15). Mais tarde na tradição sacerdotal (cf. Ex 20,8-11), o descanso sabático tinha como finalidade imitar o repouso de Deus ao findar-se a obra da Criação. Com essa interpretação o Sábado passou a ser considerado como dia a ser “santificado”, dedicado a Deus e ao culto.


Na verdade, ao comentar Ex 31,13-14 os rabinos permitiam realizar trabalho em Sábado, se fosse em função de socorrer alguém em extremo perigo de vida. Eles diziam: “O homem não foi feito para o mundo, mas o mundo para o homem”. Ou: “O Sábado foi entregue a vós, não vós ao Sábado” (Simeão ben Menaxa, em 180 a.C, na época dos Macabeus). Na mesma linha está o Segundo Livro dos Macabeus: “Não foi por causa do Lugar que o Senhor escolheu o povo e sim por causa do povo, o Lugar” (2Mc 5,19).


Na interpretação dos fariseus sobre a observância do Sábado o que conta é a Lei. Os fariseus julgam o atuar humano a partir da lei e o julgam sob o aspecto que afeta a um preceito determinado, não a lei em seu conjunto. Os fariseus sabem que no Sábado pode-se comer, mas não se pode “colher”. Para eles cortar as espigas é colher. Logo este ato é considerado como trabalho e por isso, é proibido. Daí a pergunta deles: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!”. Ama menos quem se preocupa apenas com a lei e não com a dignidade do ser humano.


Jesus, na sua interpretação sobre a observância do Sábado, destaca a importância máxima do ser humano. Toda a atividade de Jesus tem como centro o ser humano e sua salvação. Para Jesus o que conta é o homem. Em nome da importância máxima do homem Jesus cita o profeta Oseías: “Quero a misericórdia e não o sacrifício” (Os 6,6). Com esta citação Jesus destaca a dignidade do homem diante de Deus. Em nome de um ser humano necessitado de libertação e de salvação Jesus é capaz de “transgredir” uma lei por mais sagrada que ela pareça ser, como o Sábado. Em nome do ser humano por amor Deus Pai enviou Seu Filho unigênito a fim de salvar a humanidade (cf. Jo 3,16). Em nome do ser humano e sua salvação, Jesus aceita ser perseguido, crucificado e morto. O preço de nossa salvação é o sangue de Jesus derramado na Cruz. Ao olhar para a Cruz de Jesus sabemos logo o quanto Jesus nos amou. E o mesmo Jesus continua se oferecendo como alimento para todos os seus seguidores, pois Ele continua nos amando. Por isso, ao participar da Eucaristia sabemos o quanto Jesus nos ama, pois Ele nos alimenta com seu próprio Corpo para podermos fazer nossa caminhada rumo à comunhão plena com nosso Deus e para que sejamos vida para os outros. A Eucaristia é nosso “Viático”, isto é, nosso alimento para nossa viagem nesse mundo rumo ao encontro derradeiro com Deus.


Por causa da grandeza do homem e de sua dignidade entre outras criaturas o Salmista fez a seguinte oração: “Quando contemplo o firmamento, obra de vossos dedos, a lua e as estrelas que lá fixastes: Que é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles? Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos, de glória e honra o coroastes. Destes-lhe poder sobre as obras de vossas mãos, vós lhe submetestes todo o universo” (Sl 8,4-7).


“Que é o homem de quem cuidas Tu, Senhor? Um ponto de poeira num cosmos de luz. (...) Sorrio em reconhecimento quando vejo que fizeste de mim o rei da tua criação, inferior, tão-somente, a Ti mesmo. Conheço a minha pequenez e a minha grandeza, a minha dignidade e a minha insignificância... Grande é o Teu Nome, ó Senhor, por toda a terra” (Carlos G. Valles. Busco Tua Face, Senhor: Salmos para contemplação. Ed.Loyola).


São Boaventura colocou na boca de Deus as seguintes palavras sobre o ser humano: "Quando te criei, pus sobre tua fronte a imagem da minha divindade, adaptei-me à imagem da tua humanidade quando te quis redimir; tu, pois, que cancelaste a imagem da minha divindade, impressa na tua fronte quando foste criado, retém ao menos na mente a imagem da tua humanidade, impressa em mim quando quis redimir-te; se não soubeste ficar qual tal te criei, sabe ao menos reter-me como eu fiz quando de novo te criei".


 “Quero a misericórdia e não o sacrifício”, diz-nos Jesus hoje. O culto e a vida, a oração e a convivência fraterna devem andar de mãos dadas. Trazemos nossa vida para nossa oração e levamos para a vida nossa oração na convivência fraterna.


Toda a atividade na Igreja do Senhor está em torno das pessoas e não em torno do trabalho. Na Igreja do Senhor, jamais pode ser colocada a pessoa de lado em função do trabalho. Trabalhamos na Igreja em função das pessoas e sua salvação e não em função do próprio trabalho. As pastorais e os movimentos existem para alcançar esse objetivo. Por isso, a seguinte pergunta permanece como um alerta: Se Jesus coloca o ser humano como o centro de sua atividade, qual é o lugar do homem, das pessoas nas nossas atividades pastorais e profissionais? “Quero a misericórdia e não o sacrifício”.


P.Vitus Gustama, SVD

20/07/2017
Resultado de imagem para “Eu sou aquele que souResultado de imagem para “Eu sou aquele que souImagem relacionada

DEUS ESTÁ PRESENTE NA HUMILDADE E NA MANSIDÃO


Quinta-Feira da XV Semana Comum


Primeira Leitura: Ex 3,13-20
Naqueles dias, ouvindo a voz do Senhor no meio da sarça, 13 Moisés disse a Deus: “Sim, eu irei aos filhos de Israel e lhes direi: ‘O Deus de vossos pais enviou-me a vós’. Mas, se eles perguntarem: ‘Qual é o seu nome?’ o que lhes devo responder?” 14 Deus disse a Moisés: “Eu sou aquele que sou”. E acrescentou: “Assim responderás aos filhos de Israel: ‘Eu sou enviou-me a vós’”. 15 E Deus disse ainda a Moisés: “Assim dirás aos filhos de Israel: ‘O Senhor, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó, enviou-me a vós’. Este é o meu nome para sempre, e assim serei lembrado de geração em geração. 16 Vai, reúne os anciãos de Israel e dize-lhes: ‘O Senhor, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó, apareceu-me, dizendo: Eu vos visitei e vi tudo o que vos sucede no Egito. 17 E decidi tirar-vos da opressão do Egito e conduzir-vos à terra dos cananeus, dos hititas, dos amorreus, dos ferezeus, dos heveus e dos jebuseus, a uma terra onde corre leite e mel. 18 Eles te escutarão e tu, com os anciãos de Israel, irás ao rei do Egito e lhe direis: O Senhor, o Deus dos hebreus, veio ao nosso encontro. E, agora, temos de ir, a três dias de marcha no deserto, para oferecermos sacrifícios ao Senhor nosso Deus’. 19 Eu sei, no entanto, que o rei do Egito não vos deixará partir, se não for obrigado por mão forte. 20 Por isso, estenderei minha mão e castigarei o Egito com toda a sorte de prodígios que vou realizar no meio deles. Depois disso, o rei do Egito vos deixará partir”.


Evangelho: Mt 11,28-30
Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: 28 “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30 Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.
______________


Deus Se Revela A Cada Um De Nós Para Ser Seu Parceiro Na Libertação Dos Irmãos


Eu Sou Aquele Que Sou”. "Eu vi, eu vi a miséria do meu povo que está no Egito. Ouvi o seu clamor por causa dos seus opressores; pois eu conheço as suas angústias. Por isso, desci a fim de libertá-lo da mão dos egípcios” (Ex 3,7-8).


Jamais Deus se revela a uma pessoa sem chamá-la para assumir alguma responsabilidade na libertação dos irmãos e na solução dos problemas existentes. Deus soluciona os problemas conosco e através de nós. Deus se revela a Moisés com o seguinte nome: “Eu Sou Aquele Que Sou”. E chama Moisés para assumir a missão de libertar os hebreus escravizados pelo poder de Faraó: "Eu vi, eu vi a miséria do meu povo que está no Egito. Ouvi o seu clamor por causa dos seus opressores; pois eu conheço as suas angústias. Por isso, desci a fim de libertá-lo da mão dos egípcios” (Ex 3,7-8). Ver, ouvir, conhecer. Estes verbos supõem a aproximação. Somente pode ver, ouvir e conhecer quem está próximo do outro. Deus se aproxima de nós e por isso, Ele vê, ouve e conhece. Deus está conosco. Deus nos chama e Ele próprio vai ser uma garantia na nossa missão. Deus conta com nós como nós devemos contar com Ele na nossa missão.


Diante da chamada de Deus, Moisés inventa desculpas para não assumi-la. A primeira objeção de Moisés: fingiu humildade: “Quem sou eu?” (Ex 3,11). Moisés tentou se diminuir e se fazer pequeno. Trata-se de uma tática para não assumir compromisso ao se mostrar muito humilde para assumir determinada responsabilidade. Moisés não queria encarar o Faraó, pois ele conhecia muito bem o palácio e os seus corredores. Diante dessa objeção Deus garantiu a presença: “Eu estarei contigo” (Ex 3,12).


Moisés inventa outra desculpa para fugir da responsabilidade. É a segunda objeção de Moisés: Simulou falta de conhecimento. “Eles vão perguntar pelo nome de Deus, e ai, o que vou responder?” (Ex 3,13). É outra tática para fugir do compromisso: a falsa ignorância que pode funcionar muito bem que consiste em não saber, não conhecer e não conseguir. Diante dessa objeção Deus se revelou: “Eu Sou Aquele que Sou. Sou o Deus dos vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus Isaac e o Deus de Jacó” (Ex 3,14-15).


Moisés inventa a terceira objeção porque não quer mesmo assumir a missão de libertar os hebreus escravizados: O pretexto de falta de fé por parte do povo: “Eles não vão acreditar em mim!” (Ex 4,1). Trata-se de uma desculpa ao jogar e colocar a dúvida e o problema nos outros. Na verdade, quem estava com dúvida era o próprio Moisés. Para solucionar essa objeção Deus lhe deu demonstrações de prodígios como o da serpente, da lepra e do rio (Ex 4,2-9).


Moisés não pára por ai. Ele inventa a quarta objeção: Alegou não saber falar e ser gago: “Eu não sei falar direito!” (Ex 4,10). Moisés buscou um defeito físico para justificar seu medo. É outra desculpa que muitas pessoas inventam/criam para não assumir compromisso. Como resposta, Deus se declarou o próprio autor da boca: “Quem dotou o homem de uma boca? Ou quem faz o mudo ou o surdo, o que vê ou o cego? Não sou eu, Deus? Vai, pois, agora, e eu estarei em tua boca, e te indicarei o que hás de falar." (Ex 4,11-12).


Moisés ainda procura inventar a quinta objeção: Reconheceu sua falta de coragem. Este foi o último recurso de Moisés: "Perdão, meu Senhor, envia o intermediário que quiseres!” (Ex 4,13). Deus ficou irado e mandou definitivamente Moisés em missão: “Então se acendeu a ira de Deus contra Moisés, e ele disse: ‘Não existe Aarão, o levita, teu irmão? Eu sei que ele fala bem. E eis que sairá ao teu encontro e, vendo-te, alegrar-se-á em seu coração. Tu, pois, lhe falarás e lhe porás as palavras na boca. Eu estarei na tua boca e na dele, e vos indicarei o que devereis fazer. Ele falará por ti ao povo; ele será a tua boca, e tu serás para ele um deus. Toma, pois, esta vara na mão: é com ela que irás fazer os sinais’” (Ex 4,14-18).


Finalmente Moisés foi convencido e superou seu medo e voltou para o Egito para libertar seus irmãos (cf. Ex 4,14-19).


Quais são suas desculpas para não assumir algum compromisso na sua comunidade eclesial em função de libertar seus irmãos de todo tipo de escravidão e em função de melhorar sua comunidade? Para que servem seus talentos dados por Deus como dons? O que você tem feito para melhorar sua comunidade?


Deus é Aquele Que É: Ele Está Sempre Conosco


Eu Sou Aquele Que Sou”. (‘Eyeh ‘aser ‘eyeh).


Como se chama Deus? É uma pergunta legítima de Moisés. Como você chama Deus? Qual é o nome de Deus para você. Por que você chama Deus com tal nome?


Sabemos muito bem da importância que tem o nome para os hebreus: indica “o ser” profundo. Assim Deus não é uma realidade imprecisa, impessoal. Deus não é uma coisa vaga. Deus tem um “nome”, é Alguém vivo.


No texto da Primeira Leitura, Deus se revela como “Eu sou Aquele que sou”. Este nome deve ser entendido a partir da perspectiva existencial e histórica. “Ser” na frase “Eu sou aquele que sou” não é verbo de essência ou de estado, e sim de ação, de presença real e efetiva. “Eu sou Aquele que está próximo”. “Eu estou ali para...”. “Eu sou” é o Deus dos patriarcas, o Deus da promessa, Aquele que decidiu estar sempre ajudando seu povo, no passado, no presente e no futuro. Por isso, agora se dispõe a sua libertação. O nome de Deus se revela a nós não nos livros e sim na história, na nossa existência de cada dia, na trivialidade da vida.


Sem dúvida nenhuma, nós podemos chamar Deus com melhores motivos que Moisés, “o Deus que está com”, “o Deus que sempre se aproxima para ajudar”. Porque em Jesus estamos convencidos de que Deus é Emanuel, o Deus-Conosco (cf. Mt 1,23; 18,20; 28,20). Jesus se chama a si mesmo com o nome: “Eu sou”. Às vezes Jesus se chama “Eu sou” com referências a diversos aspectos de sua personalidade: Eu Sou o bom pastor; Eu Sou a porta das ovelhas; Eu Sou o pão da vida; Eu Sou a luz do mundo; Eu Sou o caminho, a verdade e a vida. Outras, em sua totalidade divina: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou” (Jo 8,58). Desde Abraão até no momento presente temos experimentado que nosso Deus continua sendo o Deus da Aliança porque, em Jesus, continuamos celebrando a Nova e definitiva Aliança. Se há um momento em que Deus se revela como Aquele que está próximo de nós é na Eucaristia: Deus nos dirige Sua Palavra que é Seu próprio Filho, e nos dá Seu melhor alimento de vida: o Corpo e o Sangue do Ressuscitado. Não podemos ter melhor luz e força para nossa jornada diária!


Somos Convidados a Ir Ao Encontro Do Senhor Para Aprender a Ser Manso e Humilde


Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo... Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso”.


“Vinde a mim!”. Jesus nos convida a sairmos de nosso canto para o espaço maior, a sairmos de nosso pequeno horizonte para o horizonte maior. “Vinde a mim!”. É preciso caminharmos ao encontro de Jesus para aprender dele como devemos viver. A vida é uma caminhada. Caminhando criamos o caminho e aprendemos a ver mais coisas no caminho. “Vinde a mim!”. A vida é uma saída ao encontro do Senhor e ao encontro do irmão. “Vinde a mim!” é um convite do Senhor para sairmos de nosso isolamento para a comunhão de vida com Jesus juntamente aos nossos irmãos da mesma jornada: Quando a vida interior se fecha nos próprios interesses, deixa de haver espaço para os outros, já não entram os pobres, já não se ouve a voz de Deus, já não se goza da doce alegria do seu amor, nem fervilha o entusiasmo de fazer o bem. Este é um risco, certo e permanente, que correm também os crentes” (Papa Francisco: Exortação Apostólica Evangelii Gaudium no.2).


“Vinde a mim” é o convite de Jesus para nos encontrarmos com ele a fim de vivermos na alegria da Boa Nova: “A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria” (Papa Francisco: Exortação Apostólica Evangelii Gaudium no.1).


De que fardo Jesus fala neste texto? Quem são os “cansados e fatigados” neste texto? Trata-se aqui da opressão moral e religiosa, provocada pelo formalismo de uma religião estéril e de um moralismo legalista. Os “cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos” aqui são os pobres e famintos, ignorantes e pequeninos, os míseros e os doentes. O legalismo é sufocante, é uma moral sem alegria. Assim, a religião fica longe de ser motivo de liberdade e alegria, pois ela é reduzida a uma carga pesada. O ser humano se torna animal, pois a quem se impõe “jugo” e “carga”, se não aos animais?


Pelo contrário, o cristianismo e a moral cristã não são uma imposição. A lei de Cristo é amor (Jo 13,34-35;15,12), libertação; é lei de liberdade, lei do Espírito que dá vida, lei de relação filial com Deus, nosso e amigo da vida. Ao lado de Cristo, todas as fadigas se tornam amáveis e tudo o que poderia ser mais custoso no cumprimento da vontade de Deus se suaviza. Quem se aproxima de Jesus, encontrará repouso para suas aflições. Jesus veio, certamente, para libertar o ser humano de todo tipo de escravidão, mostrando-se manso e humilde de coração e recusando-se a multiplicar normas religiosas. Jesus reduziu tudo ao essencial: amor e misericórdia. A religião torna-se, assim, prazerosa por respeitar a liberdade e por ser humanizadora. “Onde só o amor serve e não a necessidade, a escravidão se torna liberdade”, dizia Santo Agostinho (In ps. 99,8).


Para tudo isso se tornar possível, há uma chave principal: o amor, tanto como um dom recebido de Deus, pois ele nos amou primeiro (1Jo 4,19), como uma responsabilidade, como Cristo que se dá a si mesmo a Deus e aos irmãos. Quem ama não sente a lei de Cristo como uma obrigação pesada. Pela experiência sabemos que quando se ama de verdade muitas coisas se tornam fáceis e suportáveis que seriam difíceis e até insuportáveis sem o amor. Ir para Jesus é descarregar o fardo aos seus pés, olhá-lo nos olhos, renunciando às nossas pequenas ideias sobre a questão e preferindo seu pensamento ao nosso.


“... aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração...” (v.29).  Quem é humilde? Quem é manso?


Jesus se fez pequeno entre os pequenos e é afável, pobre, humilde e simples em seu comportamento. Põe-se junto aos pequenos, aos que ele sente como sua família e assim, quer caminhar vivendo de toda Palavra que sai da boca de Deus. A simplicidade aproxima as pessoas e as pessoas se aproximam dos simples e humildes sem dificuldade. "Ser humilde com os superiores é uma obrigação, com os colegas uma cortesia, com os inferiores é uma nobreza”, dizia Benjamin Franklin.


Ser humilde não é ser tímido; não é aquele que fica no cantinho por medo de se comunicar com os outros ou por medo da multidão e assim por diante. Muito menos é aquele que simula a humildade, pois “Simular humildade é a maior das soberbas”, dizia Santo Agostinho (De sanc. virg. 43,44). O orgulho é como o mau hálito, todos percebem, exceto quem dele padece. O humilde é aquele que tem noção da própria capacidade e da própria fraqueza e limitações e está aberto totalmente a Deus e para qualquer crescimento no bem. "Quanto maiores somos em humildade, tanto mais próximos estamos da grandeza", dizia Rabindranath Tagore.


A palavra “humildade” deriva do latim: “humilis”, que por sua vez, deriva de “humus” que significa “chão”, “terra”. Humilde é aquele que se acha bem consubstanciado com a terra. É aquele que tem os pés bem firmes no chão. É aquele que pisa firme, com segurança e confiança em si mesmo. A partir da humildade não se despreza, nem se teme ninguém. O “húmus” é a parte nutritiva da terra que possibilita o crescimento de uma planta. Da mesma maneira, a humildade é refúgio e alimento do ser. A humildade possibilita crescimento para quem a tem. É na humildade e da humildade que germinam nossos autênticos valores. Só a partir da humildade é possível trilhar a infinita e misteriosa caminhada do conhecimento de si mesmo e de se crescimento. O humilde reverencia o sagrado, pois ele se reconhece “terra”, “pó”, mas é “pó” vivente por causa do hálito que é soprado nele pelo Criador (cf. Gn 2,7; Jo 20,22).


 “Aprendei de mim por que sou manso de coração”, convida-nos o Senhor. O manso é a pessoa boa nas relações com os outros. Jesus se proclama o Mestre “manso e humilde de coração”, pois ele é totalmente aberto a Deus e bom com os outros a ponto de compartilhar de sua existência. A “mansidão” é fruto do Espírito (Gl 5,23) e é sinal da presença da sabedoria do alto (Tg 3,13.17). A mansidão é a virtude a ser invocada e conquistada por quem pretende seguir fielmente a Jesus manso.


Todos nós sabemos como é fácil combater a ira com a ira, a cólera com a cólera, a raiva com a raiva. A mansidão, pelo contrário, rompe esse círculo vicioso, cumprindo aquilo que é justo diante de Deus. A mansidão é a força que resiste e domina a ira. A mansidão é a virtude que modera a ira e conserva a caridade. Quem a possui é amável, prestativo e paciente. Até os pecadores e os ateus mais endurecidos não resistem diante de quem tem a virtude de mansidão. A um coração manso e humilde como o de Cristo, os homens se abrem. Por isso, a mansidão não é característica dos fracos; pelo contrário, ela exige uma grande fortaleza de espírito. Aquele que é dócil a Deus, é manso para com os outros. A mansidão é a arma dos fortes. A mansidão sabe esperar o momento oportuno e matiza os juízos e impede que falemos ou comentemos precipitadamente os acontecimentos e as pessoas e impede que usemos palavras ferinas. Da falta dessa virtude provêm as explosões de mau humor, irritação, frieza, impaciência, violência e ódio entre as pessoas que vão corroendo gradativamente amor. Não há vida que seja tão vazia do que uma vida sem amor, pois “Deus é Amor” (1Jo 4,8.16).“Não basta o trabalho sem a piedade; não basta a ciência sem a caridade; não basta a inteligência sem a humildade; não basta o estudo sem a graça”, dizia São Boaventura.


O problema grave que temos não é o cansaço produzido pela fatiga e sim o desgaste ocasionado pela falta de motivações na vida. A grande enfermidade de nosso tempo é este “cansaço existencial” que muitas vezes conduz a pessoa à depressão. Mas não podemos nos esquecer que temos um amigo: Jesus Cristo, que nos convida a irmos ao seu encontro para que tenhamos novamente uma vida cheia de força, amor e ânimo para seguir adiante.


Jesus nos convida a assumirmos uma nova forma de viver a vida, longe de legalismo inútil e sufocante. A ética de Jesus se resume em um incondicional amor ao próximo como fruto de uma experiência de Deus como Pai. Quem ama não sente a lei de Cristo como uma obrigação pesada. Quem ama, a oração se torna prazerosa.


“... aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso” (Mt 11,29). O modo de viver de Jesus e o de tratar ao povo com compaixão e misericórdia nos indica claramente que Jesus é a revelação suprema da mansidão de Deus (cf. Is 42,1-4). Por isso, Jesus é a fonte da nossa mansidão: “... aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração...” (v.29).


Imitar Jesus na sua mansidão é o remédio contra as nossas irritações, impaciências e falta de cordialidade e de compreensão. Esse espírito sereno e acolhedor somente alcançaremos, se procurarmos permanecer em Jesus, revelação e fonte da mansidão, como ele sempre está com o Pai.
 
P. Vitus Gustama,svd