terça-feira, 16 de maio de 2017

18/05/2017

Resultado de imagem para “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor.
AMOR CRISTÃO É UM AMOR CIRCULANTE:
DE DEUS PARA JESUS E DE JESUS PARA NÓS E DE NÓS PARA OS OUTROS


Quinta-Feira da V Semana da Páscoa


Primeira Leitura: At 15,7-21


Naqueles dias, 7 depois de longa discussão, Pedro levantou-se e falou aos apóstolos e anciãos: “Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu, do vosso meio, para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra do Evangelho e acreditassem. 8 Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como o deu a nós. 9 E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a fé. 10 Então, por que vós agora pondes Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós mesmos tivemos força para suportar? 11 Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles”. 12 Houve então um grande silêncio em toda a assembleia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado, por meio deles, entre os pagãos. 13 Quando Barnabé e Paulo terminaram de falar, Tiago tomou a palavra e disse: “Irmãos, ouvi-me: 14 Simão acaba de nos lembrar como, desde o começo, Deus se dignou tomar homens das nações pagãs para formar um povo dedicado ao seu Nome. 15 Isso concorda com as palavras dos profetas, pois está escrito: 16 “Depois disso, eu voltarei e reconstruirei a tenda de Davi que havia caído; reconstruirei as ruínas que ficaram e a reerguerei, 17 a fim de que o resto dos homens procure o Senhor com todas as nações que foram consagradas ao meu Nome. É o que diz o Senhor, que fez estas coisas, 18conhecidas há muito tempo’. 19 Por isso, sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20 Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue. 21 Com efeito, desde os tempos antigos, em cada cidade, Moisés tem os seus pregadores, que leem todos os sábados nas sinagogas”.


Evangelho: Jo 15,9-11


Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9 “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11Eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena”.
_________________________
Concilio de Jerusalém e a Abertura da Igreja a Ação do Espirito Santo


Por que vós agora pondes Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós mesmos tivemos força para suportar? Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles”.


A Primeira Leitura de hoje é a continuação do texto da Primeira Leitura do dia anterior. No texto de hoje, o autor dos Atos dos Apóstolos nos apresenta o chamado Concílio de Jerusalém e dá um certo destaque sobre a importância deste Concilio. O episódio, situado intencionalmente no centro do livro dos Atos, é como o eixo de sua dinâmica narrativa: há um antes e um depois, está Jerusalém com sua comarca e a diáspora com a missão entre os pagãos, Pedro e Paulo.


O motivo da convocatória está em At 15,5: “Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés”.


A decisão favorável do Concílio tem três fases culminantes. Primeira fase, o discurso de Pedro (At 15,6-12). Neste discurso Pedro invoca três fatos: a conversão de Cornélio, o jugo insuportável da Lei e a salvação de todos pela graça de Jesus. A segunda fase: o discurso de Tiago (At 15,13-21) líder respeitado da comunidade judaica de Jerusalém. No discurso, Tiago invoca um texto universalista da Escritura, mas pede que se observem as chamadas “cláusulas de São Tiago”: “Sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue”. Aqui se enfatiza alguns aspectos que creram razoáveis ser exigidos a todos: evitar a idolatria e a fornicação, e também manter a norma de não comer sangue nem animais estrangulados pelo caráter sagrado que se atribui ao sangue.  A terceira fase: o decreto do Concílio (At 15,22-29) e a promulgação do decreto apostólico em Antioquia (At 15,30-35).


Qual lição que podemos tirar do Concílio de Jerusalém? A assembleia/Concílio em Jerusalém deu-nos a imagem de uma comunidade capaz de escutar, de valorizar prós e contras, de saber reconhecer os passos de abertura que o Espirito Santo lhes está inspirando ainda que sejam incomodados pela formação cultural e religiosa recebida. Quando todos se deixarem inspirar e conduzir pelo Espirito Santo tudo tem saída e solução. Se nos deixarmos guiar pelo Espirito Santo à luz da fé e da experiência dos demais e o que Deus quer em cada momento, formaremos uma comunidade mais cristã e plena do Espirito Santo. A democracia é antes uma atitude pessoal do que um sistema político. Uma atitude mais tolerante baseada no diálogo em busca de pontos de convergência não somente nos ajuda a sermos melhores cidadãos, mas também a sermos melhores cristãos. Em tudo o ponto de referência não deve ser nossas convicções e sim a vontade de Cristo e de seu Espirito que acompanha a Igreja em todos os tempos e lugares. A abertura ao Espirito Santo é que salva os que tentam encontrar o caminho para chegar até Deus. E nós cristãos precisamos ser facilitadores para nossos irmãos para que possam encontrar o caminho seguro para o céu. Para isso é preciso ter muito amor no coração, pois o amor é sempre uma boa solução. “O amor é a vida do Espirito” (Santo Agostinho: In ps. 54,7). “Todo homem busca amor. Busca só o que ama” (Santo Agostinho: In Joan. 7,1)


Amar É Questão De Qualidade de Vida, Pois Deus é Amor


O texto do evangelho se encontra no discurso da despedida de Jesus dos seus discípulos no evangelho de João (Jo 13-17). Jesus sabe de sua morte iminente e por isso, deu as últimas recomendações para os seus discípulos.


Hoje Jesus nos disse: “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei”. Isto quer dizer que o amor cristão nasce e começa em Deus. Originalmente é coisa de Deus e não nossa. A iniciativa é de Deus: “Amamos porque Deus nos amou primeiro” (1Jo 4,19). Deus é amor (1Jo 4,8.16), origem e motor do amor. O Filho, Jesus, se origina do Pai num processo de amor que é o Espírito. Este amor em Deus é comunidade, Trindade. E este amor vai se manifestando na criação, na encarnação, na filiação, na amizade, na alegria definitiva do encontro derradeiro. Deus é sempre a origem e o término. “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei”. Que profundidade encontrada nesta afirmação. Eu sou amado de Deus e por Deus. Jesus me ama como o Pai ama Jesus. Eu sou privilegiado/privilegiada. Eu preciso viver esta verdade na minha vida cotidiana, em todas as circunstâncias. Deus me ama e eu creio no Seu amor. Com o amor divino por mim eu posso encarar tudo na minha vida como o amado/amada de Deus. Quanta serenidade terei eu se eu viver profundamente esta verdade! Não há nada que possa me separar do amor de Deus (cf. Rm 8,35-39).


E o sinal mais evidente, a encarnação desse amor divino é Jesus: “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna” (Jo 3,16). Jesus é a medida do amor de Deus e o exemplo a seguir. Todas as palavras de Jesus, todas as obras de Jesus são manifestação do seu amor por nós todos. Jesus é o amor de Deus feito rosto humano.


E este amor que nasce no Pai e passa por Jesus termina necessariamente nos irmãos. O amor cristão tem dois polos: Deus e os irmãos (o homem). Quem não ama o irmão, não conhece Deus, não conhece Jesus, não entendeu o que é a fé cristã. Sem amor a Deus e ao irmão, não há fé cristã.


Amor cristão é, então, um amor circulante: o amor que vem do Pai para o Filho, Jesus e de Jesus para nós e de nós para os irmãos.


Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei”. É maravilhoso o que Jesus nos diz hoje. Há alguém que me ama com o amor divino: Jesus Cristo. O amor com que Jesus me ama é o mesmo amor com que Ele é amado pelo Pai. Diante de Deus sou amado e sou amado eternamente, porque Aquele que me ama é eterno: “Eu te amei com amor eterno, por isso, conservei para ti o amor”, diz Deus através do profeta Jeremias (Jr 31,3). Posso estar rodeado pelas dificuldades ou problemas, mas eu sei que há alguém que me ama. A certeza desse amor eterno por mim me dá força para lutar e para melhorar minha vida. A certeza desse amor eterno me dá serenidade em tudo. De fato, eu não estou sozinho na minha luta de cada dia, pois há alguém que me ama: “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei”. Na minha oração só posso dizer a Jesus: “Obrigado, Senhor Jesus, porque me ama eternamente”.


Mas a relação com Deus não é algo automático. Por isso, Jesus acrescenta: “Permanecei no meu amor”.  A palavra “permanecer” é uma forma de acreditar em Jesus, de deixar-se penetrar pelo amor de Jesus, de deixar-se envolver pela ternura. É uma entrega total em Jesus para que Ele possa operar totalmente em nós a fim de que possamos ser reflexos do mesmo amor para o mundo ao nosso redor.


Se guardardes os meus mandamentos, vós permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor”. Este “Se” é inquietante para nós, porque é a responsabilidade de nossa liberdade. Eu sei que Deus me ama, mas será que eu permaneço no amor de Deus? Eu sei que sou filho (a) de Deus, mas será que eu vivo como tal? Eu sei que faço parte da família de Deus, mas será que estou dela? São Paulo nos esclarece sobre este tema ao nos dizer: “Não devais nada a ninguém, a não ser o amor mutuo, pois quem ama o outro cumpriu a Lei... A caridade não pratica o mal contra o próximo. Portanto, a caridade é a plenitude da Lei” (Rm 13,8.10). Tudo isto significa que o amor divino com que eu sou amado deve também transparecer e circular na minha relação com os outros. Nisto mostrarei que eu permaneço no amor divino.


O amor fraterno quando for vivido na sua profundidade leva a pessoa à alegria: “Eu vos disse isso para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena” (Jo 15,11). A verdadeira alegria brota do amor e da fidelidade com que se guardam na vida concreta as leis do amor. Sentiremos essa alegria na medida em que permanecermos no amor a Jesus, guardando os mandamentos de amor, seguindo o estilo de sua vida.


 Se vivermos tristes, será que isso acontece por causa da falta de nossa permanência no amor divino? Será que abandonamos o amor na nossa vida, por isso é que ficamos tristes o tempo todo? Será que nosso amor está nem morno nem quente, como diz o livro de Apocalipse (Ap 3,16)?


P. Vitus Gustama,svd

Nenhum comentário: