quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

13/01/2017
Resultado de imagem para Mc 1,1-12





APROXIMAR-SE DE JESUS NOS CURA E NOS CAPACITA A SUPERAR OS PROBLEMAS DA VIDA


Sexta-Feira da I Semana do Tempo Comum


Primeira Leitura: Hb 4,1-5.11


Irmãos, 1 tenhamos cuidado, enquanto nos é oferecida a oportunidade de entrar no repouso de Deus, não aconteça que alguém de vós fique para trás. 2Também nós, como eles, recebemos uma boa nova. Mas a proclamação da palavra de nada lhes adiantou, por não ter sido acompanhada da fé naqueles que a tinham ouvido, 3enquanto nós, que acreditamos, entramos no seu repouso. É assim como ele falou: “Por isso jurei na minha ira: jamais entrarão no meu repouso”. Isso, não obstante as obras de Deus estarem terminadas desde a criação do mundo. 4Pois, em certos lugares, assim falou do sétimo dia: “E Deus repousou no sétimo dia de todas as suas obras”, 5e ainda novamente: “Não entrarão no meu repouso”. 11Esforcemo-nos, portanto, por entrar neste repouso, para que ninguém repita o acima referido exemplo de desobediência.


Evangelho: Mc 2,1-12


1 Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. 2 E reuniram-se ali tantas pessoas, que não havia lugar, nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra. 3 Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. 4 Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado. 5 Quando viu a daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. 6 Ora, alguns mestres da Lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações: 7 “Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”. 8 Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando no seu íntimo, e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? 9 O que é mais fácil: dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda’? 10 Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder de perdoar pecados, — disse ele ao paralítico: 11 eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama, e vai para tua casa!” 12 O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca vimos uma coisa assim”.
------------------


Descansar Com e Em Deus


Irmãos, tenhamos cuidado, enquanto nos é oferecida a oportunidade de entrar no repouso de Deus, não aconteça que alguém de vós fique para trás... Esforcemo-nos, portanto, por entrar neste repouso, para que ninguém repita o acima referido exemplo de desobediência” (Hb 4,1.11).


A Primeira Leitura de hoje fala muito do “descanso” ou de repouso. É a tradução do termo “sabbath” em hebraico.


Num primeiro sentido o descanso se refere à história de Israel no deserto: Deus destinava os hebreus à Terra prometida onde encontrariam o repouso depois de quarenta anos de peregrinação pelo deserto. Mas por terem sido infiéis a Deus, não mereceram entrar nesse descanso: a geração que saiu do Egito não entrou em Canaã, Moisés tampouco.


Em outras ocasiões se fala do descanso do sábado, imitação do descanso de Deus no sétimo dia da criação. No judaísmo o descanso semanal era obrigatório e religioso. Deus quer que o homem descanse para que não seja escravo do trabalho nem escravize os outros nem os animais através de um trabalho sem descanso.


O autor da Carta aos hebreus atribui não entrada ao descanso dos antigos a sua desobediência a Deus, e quer que os cristãos aprendam a lição e não caiam no mesmo erro dos hebreus no deserto. Os cristãos devem ser perseverante em sua fidelidade a Deus para que o Senhor lhes admita o verdadeiro descanso, o descanso de Deus que Jesus conquistou com sua entrega total ao Pai. Por isso, o autor da Carta recomenda encarecidamente: “Esforcemo-nos, portanto, por entrar neste repouso, para que ninguém repita o acima referido exemplo de desobediência”.


O verdadeiro descanso não é o de uma terra prometida, pois esse descanso é efêmero. O verdadeiro descanso é chegar a gozar da vida e da felicidade total com Deus, na escatologia. Jesus quer nos introduzir para esse verdadeiro descanso. Não é por acaso que, quando alguém morrer, diremos: “Descanse em paz!” (RIP). Por isso, o “descanso de Deus” de que se fala na Primeira Leitura é contrário da passividade, do tédio e sim a felicidade estável e altamente consciente do existir e de estar plenamente com Deus.


Um dos segredos da vida santa e feliz é o equilíbrio entre ação (trabalho) e contemplação (oração, meditação, reflexão etc.). É mais santo quem melhor equilibra contemplação e ação. Ação e contemplação devem acompanhar todos os cristãos na mesma intensidade. As duas fecundam-se mutuamente. Por isso, não se pode supervalorizar a oração/contemplação em detrimento da ação. Oração que não se traduz na prática não é oração verdadeira. Nunca podemos procurar a amizade com Deus só para evitar a amizade com os homens. Ao contrário, procuramos a amizade com Deus para melhorar nossa amizade com os homens. Toda atividade pede oração. E toda oração exige ação. A vida, antes de ser vivida, precisa ser rezada. E depois de ser vivida ela volta a ser rezada. Oração e ação não são duas atividades isoladas uma da outra. Somente assim, conquistaremos o descanso em Deus, o descanso que Jesus nos conquistou.


O grande perigo de nossa vida é que não damos a Deus nenhuma oportunidade para ele nos falar de nossa vida porque não sabemos como ficar parado para estar em silêncio com Ele. O silêncio possibilita a presença da eternidade.


Crer Em Jesus Tira Todas As Nossa Paralisias e Nos Capacita Superar Os Problemas Da Vida


Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: ´Filho, os teus pecados estão perdoados´”.


Sabemos que o evangelho de Marcos foi escrito para responder a esta pergunta: “Quem é Jesus?”.


O evangelho de hoje nos leva um passo adiante no conhecimento de Jesus. Aqui não se fala somente de Jesus que ensina e cura; na se apresenta somente como o portador de um bem-estar. Sua ação vai em profundidade. Jesus rompe a barreira que havia entre o homem e Deus, entre o Santo Deus e o homem realmente impuro por ser pecador. Com o perdão de Deus, Jesus une novamente a terra e o céu.


Quando os quatro homens apresentaram a Jesus o paralitico para ser curado, Jesus percebe que aquele homem não é somente um paralitico e sim que tem um mal bastante grave: ele está em pecado e o pecado fecha o céu.


A cura do paralitico é, por isso, uma válida síntese da Palavra proclamada por Jesus Cristo. O Reino de Deus se aproxima porque Deus decidiu oferecer seu perdão, por amor, aos homens: “Filho, os teus pecados estão perdoados!”. Ele chama o paralitico de: “filho”. Jesus, o Deus-Conosco, se faz voz do Pai que está no céu ao dizer: “filho”. Jesus é o Pai encarnado, o Emanuel, o Deus-Conosco. E acrescenta: “Os teus pecados estão perdoados”. Ele não diz: “Eu te perdôo” e sim “os teus pecados estão perdoados”, isto é, por Deus.


Disposto a demonstrar a força salvadora do “Evangelho do Reino de Deus”, Jesus começa a comunicar ao paralítico a Boa Notícia da reconciliação com Deus. Nãonotícia que seja melhor do que a notícia da reconciliação com Deus. Fora da reconciliação com Deus que se expressa na reconciliação com o próximo não há salvação. Onde há amor, há também a reconciliação. Cada reconciliação feita é o céu que se abre e que se ganha. O céu ficará aberto, toda vez que procurarmos a reconciliação com Deus e com o próximo simultaneamente, como rezamos no Pai Nosso: “Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.


Os escribas não estão de acordo: somente Deus poderia comunicar este gozoso anúncio do perdão dos pecados, segundo eles. Também segundo os hebreus, perdoar os pecados não era uma tarefa do Messias. Jesus, pelo contrario, se comporta de fato como se estivesse no lugar de Deus. Neste caso, Jesus chama a si mesmo de “Filho do Homem”, para evitar o conceito tradicionalmente vinculado à expressãoMessias”. Aos poucos Jesus vai se revelando como Messias, Filho de Deus como Mc colocou logo no inicio de seu evangelho: “Princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus” (Mc 1,1). Mc vai colocar o título de “Filho de Deusbem no final do seu evangelho na boca de um centurião: “Verdadeiramente este homem era filho de Deus” (Mc 15,39), no momento em que Jesus morreu na cruz. A cruz que salva faz o centurião enxergar a salvação oferecida por Deus.


Com a discussão de hoje Mc dá inicio a uma série de cinco discussões entre Jesus e os escribas. Todas elas têm um denominador comum: Jesus questiona os pressupostos religiosos de uns homens profunda e honestamente religiosos. A de hoje questiona uma imagem sentida e familiar de Deus: um Deus que tira o mal de pessoas. Os escribas vivem discutindo o que pode e o que não pode. Jesus, ao contráriopassa a vida fazendo o bem” (At 10,38), mostrando para nós um Deus que é Pai que se preocupa com a salvação de seus filhos, todos nós.


Jesus foi sempre experimentado pelos primeiros cristãos como alguém que lhes questionava e quebrava as imagens religiosas mais profundamente sentidas. O Livro dos Atos é o melhor documento desta dinâmica que fala com profundidade uma religiosidade rígida e intolerante dos contemporâneos dos apóstolos. “Zelo” é o termo técnico em Paulo e em Atos para designar a rigidez e a intolerância religiosas.


Diante deste texto cada um, se for honesto, tem que se perguntar se em seus encontros com Jesus sente que sua imagem de Deus fica questionada.


Ao contrário dos letrados, a do povo e sua confiança no poder de Jesus continuam crescendo. Boa prova disto é o esforço que os quatro homens fazem para alcançar Jesus. Ao encontrar a porta fechada pela multidão que se aglomera diante dela, em vez de ficar desesperados e paralisados, os quatro homens sobem para o teto da casa para que o paralítico possa encontrar-se com Jesus. E Jesus valoriza a desses homens e do enfermo a quem lhe dá o perdão e são compensados pela cura do paralítico. Jesus não se contenta com o perdoar os pecados e sim que tenhamos consciência de que o perdão é real e cura também as enfermidades físicas. Ele salva o homem totalmente. Jesus é o Deus que o pecado, mas não condena ou não julga o pecador, mas o perdoa.


Creio que, a exemplo do paralitico, muitas coisas não funcionam na nossa vida porque não estamos em bom relacionamento com nosso Pai do céu. Este mau relacionamento com o céu faz com que nos tornemos paralíticos e paralisemos o crescimento de nossa vida. É preciso nos aproximarmos de Jesus para que ele abra novamente o céu fechado com seu perdão para que possamos voltar a viver na felicidade caminhando com nossas próprias pernas.


Além disso, aquele que não quer perdoar vive atacando o outro e é vítima de um ressentimento. E o ressentimento rouba sua alegria de viver. Para voltar a viver com alegria e dignidadeque se perdoar e perdoar o outro. O perdão é a expressão máxima do amor e o amor é que faz alguém viver na paz e na alegria. Somente aquele que está unido profundamente com Cristo é capaz de perdoar. Por isso, devemos nos perguntar se estamos unidos com Cristo ou não. A prova disso é a capacidade de amar e de perdoar e de se perdoar.


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: